Meios de comunicação, educação e repertório

Autores

  • Giovanna Mendonça Cozzetti Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
  • Lucas Nibbering Alves da Silva Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-7547.hd.2022.176414

Palavras-chave:

Meios de Comunicação, Comunicação, Educação, Cultura, Indústria cultural

Resumo

Os meios de comunicação estão inseridos em uma lógica de dominação e luta por hegemonia, ao mesmo tempo em que também podem contribuir à formação de repertório e emancipação conjugadas com uma educação libertadora e crítica. Nesse sentido, ressaltaremos a potência de conteúdos midiáticos tanto no sentido do reforço e da manutenção do status quo, quanto no da emancipação pela incitação crítica, combinada com estratégias educativas. Para tanto, nos valemos de casos exemplificativos obtidos por meio de pesquisa de dados secundários (como reportagens e estatísticas), bem como de análise teórica, nos valendo de autores que tratam acerca da Linguagem e principalmente de matriz marxista, bem como dos meios de comunicação, e também da Educação, para analisarmos a relação entre comunicação, educação, e a construção de repertório. Analisaremos as contradições intrínsecas, demonstrando as intersecções das iniciativas de comunicação materializadas em produtos culturais com os interesses hegemônicos e com as iniciativas educativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovanna Mendonça Cozzetti, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Estudante de graduação do curso de Comunicação Social com habilitação em Relações Públicas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Referências

ADORNO, T. W. A indústria cultural. Indústria Cultural e sociedade. Trad. Julia E. Levy. São Paulo: Paz e Terra, 2002. p. 7-80.

ALTHUSSER, L. Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado. Lisboa: Editorial Presença/Martins Fontes, 1970.

BACCEGA, M. A.; CITELLI, A. Retórica da manipulação: os sem-terra nos jornais. Comunicações e artes, São Paulo, v. 14, n. 20, p. 23-29, 1989.

BAKHTIN, M. (VOLOCHÍNOV). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 2002.

BARTHES, R. O efeito de real. In: Literatura e Semiologia: pesquisas semiológicas. Petrópolis: Vozes, 1972. p. 35-44.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

CAMPOS, F. Roteiro de cinema e televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

CANO, R. J. O robô racista, sexista e xenófobo da Microsoft acaba silenciado. El País, São Francisco (EUA), 25 mar. 2016. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/24/tecnologia/1458855274_096966.html. Acesso em: 09 mar. 2021.

COMPARATO, D. Da criação ao roteiro: teoria e prática. São Paulo: Summus, 2009.

ECO, U. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

FREIRE, P. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 2003.

GRUPO GAY DA BAHIA. Mortes violentas de LGBT+ no Brasil - 2019: Relatório do Grupo Gay da Bahia [online]. José Marcelo Domingos de Oliveira; Luiz Mott (Org.). Salvador: Editora Grupo Gay da Bahia, 2020. Disponível em: https://grupogaydabahia.files.wordpress.com/2020/04/relatc3b3rio-ggb-mortes-violentas-de-lgbt-2019-1.doc. Acesso em: 23 jul.2020.

HELLER, A. Sobre os preconceitos. In: O cotidiano e a história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004. p.43-63.

IANNI, O. A palavra mágica. In: Enigmas da modernidade-mundo. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2000. p. 207-232.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/vi-sualizacao/livros/liv97870.pdf. Acesso em: 20 out. 2020.

JENKINS, H. Venere no altar da convergência: um novo paradigma para entender a transformação midiática. In: Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2009. p.27-53.

LAZARSFELD, P.; MERTON, R. Comunicação de massa, gosto popular e a organização da ação social. In: ADORNO, S. et al. Teoria da Cultura de Massa. Introdução, comentários e seleção de Luiz Costa Lima. 2a ed. Rio De Janeiro: Paz e Terra, 1978. p.105-127.

LIMA, V. A. de. Televisão. In: WILLIAMS, Raymond. Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. São Paulo: Boitempo, 2007. p.454-457.

LIPPMANN, W. Estereótipos. In: STEINBERG, Ch. (Org.). Meios de Comunicação Massa. Rio de Janeiro: Cultrix, 1980.

MACHADO, I.; RAMOS, D. Alfabetização semiótica com os códigos informático-digitais da internet. Comunicação & Educação, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 38-53, jul./dez., 2019.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2002.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (Brasil). MEC apoia enfrentamento ao bullying e violência nas escolas. Ministério da Educação, Brasília, 06 abr. 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/222-537011943/62581-mec-apoia-enfrentamento-ao-bullying-e-violencia-nas-escolas. Acesso em: 20 out. 2020.

MOTTER, M. L. Consciência linguística de Fabiano. Revista Princípios, São Paulo, n. 32, p. 65-69, fev./mar./abr., 1994a. Disponível em: http://revistaprincipios.com.br/artigos/32/cat/1816/consci&ecircncia-lingu&iacutestica-de-fabiano-.html. Acesso em: 24 jul.2020.

MOTTER, M. L. A linguagem como traço distintivo do humano. Revista Princípios, São Paulo, n.34, p. 68-72, ago./set./out., 1994b. Disponível em: http://revistaprincipios.com.br/artigos/34/cat/1774/a-linguagem-como-tra&ccedilo-distintivo-do-humano-.html. Acesso em: 24 jul. 2020.

MOTTER, M. L. Telenovela: do analfabetismo visual à alfabetização pela palavra. REVISTA USP, São Paulo, n. 66, p. 198-298, jun./ago., 2005.

MUNGIOLI, M. C. P. O papel dos autores na constituição da teledramaturgia como sistema simbólico. In: CAMARGO, R. Z. Brasil, múltiplas identidades. São Paulo: Alameda, 2014. p. 125-139

NUNES, P. Maioria dos presos por reconhecimento facial são negros [online]. The Intercept Brasil, s.l., 21 nov. 2019. Disponível em: https://theintercept.com/2019/11/21/presos-monitora-

mento-facial-brasil-negros/. Acesso em: 09 mar. 2021.

NUNES, P. O algoritmo e o racismo nosso de cada dia. Revista Piauí, s.l., 02 jan. 2021. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/o-algoritmo-e-racismo-nosso-de-cada-dia/. Acesso em: 09 mar. 2021.

PINHO, A.; MARIANI, D. SP tem quase 2 professores agredidos ao dia; ataque vai de soco a cadeirada. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 set. 2017. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/09/1919146-sp-tem-quase-2-professores-agredidos-ao-dia-ataque-vai-de-soco-a-cadeirada.shtml. Acesso em: 20 out. 2020.

SOUZA, L. Violência contra professores e alunos cresce na rede pública paulista. Agência Brasil, São Paulo, 18 dez. 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2019-12/violencia-contra-professores-e-alunos-cresce-na-rede-publica-paulista. Acesso em: 20 out. 2020.

WILLIAMS, R. Base e superestrutura na teoria cultural marxista. In: Cultura e Materialismo. São Paulo: Editora Unesp, 2011. p. 43-68.

WILLIAMS, R. Televisão: tecnologia e forma cultural. São Paulo: Boitempo; Belo Horizonte, MG: PUC-Minas, 2016.

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

Cozzetti, G. M., & Silva, L. N. A. da. (2022). Meios de comunicação, educação e repertório. Humanidades Em diálogo, 11, 195-209. https://doi.org/10.11606/issn.1982-7547.hd.2022.176414

Edição

Seção

Academia