Uma inserção dos migrantes nordestinos em São Paulo: o comércio de retalhos

Autores

  • Sueli de Castro Gomes Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; Departamento de Geografia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1616.v12i13p143-169

Palavras-chave:

Migração, Nordestinos, Brás, Feiras da Sulanca, Santa Cruz do Capiberibe, Redes sociais, Trabalho autônomo

Resumo

O comércio de retalhos e resíduos é controlado, predominantemente, por migrantes nordestinos, formando uma rede de pessoas e mercadorias em torno dessa atividade. Desta forma, procuramos estudar como tais migrantes foram mobilizados para trabalhar nesse comércio nas ruas do Brás, em São Paulo. Ao identificar as conexões que esse espaço mantém com outros espaços, construindo uma malha de homens e mercadorias, optamos por seguir a circulação da mercadoria & retalho & até o seu destino final, qual seja, as feiras da sulanca de Pernambuco. Dentre as múltiplas problematizações que a pesquisa traz à tona, destacamos as redes sociais como um instrumento mobilizador do migrante comerciante autônomo de retalhos contribuindo para a ampliação do capital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-12-01

Edição

Seção

nao definida