Influência de projetos de reflorestamento de matas ciliares no controle/mitigação da erosão por ondas em reservatórios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v21-164273

Palavras-chave:

Reabilitação, Processos erosivos marginais, Matas ciliares, Corredores de aceleração de ventos

Resumo

A erosão por ondas em reservatórios está entre os processos que mais remodelam suas margens e promovem seu assoreamento. A continuidade destes processos causa inúmeros problemas não só ambientais, mas também econômicos. Infelizmente, poucos são os trabalhos e modelos que tratam do assunto e a maioria deles usa um número restrito de parâmetros em suas análises. Uma das variáveis menos utilizada é a presença/tipo de vegetação, provavelmente pela dificuldade em se estimar seu impacto direto. Para se avaliar a influência da existência de matas ciliares em diferentes estágios sucessionais sobre a erosão por ondas em reservatórios, quatro áreas com diferentes usos e idades de reflorestamento tiveram ventos e ondas monitorados durante um ano e meio, incluindo feições erosivas e recuos de margens medidos, além de solos e sedimentos caracterizados. Os dados obtidos apontaram para um processo complexo, com muitas variáveis correlacionadas. Os resultados mostraram que a área com projeto de revegetação mais antigo (29 anos), cuja mata ciliar já se encontra bem estabelecida, apresenta características de solo e erosão semelhantes à área com vegetação nativa preservada, o que ajudou a preservar suas margens da ação erosiva das ondas. Já a área com projeto de revegetação recente (19 anos), ainda sem uma mata ciliar plenamente desenvolvida, se assemelha às áreas de pastagem, apenas com gramíneas, com intensa perda de material das margens para o reservatório. Esforços devem ser feitos no sentido de modificar legislações e ampliar o número de projetos de reflorestamento no intuito de reduzir os problemas causados pela erosão por ondas em reservatórios e, desta forma, melhorar a qualidade de suas águas e aumentar seu tempo de vida útil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Akpinar, A., Kaygusuz, K. (2012). RETRACTED: Regional sustainable water and energy development projects: A case of Southeastern Anatolia Project (GAP) in Turkey. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 16(2), 1146-1156. https://doi.org/10.1016/j.rser.2011.11.015

Bao, Y. H., Tang, Q., He, X. B., Hu, Y. H., Zhang, X. B. (2015). Soil erosion in the riparian zone of the Three Gorges Reservoir, China. Hydrology Research, 46(2), 212-221. https://doi.org/10.2166/nh.2013.291

Bonini, I., Daltro, R. F., Ribeiro, R. Q. (2013). A influência da supressão vegetal na dinâmica de processos erosivos: Um estudo comparativo em Campo Verde, Mato Grosso. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, 9(16), 2122-2135. Disponível em: https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/3518. Acesso em: 22 jul. 2021.

Booij, N., Ris, R. C., Holthuijsen, L. H. (1999). A thirdgeneration wave model for coastal regions, Part I, Model description and validation. Journal of Geophysical Research, 104(C4), 7649-7666. https://doi.org/10.1029/98JC02622

Bracs, M. A., Turner, I. L., Splinter, K. D., Short, A. D., Mortlock, T. R. (2016). Syncronised patterns of erosion and deposition observed at two beaches. Marine Geology, 380, 196-204. https://doi.org/10.1016/j.margeo.2016.04.016

Calliari, L. J., Muehe, D., Hoefel, F. G., Toldo Jr., E. (2003). Morfodinâmica praial: uma breve revisão. Revista Brasileira de Oceanografia, 51, 63-78. https://doi.org/10.1590/S1413-77392003000100007

Carneiro, G. T. (2007). Susceptibilidade à erosão laminar na área do reservatório da usina hidrelétrica de Cana Brava, Minaçu, Goiás: impactos ambientais e saúde. Dissertação (Mestrado). Goiânia: Ciências da Saúde, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 74 p. Disponível em: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/3076. Acesso em: 22 jul. 2021.

Chaudhuri, D. (2017). Empirical approaches in prediction of reservoir sediment distribution: an experience of 57 reservoirs in the USA and India. International Journal of Sediment Research, 32(2), 260-276. https://doi.org/10.1016/j.ijsrc.2017.04.001

Companhia Elétrica de Minas Gerais (CEMIG). (2005). Relatório controle ambiental/plano de controle ambiental. Belo Horizonte: Companhia Elétrica de Minas Gerais.

