Reflexões sobre a ética e a censura no teatro de Maquiavel

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.i41p84-97

Palavras-chave:

Maquiavel, Mandragola, Ética, Moral, Censura

Resumo

As relações humanas estão no centro de cada escolha moral ou ética. Nicolau Maquiavel (1469-1527) traz em seu teatro representações complexas, significativas e emocionais da experiência humana. Esta diversidade de temas, ações e emoções contribui na reflexão sobre as escolhas pessoais, a sociedade e o tempo em que vivia. Porque então Mandragola (1518), obra prima dramática do teatro italiano foi censurada por tantos séculos? Quando há censura, esta visa a imposição de uma moral privada no espaço de todos, evidenciando a vontade de parte da sociedade em se afirmar como legítimos representantes da “verdade” que se identifica com suas crenças e estilo de vida. A ética, ao contrário, é uma pesquisa da verdade através da reflexão e do confronto. A ética demanda liberdade de escolha pelo indivíduo em seu modo de agir, conforme seu conceito. Se não existe confronto, não existe vontade possível. O questionamento ético começa desconstruindo os lugares sagrados da literatura e da crítica canônica. Trata-se de colocar sob suspeita os processos de semiotização da realidade, que reduzem o outro a uma representação homogeneizante. A partir disso, o artigo apresentará uma reflexão sobre a censura aplicada pela Igreja aos textos teatrais de Maquiavel, sob a alegação de que sua obra se oporia às ideias e conceitos difundidos pela instituição. Pretende-se demonstrar que, mais que discordar do conteúdo das obras, o objetivo era impedir a propagação da visão crítica de Maquiavel, ainda que isso não tivesse efeito prático sobre a sociedade e as relações humanas.

Biografia do Autor

Priscila Nogueira da Rocha, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Graduação em Português-Italiano pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre em Letras Neolatinas, Lingua Italiana, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Doutoranda em Literatura Italiana com Bolsa CAPES no Programa de Pós-graduação em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro com ênfase nos estudos de Teatro e literatura do Renascimento.

Referências

ASOR ROSA, A. Storia europea della letteratura italiana. Torino: Einaudi, 2009.

BARATTO, M. La commedia del Cinquecento. Vicenza: Neri Pozza, 1977

COIMBRA, J. A. A. Fronteiras da ética. São Paulo: Senac, 2002.

MACHIAVELLI, N. La Mandragola. (P. Stoppelli, A cura di). Milano: Mondadori, 2006

PULCE, G. Saggio storico di letteratura poetica dal secolo di Pericle fino al nostro. Napoli: Stamperia del Fibreno. 1867.

PROCACCI, G. Machiavelli nella Cultura Europea dell’Età Moderna. Roma-Bari: Laterza, 1995.

RIDOLFI, R. Vita di Niccolò Machiavelli. Firenze: Sansoni Editore, 1978.

STOPPELLI, P. La Mandragola. Storia e filologia. Roma: Bulzoni, 2005

VIROLI. M. O sorriso de Nicolau – História de Maquiavel. São Paulo: Ed. Estação Liberdade, 2002.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Rocha, P. N. da. (2020). Reflexões sobre a ética e a censura no teatro de Maquiavel. Revista De Italianística, (41), 84-97. https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.i41p84-97

Edição

Seção

Artigos