Maternidade de adolescentes de periferias sociais e urbanas: algumas análises à luz da Psicologia Ambiental

  • Nancy Ramacciotti de Oliveira Universidade Católica de Santos
Palavras-chave: Gravidez na adolescência, Procriação de adolescentes pobres, Psicologia Ambiental, Riscos ambientais para juventude, Procriação e protagonismo juvenil, Escola, Enraizamento

Resumo

Esse artigo apresenta reflexões sobre a procriação de adolescentes de periferias sociais e urbanas de duas grandes cidades do Estado de São Paulo (BR), Santos e Santo André, baseando-se em conceitos da Psicologia Ambiental, a partir de três estudos realizados anteriormente com adolescentes grávidas e mães pobres. Naquelas condições sócio-ambientais, a gravidez pareceu diretamente associada a carências advindas de modelos que apresentam necessidades que aquelas adolescentes não podiam prover. A procriação de adolescentes pobres numa sociedade globalizada, com desafios de busca de uma forma de desenvolvimento que seja sustentável, é entendida como um fenômeno psicossocial, que deve ser tratado de forma interdisciplinar, uma vez que alcança âmbitos maiores, de ordem ética e política.

Referências

Oliveira NR. Perfis de grávidas e mães adolescentes: estudo psicossocial de adolescentes usuárias de um serviço público de pré-natal e maternidade [tese]. São Paulo: Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo; 1999.

Oliveira NR. Perfis de adolescentes mães após três anos do nascimento do bebê: seguimento longitudinal de estudo psicossocial [pós-doutorado]. São Paulo: Departamento Materno-Infantil da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2001.

Oliveira NR. Gravidez e maternidade de adolescentes de periferias sociais e urbanas: reflexões à luz da Psicologia Ambiental. São Paulo: Relatório de Pesquisa - Programa de Pós-doutorado BR – FAPESP, Departamento Materno-Infantil da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; Laboratório de Psicologia Sócio-Ambiental e Intervenção do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo; 2002.

Costa ACG. Protagonismo Juvenil: adolescência, educação e participação democrática. Fundação Odbrecht, Modus Facient; 1996.

Monteiro GV, Oliveira NR Assistência à gestante, uma experiência psicológica em saúde pública: de como se perde um paraíso e se ganham bebês. In: Campos FCB, Henriques CMP, organizadores. Contra maré à beira-mar: a experiência do SUS em Santos. 2ª ed. São Paulo: Hucitec; 1997. p.154-61.

Santos M. Por uma outra globalização. 4º ed. Rio de Janeiro: Record; 2000.

Saber AA. Material bruto para uso no vídeo intitulado USP Recicla. São Paulo: Direção de Vídeo Marcello Tassara; 2002. Produção CECAE/ ECA-USP. 7 p.

Tassara E, organizadora. Panoramas interdisciplinares para uma psicologia ambiental do urbano. São Paulo: EDUC / FAPESP; 2001.

Ferrara LD. As cidades ilegíveis. Percepção ambiental e cidadania. In: Del Rio V, Oliveira L, organizadores. Percepção ambiental. A experiência brasileira. São Carlos: Ed. UFSCar/Nobel; 1999. p.127-42.

Reis AA (1993) O discurso da saúde Pública sobrea adolescente grávida: avatares [tese]. São Paulo: Faculdade de saúde Pública da Universidade de São Paulo; 1993.

Pol E. Ejes de tensión y nueva agenda para la Psicología Ambiental. Una perspectiva europea. In: Tassara E, organizadora. Panoramas interdisciplinares para uma psicologia ambiental do urbano. São Paulo: EDUC / FAPESP; 2001.p.51-67.

Bruntland GH. Nuestro futuro común. Madrid: Alianza; 1989.

Publicado
2005-04-01
Seção
Pesquisa Original