A vida íntima das sombras

a ordem do discurso biobibliográfico

Autores

  • Diogo Xavier da Mata Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)
  • Gustavo Silva Saldanha Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v10i2p71-91

Palavras-chave:

Discurso biobibliográfico., Fontes de informação especializada, Autor, Campo científico, Biobibliografia

Resumo

Objetivo: As fontes de informação biobibliográficas, artefatos socialmente produzidos, possibilitam a reunião de informações acerca de sujeitos que disputam poder no mesmo campo. O objetivo do estudo é desenvolver a problematização conceitual da noção de discurso biobibliográfico, com base na reflexão advinda da experiência teórico-metodológica em Biblioteconomia e Ciência da Informação (BCI), atravessando um percurso que vai dos dicionários biográficos aos currículos na web. 

Método: Como reflexão filosófico-teórica, a pesquisa parte da“ordem do discurso” de Michel Foucault, para discutir a potencialidade conceitual da ideia de discurso biobibliográfico no campo científico, debatendo sua construção enquanto categoria analítico-discursiva para o campo informacional e sua aplicabilidade crítica no plano de uma filosofia do documento, reconhecida em trabalhos como de Bernd Frohmann e Michael Buckland. Como objeto da pesquisa empírica, a centralidade da investigação é dada pelas fontes de informação biobibliográficas que se referem a sujeitos ligados a um dado campo científico. 

Resultados: A partir do reencontro com a metáfora de Píndaro, que representa o homem como sua sombra, o estudo atinge a objetivação biográfica metadocumental do ser, identificado, descrito, classificado e indexado através de suas informações dispostas bibliograficamente a partir da invenção da Modernidade. Os sujeitos e seus lastros materiais no espaço-tempo desafiam o discurso informacional substancialista, sendo documentados pelas vias de fixação e de conformação das fontes de informação biobibliográficas produzidas em consonância com um segundo discurso, este mais abrangente, que irá produzir o reflexo do sujeito.

Conclusões: As biobibliografias, reconhecidas como formações discurivas, ao serem utilizadas como forma de recenseamento, instituem ordenadamente aquilo que o sujeito deve ser ou se tornar. A ordem discurso biobibliográfico define aquilo com a qual ele deve sonhar, um rito de conformação do sujeito no campo científico. Cria-se com esse tipo de relacionamento uma forma de sujeição a estas fontes de informação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Xavier da Mata, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Bacharel em Biblioteconomia

Gustavo Silva Saldanha, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Doutor em Ciência da Informação pelo IBICT/ Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.

Professor Adjunto da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO.

Downloads

Publicado

2019-01-22

Como Citar

MATA, D. X. da; SALDANHA, G. S. A vida íntima das sombras: a ordem do discurso biobibliográfico. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, [S. l.], v. 10, n. 2, p. 71-91, 2019. DOI: 10.11606/issn.2178-2075.v10i2p71-91. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/incid/article/view/152268. Acesso em: 28 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos