Resiliência: em busca de um conceito

  • Nina G. Taboada Universidade do Vale do Itajaí
  • Eduardo J. Legal Universidade do Vale do Itajaí
  • Nivaldo Machado Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí
Palavras-chave: Resiliência, Estresse, Adaptação psicológica, Fatores de risco

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo investigar na literatura especializada as principais definições de resiliência e seus conceitos operacionais. Entende-se, de maneira geral, resiliência como sendo o processo onde o indivíduo consegue superar as adversidades, adaptando-se de forma saudável ao seu contexto. Diante da diversidade de definições encontradas, estas foram agrupadas em três eixos principais, entendendo a resiliência como um processo: adaptação/superação; inato/adquirido; circunstancial/permanente. Tendo em vista a necessidade de compreensão de outros temas diretamente relacionados com a resiliência, o trabalho apresenta sessões que versam sobre: estresse, coping e suas relações com resiliência; fatores de risco, fatores de proteção e vulnerabilidade. Constata-se a falta de definições operacionais claras acerca do fenômeno, bem como se sugere que a resiliência pode ser entendida como uma estratégia de coping com resultados positivos e até transformadores.

Referências

Placco VMNS. Prefácio. In: Tavares J, organizador. Resiliência e educação. 2ª ed. São Paulo: Cortez; 2001. p. 7-12.

Guzzo RSL, Trombeta LHAP. Enfrentando o cotidiano adverso: estudo sobre resiliência em adolescentes. Campinas: Alínea; 2002.

Goleman D, Gurin J. Equilíbrio mente/corpo: como usar sua mente para uma saúde melhor. Rio de Janeiro: Campus; 1997.

Baum A, Posluszny D. Health psychology: mapping biohavioral contributions to health and illness. Annu Rev Psychol. 1999;50:137-63.

Yunes MAM, Szymanski H. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: Tavares J, organizador. Resiliência e educação. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13-42.

Slap G. Conceitos atuais, aplicações práticas e resiliência no novo milênio. Adolesc Latinoam. 2001;2(3):173-6.

Deslandes SF, Junqueira MFP. Resiliência emaus tratos à criança. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):227-35.

Tusaie K, Dyer J. Resilience: a historical review of the construct. Holist Nurs Pract. 2004;18(1):3-8.

Hagewick S. Resilience required. J Environ Health. 1998;60(10):37-8.

Blum RW. Risco e resiliência: sumário para desenvolvimento de um programa. Adolesc Latinoam. 1997;1(1):16-9.

Brooks RB. To foster children ́s self-esteem and resilience, search for islands of competence. Brown Univ Child Adolesc Behav Lett.1998;14(6):1-3.

Hippe J. Self-awareness: a precursor to resiliency. Reclaiming Child Youth.2004;12(4):240-2.

Janas M. Build resiliency. Interv Sch Clin.2002;38(2):117-21.

Ridley M. O que nos faz humanos. Rio deJaneiro: Record; 2004.

Thompson N. Research into practice.Community Care. 2003;30:47.

Pereira AMS. Resiliência, personalidade, stress e estratégias de coping. In: Tavares J, organizador. Resiliência e educação. 2ª ed. São Paulo: Cortez; 2001. p. 77-94.

Ralha-Simões H. Resiliência e desenvolvimento pessoal. In: Tavares J, organizador. Resiliência e educação. 2ª ed. São Paulo: Cortez; 2001. p. 95-113.

Antunes C. Resiliência: a construção de uma nova pedagogia para uma escola de qualidade. Petrópolis: Vozes; 2003.

Brooks RB, Goldstein S. Raising resilient children: fostering strength, hope, and optimism in your child. New York: McGraw-Hill;2001.

Tavares J. A resiliência na sociedade emergente. In: Tavares J, organizador. Resiliência e educação. 2ª ed. São Paulo: Cortez; 2001. p. 43-75.

Grunspun H. Violência e resiliência: a criança resiliente na adversidade. Rev Bioética [periódico na Internet]. 2002 [acesso em 12 set2004];10(1):163-71. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/revista/bio10v1/Seccao4.pdf.

Ballone JG. Estresse: curso de psicopatologia [monografia na Internet]. 2002 [acesso em 15set 2004]. Disponível em: http://www.psiqweb.med.br/cursos/stress1.html.

Lipp MEN, Novaes LEN. O stress emocional eseu tratamento. In: Range B, organizador. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. Porto Alegre: Artmed; 2001. p. 475-90.

Sarda Jr JJ, Legal EJ, Jablonski Jr SJ. Estresse: conceitos, métodos, medidas e possibilidades de intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2004.

Lipp MEN. Stress: conceitos básicos. In: Lipp MEN, organizador. Pesquisas sobre stress no Brasil: saúde, ocupação e grupos de risco. São Paulo: Papirus; 1996. p. 17-34.

Antoniazzi AS, Bandeira DR, Dell ́Aglio DD. O conceito de coping: uma revisão teórica. Estud Psicol (Natal). 1998;3(2):273-94.

Lazarus RS, Folkman S. Stress, appraisal, andcoping. New York: Springer; 1984.

Werner EE, Smith RS. Overcoming the odds: high-risk children from birth to adulthood. Ithaca: Cornell University Press; 1992.

Pinheiro DPN. A resiliência em discussão. Psicol Estud. 2004;9(1):67-75.

Garcia I. Vulnerabilidade e resiliência. Adolesc Latinoam. 2001;2(3):128-30.

Publicado
2006-12-01
Seção
Atualização