Biblioteca na vida acadêmica de um estudante surdo: um relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v12i2p284-304

Palavras-chave:

Surdez, Bibliotecas, Acessibilidade, Ensino Superior

Resumo

Ao ingressar na universidade, o estudante surdo depara-se com uma realidade que nem sempre é a mesma que vivenciou em escolas bilíngues até o Ensino Médio. Por ser um universo maior e mais diversificado, nem sempre está presente um profissional intérprete de Libras/língua portuguesa, de materiais bilíngues, e a comunicação pode não acontecer de forma acessível à sua compreensão. Essa ruptura na realidade acadêmica do estudante surdo é mais frequente do que se imagina e pode apresentar fatores que comprometem sua trajetória de estudos e aprendizagens. A literatura mostra que existem possibilidades para estabelecer uma relação satisfatória entre biblioteca - estudante surdo - bibliotecário, mas como ela acontece? O que pode ser oferecido para um estudante surdo usuário de uma biblioteca universitária? Como ocorrer o atendimento para esse estudante? Para tentar responder a essas perguntas e conhecer essa relação, buscaram-se subsídios teóricos na literatura nacional para construir o referencial deste estudo, que objetivou analisar as respostas a uma entrevista realizada com um estudante surdo, matriculado em um programa de pós-graduação, sobre sua relação com a biblioteca (equipe e ambiente). Os resultados apontam desafios a serem superados pelos usuários com deficiência, nas bibliotecas, como a falta de comunicação, ausência de acervo e recursos especializados. Conclui-se, portanto, que os atendimentos inclusivos para o usuário surdo ainda não acontecem como deveriam e que as bibliotecas precisam estar atentas ao cumprimento de sua responsabilidade na sociedade inclusiva. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle da Silva Pinheiro Wellichan, Universidade Estadual Paulita 'Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Bibliotecária, Mestra em Ciência da Informação (UNESP/Marília) e Doutoranda em Educação, na linha de Educação Especial (UNESP/Marília). Membro do GT Acess - Acessibilidade em Bibliotecas – FEBAB e do Grupo de Pesquisa DefSen – UNESP/Marília.

Carla C. Tescaro Santos Lino, Universidade Estadual Paulita 'Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Professora bilíngue de SRM-Surdez pela SEED-PR. Mestra em Ensino (UNOPAR). Doutoranda em Educação, na linha de Educação Especial (UNESP/Marília). Membro do Grupo de Pesquisa DefSen – UNESP/Marilia.

Eduardo José Manzini , Universidade Estadual Paulita 'Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNESP/Marília, Doutor em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da USP, São Paulo, e Pós-Doutorado em Educação pela UERJ. Líder do Grupo de Pesquisa DefSen – UNESP/Marilia.

Referências

AMERICAN LIBRARY ASSOCIATION. People with multiple disabilities: what you need to know. 2017. Disponível em: http://www.ala.org/asgcla/files/asclaprotools/accessibilitytipsheets/tipsheets/12-Multiple_Disabili.pdf Acesso em: 15 jul. 2020.

ARAUJO, E.M. et al. Princípios básicos da Língua Brasileira dos Sinais (Libras): uma experiência na biblioteca da EESC/USP. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 13, n. esp. CBBD, 2017. Disponível em: https://portal.febab.org.br/anais/article/view/1904 Acesso em: 04 nov.2021.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS. NBR15599: acessibilidade: comunicação na prestação de serviços. Rio de Janeiro: ABNT, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS. NBR 9050: acessibilidade a edificações, espaço, mobiliário e equipamentos urbanos. 3.ed. Rio de Janeiro: ABNT, 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: edições 70, 2016.

BATISTA, L.; NASCIMENTO, E.H. A deficiência vai à universidade: perspectivas e entraves do processo inclusivo na educação superior brasileira. Educação Unisinos, v.22, n. 2, p. 120-127, abr./jun. 2018. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/edu.2018.222.01/60746204 Acesso em: 04 nov.2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: D.O. 5 de outubro de 1988. Disponível em: www.mec.gov.br/legis/default.shtm . Acesso em: 31 jul. 2020.

BRASIL. Lei 9394/96: Lei de diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm . Acesso em: 03 jul. 2020.

BRASIL. Decreto nº 5626 de 22 de dezembro de 2005. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm . Acesso em: 27 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC, 2008.

BRASIL. Planalto. Lei n. 13146 de 06 de julho de 2015: institui a Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência (Estatuto da pessoa com deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm Acesso em: 22 jul. 2020.

CAPURRO, R. Epistemologia e ciência da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., Belo Horizonte, 2003. Anais... Belo Horizonte: ECI–UFMG, 2003. Disponível em: http://www.capurro.de/enancib_p.htm Acesso em: 01 dez. 2020.

DIAS, M. R.; BOM, G. Um olhar ao estudante com surdez da Universidade Federal do Rio Grande do Norte: análise sobre a acessibilidade à informação na Biblioteca Central Zila Mamede. BiblioCanto, Natal, v. 5, n. 1, p. 83-104, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/bibliocanto/article/view/18864 Acesso em: 10 jul. 2020.

DUARTE, A.B. S. Mediação da informação e estudos de usuários: interrelações. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 3, n. 1, p. 70-86, jan./jun. 2012. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/incid/article/download/42370/46041/ Acesso em: 20 jul. 2020.