Costa, I. G. D. D. (2009). Análise do assoreamento no reservatório de Três Irmãos – SP. utilizando dados topobatimétricos, hidrológicos e técnicas de geoprocessamento. Dissertação (Mestrado). São Carlos: Ciências da Engenharia Ambiental, Escola de Engenharia de São Carlos – USP, 155p.

D’Armada, J. C. R. (2012). Como as ondas geradas pelo vento e as características sa vegetação ciliar influenciam erosões em margens de reservatórios: uhe porto colômbia, um estudo de caso. Dissertação (Mestrado). Itajubá: Pós-Graduação em Engenharia de Energia – Universidade Federal de Itajubá. Disponível em: https://repositorio.unifei.edu.br/jspui/handle/123456789/991. Acesso em: 22 jul. 2021.

D’Armada, J. C. R., Assireu A. T., Viana A. N. C., Rodrigues A. A. (2011). Erosões em margens de reservatórios – influências das ondas geradas pela ação do vento e da vegetação de proteção ciliar. XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens. Rio de Janeiro: Comitê Brasileiro de Barragens.

Del Grossi, S. R. A. (1993). Dinâmica climática atual de Uberlândia e suas Implicações geomorfológicas. Sociedade e Natureza, 5(9-10), 115-120. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/61005/31604. Acesso em: 22 jul. 2021.

Durlo, M. A., Sutili, F. J. (2005). Bioengenharia: manejo biotécnico de cursos de água. Porto Alegre: EST Edições, 189 p.

Evans, R. (1980). Mechanics of water erosion and their spatial and temporal controls: an empirical viewpoint. In: M. J. Kirkby, R. P. C. Morgan (eds.). Soil erosion, p. 109-128. Chichester: Wiley.

Ferreira, J. C., Patino, C. M. (2015). O que realmente significa o valor p. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 41(5), 485-485. Disponível em: https://www.scielo.br/j/jbpneu/a/SWk5XsCsXTW7GBZq8n7mVMJ/?lang=pt. Acesso em: 2 ago. 2021. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132015000000215

Furnas Centrais Elétricas S.A. (2004). Usina hidrelétrica de Porto Colômbia: diagnóstico ambiental. Arquivo Técnico. Rio de Janeiro: Furnas Centrais Elétricas S.A.

Gomes, L. G. N. (2005). A bioengenharia como ferramenta para restauração ambiental das margens do rio São Francisco. Dissertação (Mestrado). São Cristóvão: Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente – UFSE.

Gray, D. H., Sotir, R. B. (1996). Biotechnical and soil bioengineering slope stabilization: a practical guide for erosion control. Nova York: Wiley. Disponível em: https://www.wiley.com/en-us/Biotechnical+and+Soil+Bioengineering+Slope+Stabilization%3A+A+Practical+Guide+for+Erosion+Control-p-9780471049784. Acesso em: 2 ago. 2021.

Holanda, F. S. R., Bandeira, A. A., Rocha, I. P., Araújo Filho, R. N., Ribeiro, L. F., Ennes, M. A. (2009). Controle da erosão em margens de cursos d’água: das soluções empíricas à técnica da bioengenharia de solos. RA´EGA, 17, 93-101. https://doi.org/10.5380/raega.v17i0.12404

Holanda, F. S. R., Santos, L. G. C., Santos, C. M. S., Casado, A. P. B., Pedrotti, A. (2005). Riparian Fragments Affected by Bank Erosion in the Lower São Francisco River, Northeastern Brazil. Revista Árvore, 29(2), 148-152. https://doi.org/10.1590/S0100-67622005000200016

Ji, F., Liu, C., Shi, Y., Feng, W., Wang, D. (2019). Characteristics and parameters of bank collapse in coarse grained material reservoirs based on back analysis and long sequence monitoring. Geomorphology, 333(15), 92-104. https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2019.02.018

Journal of Integrated Coastal Zone Management. (2017). Glossário. Journal of Integrated Coastal Zone Management. Disponível em: https://www.aprh.pt/rgci/glossario/fetch.html. Acesso em: 2 ago. 2021.

Kazeminezhad, M. H., Etemad-Shahidi, A., Mousavi, S. J. (2005). Application of fuzzy inference system in the prediction of wave parameters. Ocean Engineering, 32(14-15), 1709-1725. https://doi.org/10.1016/j.oceaneng.2005.02.001

Kirk, R. M., Komar, P. D., Allan, J. C., Stephenson, W. J. (2000). Shoreline erosion on Lake Hawea, New Zealand, caused by high lake levels and storm–wave runup. Journal of Coastal Research, 16(2), 346-356. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/4300043. Acesso em: 2 ago. 2021.

