Fontes orais e sua relevância documental para as narrativas de memória nas organizações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v11i2p101-120

Palavras-chave:

Fontes orais, Memória, Gestão Documental, Gestão do Conhecimento

Resumo

Dialogando com a evolução da Ciência da Informação (CI) e suas relações histórico-sociais entre Biblioteconomia e Documentação, que tem sido amplamente explorada sem delimitar fronteiras do saber e campo de atuação dos profissionais da área, este artigo envolve considerações que se entrelaçam entre as fontes orais e sua relevância documental para as narrativas de memória no âmbito das organizações. Através de uma pesquisa de revisão narrativa de literatura, teve por objetivo identificar como as fontes orais podem preencher as lacunas documentais no âmbito das organizações através das narrativas de memória. Compõe um cenário de discussões contemporâneas embasado por um referencial teórico que destaca a gestão documental e suas possibilidades de reconhecer as fontes orais como fonte documental de recuperação da informação. Aborda a relação do arquivo e da gestão documental expandindo as bases teóricas por diversos autores que permeiam pela interdisciplinaridade dos conceitos da memória, destacando autores clássicos como Jacques Le Gof (1990), Maurice Halbwachs (1990) e Pierre Nora (1993), aproximando-os aos diálogos contemporâneos que exploram as narrativas de memória como estratégia de comunicação e da memória institucional, a saber: Icleía Thiessen (2013), Karen Worcman (2004) e Rodrigo Cogo (2016) vinculando ainda a relação indissociável dos arquivos com a memória defendida por Almeida (2017), Barros e Amélia (2009). Destaca o poder da informação face as mudanças tecnológicas da sociedade do conhecimento que através dos documentos, monumentos e na oralidade supera a objetividade dos fatos e conclui que as fontes orais compõem parte essencial para preencher as lacunas documentais existentes, acrescentando que o resgate da memória institucional promove a compreensão do presente como elemento norteador para o futuro da organização, sendo importante destacar que a memória institucional é a amplitude de documentos, monumentos e oralidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanderléa Nobrega de Azevedo Cortes, Universidade Federal de Sergipe

Mestra em Gestão da Informação e do Conhecimento pelo Programa de Pós-Graduação em Gestão da Informação e do Conhecimento da Universidade Federal de Sergipe – UFS, Brasil.

Professora Tutora do Curso de Biblioteconomia em EAD pela Universidade Federal de Sergipe – UFS.

Valéria Aparecida Bari, Universidade Federal de Sergipe

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de São Paulo – USP, Brasil.

Professora Associado da Universidade Federal de Sergipe – UFS, Brasil

Cleide Aparecida Freires Belchior, Universidade Federal de Sergipe

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Gestão da Informação e do Conhecimento no Mestrado Profissional em Gestão da Informação e do Conhecimento pela Universidade Federal de Sergipe – UFS, Brasil.

Assistente Técnica da Coordenação do Patrimônio e Meio Ambiente da Advocacia-Geral da União, Procuradoria da União no Estado de Sergipe, Brasil

Referências

ALBERTI, Verena. História dentro da História. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2010.

ALMEIDA, Maurício Barcellos. Memória organizacional: como as organizações armazenam e recuperam informações para fins de gestão. In: OLIVEIRA, Eliane Braga de; RODRIGUES, Georgete Medleg (org.). Memória: interfaces no campo da informação. Brasília: Ed. UnB, 2017. p. 215-247.

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001. p. 135. Disponível em: http://www.arquivonacional.gov.br/images/pdf/Dicion_Term_Arquiv.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020.

BARBOSA, Érica Dalloz Eller. Os impactos da terceirização de serviços de tecnologia de informação na memória organizacional de instituições de ensino superior. 2016. 96 f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2016. Disponível em: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2846/5/Erica%20Dalloz%20Eller%20Barbosa.pdf. Acesso em: 20 maio 2020.

BARBOSA, Marialva Carlos Barbosa. História e memória como processo de reflexão e aprendizado. In: MARCHIORI, Marlene. História e memória (org.). Rio de Janeiro: Ed. Senac, 2013. p. 63-73.

BARROS, Dirlene Santos; AMELIA, Dulce. Arquivo e memória: uma relação indissociável. Transinformação, Campinas, v. 21, n. 1, p. 55-61, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-37862009000100004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 12 maio 2020.

