O fantasma da repetição e a relação mãe / filha

  • Lilian Perdigão Caixeta Reis Universidade Católica do Salvador
  • Elaine Pedreira Rabinovich Universidade Católica do Salvador
Palavras-chave: Diferenciação, Repetição, Relação mãe-filha, Jovens, Conflitos familiares

Resumo

Este estudo de caso foi realizado com o objetivo de verificar a interferência de padrões e crenças familiares no processo de diferenciação de jovens mulheres por meio de estudo de casos. Foram selecionadas sete jovens atendidas no Centro de Orientação da Família (COF), residentes em Salvador, e que apresentavam dificuldades emocionais associadas à vida familiar. Entrevistas semi estruturadas com as participantes, acopladas a relatórios de atendimentos, forneceram a base empírica do estudo. O conjunto das informações coletadas foi analisado agrupando os conteúdos por temas. O tema destacado, medo de repetir a história de vida materna, foi desdobrado em: ausência da figura paterna; falta de credibilidade quanto à figura masculina; dificuldades associadas à sexualidade e conflitos com a mãe. As jovens investiam sua energia preferencialmente no estudo e objetivo profissional, sentindo-se responsáveis por colaborar economicamente na manutenção do grupo familiar e assumindo papéis que caberiam a seus pais. A sobrecarga e dificuldade para lidar com tais situações repercutiam nas jovens, com incidência de sintomas psicossomáticos, sinalizando a dramaticidade dos conflitos vivenciados. Conclui-se que a possibilidade de emancipação aberta às novas gerações em uma sociedade urbana e individualista entrava em conflito, nos casos estudados, com o ideário ainda tradicional, onde padrões e crenças apontam para a lógica da reciprocidade e solidariedade dos laços de parentesco.

Referências

Cerveny CMO. A família como modelo: desconstruindo a patologia. Campinas: Livro Pleno; 2000.

Bowen M. Family therapy in clinical practice. Nova York: J. Aronson; 1978.

Carter B, Goldrick M. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. 2ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1995.

Eliacheff C, Heinich N. Mães-filhas: uma relação a três. São Paulo: Martins Fontes; 2004.

Sarti CA. Família e individualidade: um problema moderno. In: Carvalho MCB, organizador. A família contemporânea em debate. São Paulo: EDUC/Cortez; 2002. p. 39-49.

Aberastury A. Adolescência. Porto Alegre: Artes Médicas; 1986.

Griffa MC, Moreno JE. Chaves para a psicologia do desenvolvimento: adolescência, vida adulta, velhice. São Paulo: Ed. Paulinas; 2001. v. 2.

Benevides MV. Conversando com os jovens sobre direitos humanos. In: Novaes R, Vannuchi P, organizadores. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; 2004. p. 275-303.

Castro MG. Políticas públicas por identidades e de ações afirmativas: acessando gênero e raça, na classe, focalizando juventudes. In: Novaes R, Vannuchi P, organizadores. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; 2004. p. 275-303.

Costa J. Perspectivas da juventude na sociedade de mercado. In: Novaes R, Vannuchi P, organizadores. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; 2004. p. 75-88.

Pochmann M. Juventude em busca de novos caminhos no Brasil. In: Novaes R, Vannuchi P, organizadores. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; 2004. p. 217-41.

Unesco. Políticas públicas de/para/com juventudes. Brasília (DF); 2004.

Berenstein I. Problemas familiares contemporâneos o situaciones familiares actuales: invariância y novedad. Psicol USP.2002;13(2):15-25.

Kagitcibasi C. Autonomy and relatedness in cultural context: implications for self and family. J Cross Cult Psychol. 2005;36(4):403-22.

Bilac ED. Sobre as transformações das estruturas familiares no Brasil: notas muito preliminares. In: Ribeiro I, Ribeiro AC, organizadores. Família em processos contemporâneos: inovações culturais na sociedade brasileira. São Paulo: Loyola;1995. p. 43-61.

Petrini JC. Pós-modernidade e família: um itinerário de compreensão. Bauru: EDUSC; 2003.

Fonseca C. Família, fofoca e honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS; 2000.

Sarti CA. Família patriarcal entre os pobres urbanos? Cad Pesqui. 1992;82:37-41.

Bastos ACS. Modos de partilhar: a criança eo cotidiano da família. Taubaté: Cabral; 2001.

Fonseca C. Mãe é uma só?: reflexões em torno de alguns casos brasileiros. Psicol USP. 2002;13(2):49-68.

Forbes J. Por que Daniele matou Eduardo: o fenômeno das agressões inusitadas é a doença de um mundo que descartou a figura do pai. O Estado de São Paulo. 2005 abr 17; Caderno Aliás:J3.

Sarti CA. Algumas questões sobre família e políticas sociais. In: Jacquet C, Costa LF, organizadores. Família em mudança. São Paulo: Companhia Ilimitada; 2004. p. 193-213.

Berquó E. Arranjos familiares no Brasil: uma visão demográfica. In: História da vida privada no Brasil; 1998. v. 4, p. 411-37.

Sarti CA. O jovem na família: o outro necessário. In: Novaes R, Vannuchi P, organizadores. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; 2004.p.115-29.

Ferreira ABH. Minidicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira;1985.

Nichols MP, Schwartz RC. Terapia familiar: conceitos e métodos. 3ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1998.

Publicado
2006-12-01
Seção
Pesquisa Original