Komar, P. D. (1976). Beach processes and sedimentation. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 429 p.

Macêdo, I. L. (2009). Estudo de modelos em ambiente de geoprocessamento para a previsão de erosão e assoreamento de reservatórios: o caso da Bacia do Rio Indaiá – UHE Três Marias, MG. Tese (Doutorado). Brasília: Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Faculdade de Tecnologia – Universidade de Brasília, 340 f.

Marques, M., Guetter, A. K. (2011). Estimativa com modelo paramétrico dos campos de ondas geradas por ventos severos no reservatório de Itaipu. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. Maceió: ABRH. Disponível em: https://abrh.s3.sa-east-1.amazonaws.com/Sumarios/81/c62390d4785dc793321350103d8b9ffc_8880c07916eb7e15ff332512f1bebfcf.pdf. Acesso em: 2 ago. 2021.

Menezes, P. H. B. J. (2010). Avaliação do efeito das ações antrópicas no processo de escoamento superficial e assoreamento na bacia do Lago Paranoá. Dissertação (Mestrado). Brasília: Instituto de Geociências – Universidade de Brasília, 133 f.

Messias, M. C. T. B., Antonini, Y., Kozovits, A. R. (2016). Indicadores de sucessão: como medir o sucesso de um programa de restauração ambiental. In: CEMIG (ed.). Restauração e Conservação de Matas Ciliares em Reservatórios Hidroelétricos. Belo Horizonte: CEMIG, parte 2/9, p. 101-114. Disponível em: https://www.cemig.com.br/wp-content/uploads/2020/07/livro_484_Restauracaoconservacaodematas.pdf. Acesso em: 2 ago. 2021.

Miles, J. W. (1960). On the generation of surface waves by turbulent shear flows. Journal of Fluid Mechanics, 7(3), 469-478. https://doi.org/10.1017/S0022112060000220

Morais, V. S., Maciel, G. F. (2008). Sistema automatizado de previsão de ondas geradas por ventos em águas interiores e sua alteração devido à influência de vegetação aquática. III Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande.

Morgan, R. P. C. (2005). Soil erosion and conservation. 3ªed. Hoboken: Blackwell, 304 p.

Müller, A. C. (1995). Hidrelétricas, meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo: Makron Books.

Nicolodi, J. L. (2007). O padrão de ondas no lago guaíba e sua influência nos processos de sedimentação. Tese (Doutorado). Porto Alegre: Programa de Pós-graduação em Geociências – UFRGS.

New, T., Xie, Z. Q. (2008). Impacts of large dams on riparian vegetation: applying global experience to the case of China’s three gorges dam. Biodiversity and Conservation, 17, 3149-3163. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s10531-008-9416-2. Acesso em: 2 ago. 2021.

Nordstrom, K. F., Jackson, N. L, Korotky, K. H. (2011). Aeolian sediment transport across beach wrack. Journal of Coastal Research, 2011(10059), 211-217. https://doi.org/10.2112/SI59-022.1

O’Sullivan, P. E., Reynolds, C. S. (2005). The Lakes handbook: lake restoration and rehabilitation. Nova Jersey: Wiley-Blackwell, v. 2, p. 572.

Paterlini, A. Z. (2009). Reconstituição da agitação marítima no litoral do espírito santo: caso de junho de 2006. Monografia de Graduação. Vitória: Departamento de Oceanografia e Ecologia – Universidade Federal do Espírito Santo.

Pavelhão, T. R. (2010). Caracterização dos solos na área de assentamento: Banco da Terra (Fazenda Akolá). Dissertação (Mestrado). Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 135 p.

Peel, M. C., Finlayson, B. L., McMahon, T. A. (2007). Updated world map of the Köppen-Geiger climate classification. Hydrology and Earth System Sciences, 11, 1633-1644. https://doi.org/10.5194/hess-11-1633-2007

Phillips, O. M. (1957). On the generation of waves by turbulent wind. Journal of Fluid Mechanics, 2(5), 417-445. https://doi.org/10.1017/S0022112057000233

Rajawat, A. S., Chauhan, H. B., Ratheesh, R., Rode, S., Bhanderi, R. J., Mahapatra, M., Mohit Kumar, Yadav, R., Abraham, S. P., Singh, S. S., Keshri, K. N., Ajai. (2015). Assessment of coastal erosion along the Indian coast on 1:25,000 scale using satellite data of 1989-91- and 2004-06-time frames. Current Science, 109(2), 347-3543. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/24905862. Acesso em: 2 ago. 2021.