BEUX, Cláudia Freire. A memória organizacional no relatório de gestão da Universidade Federal do Rio Grande do Sul no período de 2008 a 2016. 2018. 155 f. Dissertação (Mestrado em Memória Social e Bens Culturais) – Universidade La Salle, 2018. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/189614. Acesso em: 12 abr. 2020.

BORTOLIN, Sueli.; ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Fontes orais, Paul Otlet e os bibliotecários. In: BORTOLIN, Sueli.; SANTOS NETO, José Arlindo dos; SILVA, Rovilson José da (org.). Mediação oral da informação e da leitura. Londrina: ABECIN, 2015. p. 59-88.

BRUSAMOLIN, Valério. SUAIDEN, Emir José. Aprendizagem organizacional: o impacto das narrativas. Curitiba: Appris, 2014. 237 p.

CÂNDIDO, Gilberto Gomes. O ato narrativo e a ética na descrição do documento de arquivo. 2020. 160 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista, Marília, 2020. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/192628/candido_gg_dr_mar.pdf?sequence=3. Acesso em: 12 abr. 2020.

CAPURRO, Rafael. Epistemologia e Ciência da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5, 2003, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: ANCIB, 2003. p. 1-21. Disponível em: http://www.capurro.de/enancib_p.htm. Acesso em: 12 jun. 2018.

CARMO, Mônica Elisque do. Gestão e organização da memória organizacional: geoparque quadrilátero ferrífero em Minas Gerais. 2020. Tese (Doutorado em Gestão e Organização do Conhecimento) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020. No prelo.

COGO, Rodrigo Silveira. Storytelling: as narrativas da memória na estratégia da comunicação. São Paulo: ABERJE, 2016. 173 p.

CORTES, Vanderléa Nóbrega Azevedo. Estruturação da memória organizacional por meio da gestão do conhecimento: entre o tácito e o explícito. 2019. 160 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão da Informação e do Conhecimento) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2019. Disponível em: https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/12338/2/VANDERLEA_NOBREGA_AZEVEDO_CORTES.pdf. Acesso em: 12 maio 2020.

CORTES, Vanderléa Nóbrega Azevedo. Informação e memória organizacional: inventário do resgate das fontes documentais como ferramenta de construção da memória organizacional. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO, 8, 2017, Aracaju. Anais [...]. Aracaju: Universidade Tiradentes, 2017. p. 1-15. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/simeduc/article/view/8540/2846. Acesso em: 12 abr. 2020.

FEITOZA, Rayan Aramís de Brito. Memória organizacional no contexto dos processos de gestão do conhecimento associados às práticas arquivísticas. 2019. 190 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/16860?locale=pt_BR. Acesso em: 14 maio 2020.

GUTIERREZ, Ana Lérida Pacheco. Memória institucional e gestão documental no Instituto de Matemática e Estatística da UFRGS. 2017. 116 f. Dissertação (Mestrado em Memória Social e Bens Culturais) – Universidade La Salle, Canoas, 2017. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/173273/001058137.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12 jun. 2020.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela Memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000. 5-39 p.

JUSTO, Rebeca Gutierres Boughostan. Relações entre o ciclo de inteligência competitiva e as funções da memória organizacional: estudo com foco na concorrência. 2018. 139 f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2018. Disponível em: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/3636/5/REBECA%20GUTIERRES%20B%20JUSTO.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020

LOUREIRO, Érica de Castro. Conhecimento e memória na Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz: reflexões e elementos para a construção de iniciativas de memória organizacional. 2016, 190 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/18457/2/Dissertacao_Erica_Loureiro_Ibict_2016.pdf. Acesso em: 22 maio 2020.

MONTYSUMA, Marcos Fábio Freire; MOSER, Gisele Palma. História oral e arquivologia: reflexões sobre o processo de ensino-aprendizagem da metodologia da história oral e o acervo de fontes orais. In: ENCONTRO NACIONAL DE HISTÓRIA ORAL, 13, 2016, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: [s. l.], 2016. Disponível em: https://www.encontro2016.historiaoral.org.br/resources/anais/13/1461876674_ARQUIVO_EncontroNacionaldeHistoriaOral-2016-artigocompleto-FINAL.pdf. Acesso em: 20 maio 2020.

