De onde vem o sotaque em italiano?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.i40p94-113

Palavras-chave:

Pronúncia do italiano, Fonética, Fonologia, Análise contrastiva

Resumo

Há uma ideia difundida de que a dificuldade de pronúncia de uma língua estrangeira situa-se na produção dos sons inexistentes na língua materna. Sem negar essa interferência, o que se procura mostrar neste artigo é que o problema do sotaque vai além disso: no caso do italiano, o domínio dos sons diferentes não é um problema para a aquisição de uma boa pronúncia por parte do falante brasileiro, uma vez que todos os sons do italiano também existem em português. Até mesmo as consoantes duplas ocorrem em português, como se comprova com dados exemplificativos. Apesar disso, há problemas de pronúncia e o sotaque do brasileiro é evidente. O problema, portanto, não se situa no desconhecimento dos fones, mas deve ter origem em outros fatores. A hipótese aqui apresentada considera que o sotaque do brasileiro decorre de dois fatores: (a) da diferença do contexto em que os fonemas aparecem no português e no italiano; e (b) da diferença das regras fonológicas que operam nas duas línguas. Além disso, haveria ainda a questão entonacional, que não é abordada aqui. Para fundamentar e comprovar a análise proposta, são apresentadas considerações sobre o funcionamento fonético e fonológico do italiano e do português.

Biografia do Autor

Lúcia Monteiro de Barros Fulgêncio, Universidade Federal de Minas Gerais

Foi professora de italiano nas universidades do Mississippi (Oxford - EUA) e na UFMG (Belo Horizonte – BR). É doutora e pós-doutora em linguística. Dentre os trabalhos publicados estão os seguintes livros: Gramática contrastiva italiano-português (2017), Manual de gramática contrastiva para falantes do português, volumes 1 e 2 (1993), É possível facilitar a leitura: um guia para escrever claro (2007), Como facilitar a leitura (1992) e A leitura na escola (1995). A respeito do italiano também publicou artigos, dentre os quais Il lessico della reggenza preposizionale verbale in italiano, na revista Perusia, da Università per Stranieri di Perugia (2011).

Referências

CAMARA JR., J. M. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, 15a edição, 1985.

CAMARA JR., J. M. Dicionário de linguística e gramática. Petrópolis: Vozes, 7a edição, 1977.

CANEPARI, L. Manuale di pronuncia italiana. Bologna: Zanichelli, 1992.

COSTAMAGNA, L. Pronunciare l’italiano. Perugia: Guerra, 1996.

FULGÊNCIO, L. Gramática contrastiva italiano-português. Milano: Hoepli, 2017.

FULGÊNCIO, L.; BASTIANETTO, Patrizia. Um exemplo de análise contrastiva: o grafema r / rr em português e italiano. In: Caligrama, FALE/UFMG, Belo Horizonte, p. 165-182, 1998.

LIBERATO, Y. G. Alterações vocálicas em final de palavra e a regra de palatalização. In: Ensaios de linguística, n. 1, FALE/UFMG, Belo Horizonte, p. 80-95, 1978.

PONTES, E. Estrutura do verbo no português coloquial. Petrópolis: Vozes, 2a edição, 1973.

SCHANE, S. A. Generative Phonology. New Jersey: Prentice-Hall, 1973.

SILVA, T. C. Fonética e fonologia do português. São Paulo: Contexto, 1998.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Fulgêncio, L. M. de B. (2020). De onde vem o sotaque em italiano?. Revista De Italianística, (40), 94-113. https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.i40p94-113

Edição

Seção

Artigos