Ramakrishnan, R., Agrawal, R., Remya, P. G., NagaKumar, K. Ch. V., Demudu, G., Rajawat, A. S., Nair, B., Rao, K. N. (2018). Modelling coastal erosion: A case study of Yarada beach near Visakhapatnam, east coast of India. Ocean & Coastal Management, 156, 239-248. https://doi.org/10.1016/j.ocecoaman.2017.08.013

Rosa, R., Lima, S. C., Assunção, W. L. (1991). Abordagem preliminar das condições climáticas de Uberlândia. Sociedade & Natureza, 3(5-6), 91-108. https://doi.org/10.14393/SN-v3-1991-60693

Rossi, M. (2017). Mapa pedológico do estado de São Paulo. São Paulo: Instituto Florestal, 118 p. v. 1. Disponível em: https://smastr16.blob.core.windows.net/iflorestal/2017/11/Livro_Solos1.pdf. Acesso em: 2 ago. 2021.

Rubio, M. P. (2014). Gênese e dinâmica de erosões em margens de reservatório: pesquisa & desenvolvimento no estudo de caso da UHEs Chavantes e Rosana (rio Paranapanema, SP, PR). Tese (Doutorado). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Geografia – USP. https://doi.org/10.11606/T.8.2015.tde-29062015-155336

Santos, J. D. (2007). Alterações das propriedades físicas e químicas do solo em função de diferentes sistemas agrícolas – São José da Lapa/MG. Dissertação (Mestrado). Belo Horizonte: Departamento de Geografia – Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/MPBB-79MEX5. Acesso em: 2 ago. 2021.

Schietlz, H. M., Stern, R. (1996). Ground bioengineering techniques: for slope protection and erosion control. Austrália: Blackwell Science, 146 p.

Schmeier, N. P. (2013). Bioengenharia de solos: uma alternativa à recuperação de áreas degradadas. Destaques Acadêmicos, 5(4), 127-130. Disponível em: http://www.univates.br/revistas/index.php/destaques/article/view/332. Acesso em: 2 ago. 2021.

Silva, R. M., Santos, C. A. G. (2009). Influência da cobertura vegetal nos processos hidrosedimentológicos no semiárido do Nordeste, Brasil. Perspectiva Geográfica, 5(1-2), 113-125. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/pgeografica/article/view/1855. Acesso em: 2 ago. 2021.

Skorupa, L. A. (2003). Áreas de preservação permanente e desenvolvimento sustentável. Jaguariúna: Embrapa, 4 p. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/Skorupa_areasID-GFiPs3p4lp.pdf. Acesso em: 2 ago. 2021.

Solera, M. L. (2010). Avaliação de técnicas de bioengenharia de solos para proteção de taludes: estudo de caso para aplicação nas encostas do reservatório da barragem da UHE Eng. Sergio Motta, Rio Paraná, SP/MS. Dissertação (Mestrado). São Paulo: Tecnologia Ambiental, Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, 71 f.

Su, X., Nilsson, C., Pilotto, F., Liu, S., Shi, S., Zeng, B. (2017). Soil erosion and deposition in the new shorelines of the Three Gorges Reservoir. Science of the Total Environment, 599-600, 1485-1492. https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2017.05.001

Wangen, D. R. B. (2012). Caracterização pedológica de saprolitos de gnaisse e de basalto, e implicações para o desenvolvimento de plantas. Tese (Doutorado). Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 149 p. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/12068. Acesso em: 2 ago. 2021.

Wentworth, C. K. A. (1922). A scale of grade and class terms for clastic sediments. Journal of Sedimentary Petrology, 30(5), 377-392. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/30063207. Acesso em: 2 ago. 2021. https://doi.org/10.1086/622910

Yang, F., Liu, W. W., Wang, J., Liao, L., Wang, Y. (2012). Riparian vegetation’s responses to the new hydrological regimes from the three gorges project: clues to revegetation in reservoir water-level-fluctuation zone. Acta Ecologica Sinica, 32(2), 89-98. https://doi.org/10.1016/j.chnaes.2012.02.004

Downloads

Publicado

2021-10-05

Como Citar

Silva, P. de O. ., Leite, M. G. P. ., Costa, A. T. ., & Fujaco, M. A. G. . (2021). Influência de projetos de reflorestamento de matas ciliares no controle/mitigação da erosão por ondas em reservatórios. Geologia USP. Série Científica, 21(3), 109-124. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9095.v21-164273

Edição

Seção

Artigos