NASSAR, Paulo. Relações públicas na construção da responsabilidade histórica e no resgate da memória institucional das organizações. São Caetano do Sul: Difusão, 2007. 206 p.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

OLIVEIRA; Eliane Braga de; RODRIGUES, Georgete Medleg; CASTRO, Raíssa Mota. A memória na Ciência da Informação: uma análise da produção científica brasileira. In: OLIVEIRA, Eliane Braga de; RODRIGUES, Georgete Medleg. (Org.). Memória: interfaces no campo da informação. Brasília: Ed. UNB, 2017. p. 79 – 108.

OLIVEIRA, Simone Rosa de. Memória institucional: lugar de (re)construção de uma Memória coletiva? In: SOUTO, Leonardo Fernandes (org.). Gestão da informação e do conhecimento: práticas e reflexões. Rio de Janeiro: Interciência, 2014. p. 261.

RIBEIRO, Suzana Lopes Salgado. Apresentação: dossiê “história oral e memória”. Revista Outras Fronteiras, Cuiabá, v. 3, n. 1, jan./jun., 2016. Disponível em: http://ppghis.com/outrasfronteiras/index.php/outrasfronteiras/article/view/235/pdf. Acesso: maio 2020.

ROTHER, Edna Terezinha. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta paul. Enferm, São Paulo, v. 20, n. 2, abr./jun. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002007000200001. Acesso em: 20 maio 2020.

SALMON, Christian. Um machine à fabriquer des thistories. Le Monde Diplomatique, Paris, nov. 2006, p. 18-19. Disponível em: http://www.sietmanagement.fr/wp-content/uploads/2016/04/une_machine_a_fabriquer_des_histoires.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020.

SANTOS, Juliana Cardoso dos. Memória organizacional: em foco o valor da informação como negócio/commodity. 2019. 223 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2019. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/183566/santos_jc_dr_mar.pdf?sequence=3&isAllowed=y. Acesso em: 23 abr. 2020.

SANTOS, Juliana Cardoso dos; MORO-CABERO, Maria Manuela; VALENTIM, Marta Lígia Pomim Valentim. A memória organizacional como diferencial competitivo em ambiente organizacional. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS, 11, 2016. Anais [...]. Londrina: [s. l.], 2016. Disponível em: http://pdf.blucher.com.br.s3-sa-east-1.amazonaws.com/socialsciencesproceedings/xi-sepech/gt13_89.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020.

TARAPANOFF, Kira (org.). Inteligência, informação e conhecimento. Brasília: IBICT: UNESCO, 2006. 453 p.

THIESEN, Icléia. Memória institucional. João Pessoa: Ed. da UFPB, 2013. 312 p.

VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Gestão documental em ambientes empresariais. In: VALENTIM, Marta Lígia Pomim (org.). Estudos avançados em arquivologia. São Paulo: Cultura acadêmica, 2012. p. 11-25.

VALENTIM, Marta Ligia Pomim. Informação e conhecimento em organizações complexas. In: VALENTIM, Marta (org.). Gestão da informação e do conhecimento. São Paulo: Polis: Cultura Acadêmica, 2008. p. 11-25.

VIEIRA, Ronaldo. Introdução à teoria geral da Biblioteconomia. Rio de Janeiro: Interciência, 2014. 330 p.

VOSGERAU, Dilmeira Sant’Anna Ramos; ROMANOWSKI, Joana Paulin. Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 14, n. 41, p. 165-189, jan./abr. 2014. Disponível em: http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/dialogo?dd1=12623&dd99=view&dd98=pb. Acesso em: 04 maio 2020.

WORCMAN, Karen. Memória do futuro: um desafio. In: NASSAR, Paulo (org.). Memória de empresa: história e comunicação de mãos dadas, a construir o futuro das organizações. São Paulo: Aberje, 2004. p. 23-30.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

CORTES, V. N. de A.; BARI, V. A.; BELCHIOR, C. A. F. . Fontes orais e sua relevância documental para as narrativas de memória nas organizações. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 101-120, 2020. DOI: 10.11606/issn.2178-2075.v11i2p101-120. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/incid/article/view/175161. Acesso em: 19 jun. 2021.

Edição

Seção

Artigos