Os desafios na garantia do direito à convivência familiar

  • Juliana Maria Fernandes Pereira Ambulatório de Saúde Mental de Sertãozinho
  • Liana Fortunato Costa Universidade de Brasília
Palavras-chave: Abandono, Institucionalização, Adoção de crianças maiores e adolescentes, Reintegração familiar

Resumo

A partir de um estudo realizado em uma região metropolitana brasileira, discutiremos, neste artigo, os desafios encontrados para a inserção de crianças maiores e adolescentes institucionalizados em lares substitutos, procurando ampliar a discussão para além do enfoque predominante na literatura nacional - a adoção de bebês. O objetivo da investigação foi estudar o cadastramento de crianças maiores e adolescentes para adoção, atentando para as dificuldades na articulação entre os segmentos envolvidos e os significados construídos pelos sujeitos nesse contexto, assim como as possíveis relações entre estes aspectos e a problemática do abandono, da institucionalização e da adoção. Os dados evidenciaram que, além da escassez de candidatos que pleiteiam estas adoções, os entraves estão também relacionados a uma comunicação insuficiente entre as instâncias e às dificuldades para a definição sobre o encaminhamento dos casos. O conseqüente prolongamento da institucionalização diminui substancialmente as possibilidades tanto de inserção em lar substituto quanto de retorno ao de origem. Mais que a adoção, o trabalho evidenciou a emergente ideologia da desinstitucionalização e integração à família, seja pela adoção, reintegração familiar ou formas alternativas de convivência familiar.

Referências

Ebrahim SG. Adoção Tardia: altruísmo, maturidade e estabilidade emocional. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2001;14(1):73-80.

Pereira JMF. Adoção Tardia: o recontar de uma história a partir do relato de pais adotivos [monografia]. Ribeirão Preto (SP): Curso de Psicologia da Universidade de São Paulo; 2000.

Vargas MM. Adoção Tardia: da família sonhada à família possível. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1998.

Freire F. Aspectos sociais do abandono de crianças: breve esboço histórico. In: Freire F, organizador. Abandono e adoção: contribuições para uma cultura da adoção. Vol. II. Curitiba: Terre des Hommes; 1991.

Weber LND. Laços de ternura . 2ª ed. Curitiba: Juruá; 1999.

Campos NMV. A família nos estudos psicossociais de adoção: uma experiência na Vara da Infância e Juventude do Distrito Federal [dissertação].Brasília: Universidade de Brasília; 2001.

Ferreira MRP, Carvalho SR. 1° Guia de adoção de crianças e adolescentes do Brasil: novos caminhos, dificuldades e possíveis soluções. São Paulo: Winners; s/d.

Santos MA, Pereira JMF. A interface entre as abordagens legal e psicológica da adoção. In: Labate RC, organizador. Caminhando para a Assistência Integral. Ribeirão Preto: Scala; 1998.

Weber LND, Cornélio SA. Filhos adotivos: amores ou dissabores? Rev Ciências Humanas. 1995; 4: 119-64.

Ferreyra MC. A adoção de crianças maiores. In: Freire F, organizador. Abandono e adoção: contribuições para uma cultura da adoção. Vol II. Curitiba: Terra dos Homens; 1994.

Tulha OMP. Aspectos psicodinâmicos da adoção. Jornal de Psicanálise 1984;16-8.

Motta MAP. Mães abandonadas: a entrega deum filho em adoção. São Paulo: Cortez; 2001.

Santos NPF. As possibilidades de satisfação na adoção. Psicologia: Teoria e Pesquisa 1988; 2(4):113-28.

Schettini LF. Uma psicologia da adoção. Ide 2001;34: 6-9.

Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069de 13 de julho de 1990. Diário Oficial da União.

Fonseca C. Caminhos da adoção. São Paulo: Cortez; 1995.

Weber LND,. Kossobudzki LHM. Filhos da solidão: institucionalização, abandono e adoção. Curitiba: Governo do Estado do Paraná; 1996.

Grandesso M. Sobre a reconstrução do significado: uma análise hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2000.

Minayo MCS. O desafio no conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 3ª ed. São Paulo / Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco; 1994.

Loizos P. Vídeo, filme e fotografias como documentos de pesquisa. In: Bauer M W, Gaskell G, organizadores. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes; 2002.

Thompson J. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. 5ª ed. Petrópolis: Vozes; 2000.

Silva R. Os filhos do governo: a formação da identidade criminosa em crianças órfãs e abandonadas. São Paulo: Editora Ática; 1997.

Enriquez E. O trabalho da morte nas instituições. In: Käes R, et al., organizadores. A instituição e as instituições: estudos psicanalíticos. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1991.

Rolim M. Projeto de Lei. Câmara Federal. Brasília (DF): 2002.

Guará I. Seminários sobre Abrigos. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (MG); 2000. (Manuscrito não publicado).

Käes R. Realidade psíquica e sofrimento nas instituições. In Käes R, et al., organizadores. A instituição e as instituições: estudos psicanalíticos. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1989.

Chaves A. Comentários ao Estatuto da Criança e do Adolescente. 2ª ed. São Paulo: LTC; 1997.

Nabinger SB. L’adoption d’enfants brésiliens: unerecherche évaluative sur la trajectoire des enfants adoptés par des familles européennes parl’ intermédiaire du Tribunal de Porto Alegre entre 1980 et 1985 [tese]. Lyon III (France): Universidade Jean Moulin; 1994.

Vasconcellos MJE. Terapia familiar sistêmica: bases cibernéticas. Campinas: Editorial Psy; 1995.

Morin E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 3ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; 2001.

Carvalho MCB. A priorização da família na agenda da política social. In: Kaloustian SM, organizador. Família brasileira a base de tudo. 4ª ed .Brasília: Cortez / UNICEF; 2000. p.93-108.

Takashima GMK. O desafio da política de atendimento à família: dar vida às leis – uma questão de postura. In: Kaloustian SM, organizador. Família brasileira a base de tudo. 4ª ed. Brasília: Cortez/UNICEF; 2000.

Schnitman DF. Novos paradigmas na resolução de conflitos. In Schnitman DF, Littlejohn S, organizadores. Novos paradigmas em mediação. Porto Alegre: Artes Médicas; 1999.

Ariès P. História social da criança e da família. 2ªed. Rio de Janeiro: Guanabara; 1981.

Badinter E. O mito do amor materno. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1985.

Cabral C, Guimarães C, Freire F, Alves EO, Passos A. Do abrigo à família. Em defesa da convivência familiar e comunitária. Vol. 3. Rio de Janeiro: Terrados Homens / Booklink; 2002.

Carter B, Mcgolcrick M. A s mudanças no ciclo de vida familiar – uma estrutura para a terapia familiar. In: Carter B, Mcgoldrick M, organizadores. As mudanças no ciclo de vida familiar.2ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas;1995. p.7-27.

Sudbrack MFO. Da falta do pai à busca da lei: o significado da passagem ao ato delinqüente no contexto familiar e institucional. Psicologia: Teoria e Pesquisa 1992; 8 (Suplemento): 447-57.

Szymanski H. Teorias e teorias da família. In: Carvalho MCB, organizador. A família contemporânea em debate. São Paulo: Cortez; 2000.

Marques WEU. Infâncias (pre)ocupadas: Trabalho infantil, família e identidade [tese]. Brasília(DF): Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília; 2000.

Publicado
2005-04-01
Seção
Pesquisa Original