Levantamento de enurese noturna no município de São Paulo

  • Teresa H. Schoen-Ferreira Unifesp
  • Márcia R. F. Marteleto Unifesp
  • Élide Medeiros Unifesp
  • Mauro Fisberg Unifesp
  • Maria Aznar-Farias Unisantos
Palavras-chave: Enurese, Enurese noturna, Critérios diagnósticos

Resumo

O presente trabalho faz um breve histórico do estado atual sobre o estudo da enurese, fornecendo critérios diagnósticos. Trata-se de um trabalho de levantamento da presença da enurese noturna em crianças e adolescentes do município de São Paulo, tendo participado 670 pais ou responsáveis por crianças e adolescentes de 4 a 18 anos, com o objetivo de fornecer subsídios a pediatras e educadores para melhor atenderem à população enurética. O instrumento utilizado foi o "Child Behavior Checklist" - CBCL. Foram encontrados casos de enurese em todas as faixas etárias. Na faixa etária não considerada EN pelo DSM IV, foram encontrados níveis mais elevados do que os encontrados na literatura. Quanto às diferenças entre gêneros foi encontrado que na faixa etária de 4 a 5 anos os índices de EN são mais altos nas meninas, havendo uma inversão nas faixas etárias mais velhas, predominando significativamente o sexo masculino.

Referências

Guinard JP. História da enurese. Revista Virtual de Medicina 2000; 1(6). Disponível em: http://www.medonline.com.br/med_ed/hp_1.htm

Hjälmås K. Nocturnal Enuresis: Basic Facts and New Horizons European Urology 1998;33: 53-7.

Johnson M. Nocturnal Enuresis. Urologic Nursing 1998; 18(4): 259-73.

Vasconcellos MMA. Enurese. Atualização Científica. Informe Ped. Universidade Federal de Minas Gerais; 2005. http://www.medicina.ufmg.br/ped/index.htm

Thiedke CC. Nocturnal enuresis. American Family Physician 2003; 67:1499-506,1509-10.

Fergusson DM, Horwood LJ, Shannon FT. Factors related to the age of attainment of nocturnal bladder control: an 8-year longitudinal study. Pediatrics 1986; 78(7):884-90.

Ferguson DM, Horwood CT, Shanon FT. Secondary enuresis in a birth cohort of New Zealand children. Paed Perinat Epidemiol1990; 4:53-63.

Robson WL, Leung AKC. Secondary nocturnal enuresis. Clinical Pediatrics 2000; 39: 379-85.

Bailey JN, Ornitz EM, Gehricke JG, GabikianP, Russell AT, Smalley SL. Transmission of primary nocturnal enuresis and attention deficit hyperactivity disorder. Acta Paediatr1999; 88(5):1364-8.

Di Francesco RC, Passerotii G, Paulucci B, MinitiBA. Respiração oral na criança: repercussões diferentes de acordo com o diagnóstico. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004;70(5): 665-70.

D’Ancona CAL, Monteiro LMC. Enurese. In: Bendhack A, Damião R. Guia prático de urologia. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Urologia; 1999.

Costa NJD, Schoen-Ferreira TH, Silvares EFM. Enurese noturna na adolescência: relevância da investigação em instituição pública de saúde. In: I Congresso Brasileiro Psicologia: Ciência e Profissão 2002. S. Paulo(SP): Psicologia: Ciência e Profissão; 2002.(abstract em CD-Room).

Soares AHR, Moreira MCN, Monteiro LMC et al. Child enuresis and parental meanings: a qualitative perspective for health care professionals. Rev Bras Saude Mater. Infant2005; 5(3): 301-11.

Silvares EFM, Souza CL. Enurese noturna: um tratamento. Pediatria Moderna. 1996;32(6): 662-7.

Achenbach TM. Integrative guide for the 1991 CBCL/4-18, YSR, and TRF profiles. Burlington, VT: University of Vermont Department of Psychiatry; 1991.

Guinard JP. História da Enurese. Rev Virtual Medicina. 2000; 1(6).

Publicado
2007-08-01
Seção
Pesquisa Original