Avaliação do comportamento visual de lactentes no primeiro e segundo meses de vida

  • Teresa C B. Ruas Universidade Federal de São Carlos; Programa de Pós Graduação em Educação Especial
  • Solange G. Ravanini Universidade Estadual de Campinas; Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação Prof. Dr. Gabriel Porto
  • Claudia S. Martinez Universidade Federal de São Carlos; Departamento de Terapia Ocupacional
  • Heloísa R. Gagliardo Universidade Estadual de Campinas; Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação Prof. Dr. Gabriel Porto
  • Maria F. C. Françoso Universidade Estadual de Campinas; Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação Prof. Dr. Gabriel Porto
  • Priscila H. H. Rim Universidade Estadual de Campinas; Hospital das Clínicas
Palavras-chave: Avaliação, Visão, Lactente, Prevenção

Resumo

Este estudo objetivou avaliar e conhecer o comportamento visual de lactentes no primeiro e segundo meses de vida. Os participantes foram 66 lactentes procedentes da região metropolitana de Campinas, nascidos no Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher da Universidade Estadual de Campinas (CAISM/UNICAMP), assintomáticos, com peso ao nascimento variando de 3000g a 4140g, integrantes do Programa de Detecção de Alterações Audiológicas em Neonatos (DAANE), que compareceram ao Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação "Prof. Dr. Gabriel Porto" da Faculdade de Ciências Médicas (CEPRE/FCM/UNICAMP) para triagem auditiva e cujos pais concordaram em participar do estudo. Para avaliação do comportamento visual utilizou-se o Método de Avaliação da Conduta Visual em Lactentes. A análise dos resultados utilizando-se o SPSS (Statistical Package for Social Sciences, versão 13) revelou, no primeiro mês, um destaque para as provas: fixação visual 97,62%, contato de olho 97,62%, sorriso 52,38%, seguimento visual horizontal 97,62% e seguimento visual vertical 52,38%. No segundo mês obteve-se 100% de resposta para as provas fixação visual, contato de olho, sorriso, seguimento visual horizontal e vertical. Os resultados obtidos no presente estudo estão em concordância com dados de estudos recentes sobre o comportamento visual de lactentes no primeiro trimestre de vida. A possibilidade de detectar oportunamente alterações no desenvolvimento visual está ligada a um diagnóstico oportuno e a um pronto encaminhamento a serviços de habilitação infantil, favorecendo, assim, a qualidade de vida das crianças e suas famílias.

Referências

Knobloch H, Passamanick B. O desenvolvimento do comportamento. In: Knobloch H, Passamanick B. Diagnóstico do desenvolvimento: avaliação e tratamento do desenvolvimento neuropsicológico no lactente e na criança pequena - o normal e o patológico. 3ed. São Paulo: Atheneu; 1990. p. 550.

Kandel ER, Schwartz JH, Jessel TM. A experiência sensorial e a formação dos circuitos

visuais. In: Kandel ER, Schwartz JH, Jessel TM. Fundamentos da neurociência e do

comportamento. Rio de Janeiro: Prentice-Hall; 1997. p. 376-8.

Gagliardo HGRG. Contribuições de terapia ocupacional para detecções de alterações

visuais na fonoaudiologia. Saúde Rev. 2003;5(9):89-93.

Lindstedt E. Abordagem clínica de crianças com baixa visão. In: Veitzman S. Visão subnormal. Rio de Janeiro: Conselho Brasileiro de Oftalmologia; 2000. p. 48-64.

Gasparetto MERF, Temporini ER, Carvalho KMM, Kara-José N. Dificuldade visual em escolares: conhecimentos e ações de professores do ensino fundamental que atuam com alunos que apresentam visão sub normal. Arq Bras Oftalmol. 2004;67(1):1-10.

Hubel DH. Ojo, cérebro y visión. Murcia: Universidad de Murcia; 1999.

Hyvarinen L. La vision normal y anormal en losninos. Madrid: Organización Nacional de Ciegos Españoles; 1988.

