Adesão ao tratamento da asma na infância: dificuldades enfrentadas por cuidadoras

  • Mariana B. Mendonça
  • Eleonora A. P. Ferreira
Palavras-chave: Asma, Cuidadores primários, Adesão ao tratamento

Resumo

A asma na infância é considerada uma doença crônica de difícil controle devido ao grande número de fatores envolvidos tanto na etiologia, como na prevenção e tratamento da doença. Por se tratar de uma doença crônica, acarreta para a criança e para o seu cuidador uma série de restrições que podem comprometer a qualidade de vida quando não seguidas ou quando administradas de forma inadequada. Este estudo procurou identificar e analisar quais as principais dificuldades em aderir ao tratamento pediátrico da asma segundo o relato de dez mães, todas cuidadoras primárias de dez crianças em tratamento em um hospital universitário. Na coleta de dados, foram utilizados prontuários médicos, um roteiro de entrevista e a Escala Modos de Enfrentamento de Problemas. Os resultados indicaram que a qualidade da adesão ao tratamento está relacionada a fatores como a compreensão do cuidador acerca da doença e do tratamento e a dificuldade - custo da adesão - em seguir todas as regras indicadas.

Referências

Miyasaki MCOS, Amaral VLAR, Salomão JB. Asma na infância: dificuldades no manejo da doença e problemas comportamentais. In: Kerbauy RR, organizador. Comportamento e saúde: explorando alternativas. Santo André: ARBytes Editora; 1999. p.99-118.

Lemanek K. Adherence issues in the medical management of asthma. J Pediatric Psychology. 1990;15(4):437-58.

Ayres J. Guia da saúde familiar. Asma. Rio de Janeiro: Editora Três; 1999.

Amaral VLAR, Albuquerque SRTP. Crianças com problemas crônicos de saúde. In: Silvares EFM. Estudos de caso em psicologia clínica comportamental infantil (Vol. I). Campinas, SP: Papirus;2000. p.219-32.

Zannon CMLC. Psicologia aplicada à pediatria: Questões metodológicas atuais. In: Kerbauy RR, organizador. Comportamento e saúde: explorando alternativas. Santo André, ARBytes; 1999.

Ferreira EAP. Adesão ao tratamento em portadores de diabetes mellitus: efeitos de um treino em análise de contingências sobre comportamentos de autocuidado [tese]. Brasília: Universidade de Brasília; 2001.

Malerbi FEK. Adesão ao tratamento. In: Kerbauy RR, organizador. Sobre comportamento e cognição: conceitos, pesquisa e aplicação, a ênfase no ensinar, na emoção e no questionamento clínico. Santo André: ARBytes Editora; 2000. p.148-55.

Kerbauy RR. As emoções na prevenção de doenças e na manutenção do tratamento. In: Marinho ML, Caballo VE, organizadores. Psicologia clínica e da saúde. Londrina: Editora UEL; 2001. p.327-34.

Houaiss A, Villar MS. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva; 2001.

Arruda PM, Zannon CMLC. Adesão ao tratamento pediátrico da doença crônica: evidenciando o desafio enfrentado pelo cuidador. In: Zannon CMLC, organizadora. Tecnologia comportamental em saúde. Santo André: ESETec; 2002.

Arruda PM. Exigências para adesão ao tratamento pediátrico de febre reumática e diabetes mellitus Tipo 1 e estratégias de enfrentamento do cuidador [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2002.

Gimenes MGG. A teoria do enfrentamento e suas implicações para sucessos e insucessos em psiconcologia. In: Gimenes MGG, Fávero MH, organizadores. A mulher e o câncer. São Paulo: Editora Livro Pleno; 2000. p.111-48.

Gimenes MGG, Queiroz B. As diferentes fases de enfrentamento durante o primeiro ano após a mastectomia. In: Gimenes MGG, Fávero MH, organizadores. A mulher e o câncer. São Paulo: Editora Livro Pleno; 2000. p.171-95.

Seidl EMF, Tróccoli BT, Zannon CMLC. Análise fatorial de uma medida de estratégias de enfrentamento. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2001;17(3):225-34.

Publicado
2005-04-01
Seção
Pesquisa Original