As representações sociais do trabalho entre adolescentes aprendizes: um estudo piloto

  • Elsa de Mattos Universidade Federal da Bahia; Programa de Pós-Graduação em Psicologia
  • Antonio Marcos Chaves Universidade Federal da Bahia; Programa de Pós-Graduação em Psicologia
Palavras-chave: Adolescente, Desenvolvimento do Adolescente, Trabalho, Trabalho de Menores

Resumo

O presente estudo investigou as representações sociais de adolescentes aprendizes sobre o trabalho e a relação entre trabalho e estudo. Setenta jovens com idades entre 15 e 18 anos, participantes de um programa de aprendizagem desenvolvido em uma ONG situada em Salvador (Bahia), responderam um questionário aberto contendo três questões abertas: Para você, o que é trabalho? O que significa para você ser adolescente e trabalhar? Como é para você estar estudando e trabalhando ao mesmo tempo? As respostas foram submetidas à análise de conteúdo temática. Os resultados apontam para três tipos de representação social do trabalho entre adolescentes aprendizes, relacionadas aos resultados do trabalho, às atitudes frente ao trabalho e ao desenvolvimento pessoal. Dentre os resultados do trabalho destacam-se elementos como a obtenção de salário e o cumprimento de tarefas. As atitudes mais significativas referem-se à responsabilidade e ao desenvolvimento da competência. No que se refere ao desenvolviemento pessoal, aparecem aspectos ligados à aprendizagem e à aquisição de experiência. A relação entre trabalho e estudo aparece como algo complexo, que exige um esforço de conciliação por parte dos jovens, mas não tem necessariamente uma conotação negativa.

Referências

Oliveira DC, Fischer FM, Martins IS, Teixeira LR, Sá C. Futuro e liberdade: o trabalho e a instituição escolar nas representações sociais de adolescentes. Estud Psicol (Natal). 2001;6(2):245-58.

Fischer FM, Martins IS, Oliveira DC, Teixeira LR, Latorre MD, Cooper S. Occupational accidents among middle and high school students of the state of São Paulo, Brazil. Rev Saúde Pública. 2003;37(3):351-6.

Martins IS, Fischer FM, Oliveira DC, Teixeira LR, Costa LR, Marinho SP, et al. Crescimento e trabalho de estudantes de ensino fundamental e médio em São Paulo, Brasil. Rev Saúde Pública. 2002;36(1):19-25.

Alves-Mazzotti AJ. Trabalho infanto-juvenil: representações sociais de meninos trabalhadores, seus pais, professores e empregadores. In: Paredes AM, Oliveira DC, editores. Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia: AB; 1998. p. 285-302.

Oliveira DC, Fischer FM, Amaral MA, Teixeira MC, Sá CP. Positividade e negatividade do trabalho nas representações sociais de adolescentes. Psicol Reflex Crít. 2005;18(1):125-33.

Arnett JJ. Learning to stand alone. Hum Dev.1998;41(5-6):295-315.

Sarriera JC, Câmara SG, Berlim CS. Elaboração, desenvolvimento e avaliação de um programa de inserção ocupacional para jovens desempregados. Psicol Reflex Crít. 2000;13(1):189-98.

Sarriera JC, Silva MA, Kabbas CP, Lopes VB. Formação ocupacional em adolescentes. Estud Psicol (Natal). 2001;6(1):27-32.

Moscovici S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Rio de Janeiro: Vozes; 2004.

Sá CP. Núcleo central das representações sociais. Rio de Janeiro: Vozes; 1996.

Jodelet D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: Jodelet D, editor. As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ; 2001. p. 17-44.

Wagner W. Descrição, exploração e método em representações sociais. In: Guareschi P, Jovchelovitch S, editores. Textos em representações sociais. Rio de Janeiro: Vozes;1995. p. 149-86.

Abric JC. O estudo experimental das representações sociais. In: Jodelet D, editor. As representações sociais. Rio de Janeiro: Ed UERJ; 2001. p. 155-7.

Arnett JJ. Adolescents’ uses of media for self-socialization. J Youth Adolesc. 1995;24(5):519-34.

Publicado
2006-12-01
Seção
Pesquisa Original