FERREIRA, R. R.; CHAGAS, K. R. O bibliotecário como mediador no processo de inclusão do surdo em bibliotecas universitárias. Revista Bibliomar, São Luís, v. 15, n. 1/2, jan./dez, 2016. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/bibliomar/article/download/6623/4274 Acesso em: 10 jul. 2020.

FORTALECIMENTO de bibliotecas acessíveis e inclusivas: manual orientador. São Paulo: Mais Diferenças, 2016. Disponível em: http://www.maisdiferencas.org.br/site/noticias/?id=245 . Acesso em: 01 dez. 2020.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. São Paulo: Plexus, 1997.

HERINGER, R. Democratização da educação superior no Brasil: das metas de inclusão ao sucesso acadêmico. Rev. bras. orientac. prof, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 7-17, jun. 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902018000100003&lng=pt&nrm=iso Acesso em: 20 jul. 2020.

HONORA, M.; FRIZANCO, M. L. Esclarecendo as deficiências: aspectos teóricos e práticos para contribuir para uma sociedade inclusiva. São Paulo: Ciranda Cultural, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA (IBGE). Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro, 2010.

INTERNATIONAL FEDERATION OF LIBRARY ASSOCIATIONS AND INSTITUTTIONS (IFLA). Manifesto IFLA para biblioteca escolar. Tradução: Neusa Dias de Macedo. 1999. Disponível em: http://www.ifla.org/VII/s11/pubs/portuguese-brazil.pdf . Acesso em: 04 nov.2021.

ISHIMOTO, A. T.; ROMÃO, L. M. S. O silêncio dos ouvintes: o bibliotecário em relação ao leitor surdo. Biblionline, João Pessoa, v. 11, n. 2, p. 31–42, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/biblio/article/view/26719/15187 . Acesso em: 21 jul.2020.

LACERDA, C. B. F.; NAKAMURA, H.; LIMA, M. C. (Org.). Fonoaudiologia: surdez e abordagem bilíngue. São Paulo: Plexus, 2000. p. 21-41.

MANZINI, E. J. Análise de entrevista. Marília: Abpee, 2020.

MANZINI, E. J.; OLIVEIRA, J. P.; GERMANO, G. D. (Org.). Política de e para educação especial. Marilia: ABPEE, 2018.

MIGLIOLI, S.; SANTOS, G. A. Acessibilidade e serviços inclusivos para minorias sociais: a biblioteca do Instituto Nacional de Educação de Surdos. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 136-149, dez./mar., 2017. Disponível em: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1278 Acesso em: 15 jul. 2020.

MIRANDA, S. N. Acessibilidade ao usuário surdo e com deficiência auditiva em bibliotecas universitárias: o caso da UNIRIO. 2015. Dissertação (Mestrado Profissional em Biblioteconomia) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/handle/unirio/11904 Acesso em: 10 jul. 2020.

MIRANDA, S. N. Comunicação acessível aos usuários surdos e com deficiência auditiva em bibliotecas: uma análise das normas brasileiras. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 13, 2017. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/847 Acesso em: 5 jul.2020

MIRANDA, S. N.; COSTA, M. V. S. B.; SILVA, M. M. O usuário surdo e a acessibilidade no sistema de bibliotecas da UNIRIO. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 13, n. 2017, p. 2008-2019, 2019. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/971 Acesso em: 04 nov.2021.

PERLIN, G. T. T. Identidades surdas. In: SKLIAR, C. (org). A surdez. Porto Alegre: Mediação, 2013. p.51-73.

SANTOS, M. P.; DINIZ, C. N.; RANGNI, R. A. Pessoas surdocegas em bibliotecas: discussões iniciais. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 13, p. 2051-2064, 2017. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/1002 Acesso em: 04 nov.2021.

SILVA, J. L. C. Necessidades de informação e satisfação do usuário: algumas considerações no âmbito dos usuários da Informação. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 3, n. 2, p. 102-123, jul./dez. 2012. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/incid/article/view/486566 Acesso em: 20 jul. 2020.

SILVA, A. G. Acessibilidade na Universidade do Estado do Pará – UEPA: um estudo nos campi da capital (Belém). In: MARTINS, L. A. R. et al. Educação & Diversidade: saberes e experiências. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2010. p. 179 - 192.

SKLIAR, C. Uma análise preliminar das variáveis que intervêm no Projeto de Educação Bilíngue para os Surdos. Espaço Informativo Técnico Científico do INES. Rio de Janeiro, v. 6, p. 49-57, 1997.

SKLIAR, C. (Org.) Atualidade da educação bilíngue para surdos. Porto Alegre: Mediação, 1999. v. 1-2.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: UFSC, 2008.

VIEIRA, L. C. B. Biblioteca inclusiva: repensando políticas de acesso e inclusão para deficientes auditivos na Universidade Federal do Maranhão. Biblionline, João Pessoa, v. 10, n. 1, p. 82-101, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/biblio/article/view/17882 Acesso em: 20 jul. 2020.

WELLICHAN, D. S. P.; SOUZA, C. S. A inclusão na prática: estudantes com deficiência no Ensino Superior. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 21, n. 1, p. 146-166, 2017. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/9786/6596 Acesso em: 20 jul. 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

WELLICHAN, D. da S. P.; LINO, C. C. T. S.; MANZINI , E. J. . Biblioteca na vida acadêmica de um estudante surdo: um relato de experiência. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 284-304, 2021. DOI: 10.11606/issn.2178-2075.v12i2p284-304. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/incid/article/view/180896. Acesso em: 2 jul. 2022.

Edição

Seção

Relato de Experiência