Lipsitt LP. Learning in infancy: cognitive development in babies. J Pediatr. 1986;109(1):172-82.

Kinney HC, Brody BA, Kloman AS, Gilles FH. Sequence of central nervous system myelination in human infancy. J Neurophatol Exp Neurol. 1988;43(3):217-34.

Gagliardo HGRG, Gonçalves VMG. Conduta visual: primórdios da comunicação. Arq Neuropsiquiatr. 1996;54(2):55.

Gagliardo HGRG, Nobre MIRS. Intervenção precoce na criança com baixa visão. Rev Neurociências. 2001;9(1):16-9.

Gagliardo HGRG. Investigação do comportamento visuo motor do lactente normal no primeiro trimestre de vida [dissertação].Campinas: Universidade Estadual de Campinas;1997.

Gagliardo HGRG, Gonçalves VMG, Lima MCMP. Método para avaliação da conduta visual de lactentes. Arq Neuropsiquiatr. 2004;62(1):300-6.

Bayley N. Bayley scales on infant development.2a ed. San Antonio: Psychological Corporation; 1993.

Statistical Package for Social Sciences for Personal Computer for Windows. Base SystemUser’s Guide, Release 6.0. United States of America: SPSS Inc., 365p; 2003.

Organização Mundial da Saúde. CID-10: classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. 10ªrevisão. São Paulo: EDUSP; 1999.

Ruas TCB, Ravanini S, Martinez CS, Gagliardo HGRG. Avaliação do comportamento visuomotor em lactentes no primeiro e segundo meses de vida. In: Livro de Programa e Resumos do II Congresso Brasileiro de Educação Especial e II Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial; 2005 nov 3-5; São Carlos, Brasil. São Carlos: UFSCar; 2005. p. 335.

Ravanini S, Françoso M, Lima M, Rossi T, Nakamura H, Gagliardo H, et al. Triagem visual: aplicação do método de avaliação da conduta visual de lactentes. In: Anais do XVIII Congresso da Associação Brasileira de Neurologia e Psiquiatria Infantil, XV Congresso da Federação Latino-Americana de Psiquiatria Infantil e da Adolescência, I Jornada de Saúde Mental da Sociedade Paranaense de Pediatria; 2005 maio 25-28; Curitiba, Brasil. Paraná: Abenepi. p. 92.

Carvalho BGE. Triagem visual de bebês prematuros: verificação da aplicabilidade do Método de Avaliação da Conduta Visual de Lactentes. [dissertação]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2005.

Lavelli M, Fogel A. Developmental changes in mother-infant face-to-face comunication: birthto 3 months. Dev Psychol. 2002;38(2):288-305.

Brandão S. Desenvolvimento psicomotor da mão. Rio de Janeiro: Enelivros; 1984.

Papalia DE, Olds SW. Desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed; 2000.

Huttenlocher PR. Morphometric study of human cerebral cortex. Dev Neuropsychol. 1990;28(6):517-27.

Coriat LF. Maturação psicomotora no 1º ano de vida da criança. São Paulo: Moraes; 1991.

Schwartzman JS. O desenvolvimento motor normal. Temas Desenvolv. 2000;9(1):51-6.

Alves MR, Kara-José N. O olho e a visão. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

Fonseca V. Problemática da deficiência: sua prevenção e identificação. In: Fonseca V. Educação especial: programa de estimulação precoce - uma contribuição às idéias de Feuerstein. Porto Alegre: Artes Médicas; 1995.p. 7-22.

Pérez-Ramos AMQ, Pérez-Ramos J. Estimulação precoce: serviços, programas e currículos. Brasília (DF): CORDE; 1996.

Guralnick MJ. Second generation research inthe field of early intervention In: Guralnick MJ, editor. The effectiveness of early intervention. Baltimore; P. H. Brookes; 1997. p. 366-378.

Publicado
2006-12-01
Seção
Pesquisa Original