"Uma escola diferente": estudo psicossocial de jovens e seu contexto escolar

  • Kátia Maheirie Universidade Federal de Santa Catarina
  • Marcela de Andrade Gomes Universidade Federal de Santa Catarina
  • Luiza Manoela Boell Rovaris Universidade Federal de Santa Catarina
  • Tahiana Pereira Brittes Universidade Federal de Santa Catarina
  • Bianca Louise Leme Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Psicologia Social, Escola alternativa, Jovens

Resumo

Este estudo se caracteriza por reflexões tecidas a partir de uma prática psicossocial em um contexto escolar de Florianópolis. A escola Sarapiquá foi constituída por um grupo de pais que buscavam uma escola alternativa aos modelos tradicionais existentes na capital de Santa Catarina no início da década de 80. Inicialmente, o trabalho pedagógico voltou-se para o ensino infantil e há cinco anos inaugurou o ensino fundamental II (5ª a 8ª série). Desde então, vem buscando estratégias para aprimorar a proposta político-pedagógica, e suas respectivas práticas, para um melhor atendimento das novas demandas emergidas a partir da inserção do público jovem neste contexto. Neste processo, os profissionais da escola vêm enfrentando desafios, incertezas e reflexões. Ao mesmo tempo em que novos projetos e idéias são elaborados, busca-se também conservar as marcas alternativas, marcando um movimento de permanências e transformações, na identidade do projeto político-pedagógico. Pretende-se investigar quais os sentidos que os jovens da 7ª série atribuem a este espaço, buscando analisar a relação psicossocial entre os sujeitos e o contexto escolar. Ao refletir sobre as formas de subjetivação e objetivação destes jovens em relação ao local onde estudam, pode-se propiciar mediações entre os interesses e motivações dos estudantes e da coordenadoria, participando na construção de sujeitos críticos e de práticas educacionais mais satisfatórias para ambas as partes, sem comprometer a identidade alternativa da escola.

Referências

Smolka ALB, Nogueira ALH. O desenvolvimento cultural da criança: mediação, dialogia e (inter) regulação. In: Oliveira MK, Souza DTR, Rego TC, editores. Psicologia, educação e as temáticas da vida contemporânea. São Paulo: Moderna; 2002. p.77-94.

Vygotsky LS. Pensamiento y palabra. In: Vygotsky LS. Obras escogidas II. Madrid: Visor; 1995. p. 287-348.

Vygotsky LS. Obras escogidas II: problemas de psicologia general. Madrid: Visor; 1991.

Zanella AV. Vygotski: contexto, contribuições à psicologia e conceito de zona de desenvolvimento proximal. Itajaí: Univali; 2001.

Maheirie K. Constituição do sujeito, subjetividade e identidade. Interações. 2002;13(7):31-44.

França KB. Relações estéticas, criação e imaginação: a constituição do projeto de ser uma e outra na dialética do ensinar e do aprender [dissertação]. Florianópolis: Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina; 2006.

Franco MLPB. Ensino médio: desafios e reflexões. Campinas: Papirus; 1994.

Barboza D, Zanella AV. Integrando análise de conteúdo e análise microgenética em pesquisas no campo psi: a constituição do sujeito como foco. Psico (Porto Alegre). 2005;36(2):189-96.

Rey FLG. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira; 2002.

Zanella AV. Atividade, significação e constituição do sujeito: considerações à luz da psicologia histórico-cultural. Psicol Estud.2004;9(1):127-35.

Leontiev A. Desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte; 1978.

Bastiani ML. Escola alternativa: pedagogia da participação. Florianópolis: Cidade Futura;2000.

Sawaia BB. Comunidade como ética e estética da existência: uma reflexão mediada pelo conceito de identidade. Psykhe. 1999;8(1):19-25.

Vygotsky LS. A educação estética. In: Vygotsky LS. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes; 2001. p. 312-42.

Maraschin C. Psicologia, educação e novas ecologias cognitivas. In: Zanella A, Siqueira MJ, Lulhier L, Molon S, editores. Práticas sociais. Porto Alegre: ABRAPSOSUL; 1997. p.213-9.

Publicado
2006-12-01
Seção
Pesquisa Original