Desenvolvimento neuromotor e dentição de crianças atendidas em serviços públicos de saúde do Brasil, no primeiro ano de vida

  • Kátia C. de Andrade Universidade de São Paulo; Faculdade de Saúde Pública; Departamento de Nutrição
  • Sonia B. de Souza Universidade de São Paulo; Faculdade de Saúde Pública; Departamento de Nutrição
  • Sophia C. Szarfarc Universidade de São Paulo; Faculdade de Saúde Pública; Departamento de Nutrição
Palavras-chave: Desenvolvimento infantil, Desenvolvimento neuromotor, Dentição, Primeiro ano de vida, Serviços públicos de saúde

Resumo

Este artigo tem como objetivo identificar, através da percepção materna, o desenvolvimento de crianças atendidas no primeiro ano de vida em serviços públicos de saúde do Brasil. Em entrevista com as mães, foram levantados sinais de desenvolvimento: firmar a cabeça, sentar, engatinhar, andar com ajuda ou sozinha, falar e dentição de 5655 crianças. As respostas categóricas (sim/não) foram avaliadas segundo associação com: idade e escolaridade maternas, idade gestacional no parto, peso ao nascer, estado nutricional e anemia da criança, aleitamento materno e uso de chupeta. Os resultados revelaram que a maior proporção de crianças apresenta-se atrasada em relação aos padrões estabelecidos pelo Ministério da Saúde para o desenvolvimento neuromotor e dentição. A prematuridade foi o fator mais freqüentemente associado a sinais de desenvolvimento não atingidos e a dentição foi o sinal mais sensível às mesmas variáveis. Verificou-se que parte dos resultados negativos talvez sejam conseqüência da dificuldade materna em identificar os sinais subjetivos de desenvolvimento. Sugere-se que um levantamento dos sinais de desenvolvimento seja realizado por profissionais treinados permitindo verificar critérios e/ou intervenções adequadas para modificar a situação encontrada.

Referências

Marcondes E. Crescimento normal e deficiente. São Paulo: Sarvier; 1970 (Monografias Médicas, série Pediatria - Vol. 1).

Vietze PM, Vaughan Jr. Preface. In: VietzePM, Vaughan Jr HG, organizadores. Early identification of infants developmental disabilities. Philadelphia: Grune and Straton;1988. pp3.

Ministério da Saúde do Brasil (MS). Acompanhamento do Crescimento e Desenvolvimento Infantil. Série cadernos de Atenção Básica nº 11. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília-DF; 2002.

Spinelli MGN, Marchioni DML, Souza JMP, Souza SB, Szarfarc SC. Fatores de risco para anemia em crianças de 6 a 12 meses no Brasil. Rev Panam Salud Publica 2005;17(2):84-91.

Vono AZ. Estudo da Cronologia de erupção dos dentes decíduos em crianças leucodermas, brasileiras de Bauru. Estomat. Cult. 1972;6:78-85.

Andraca I, et al. Factores de riesgo para el desarrollo psicomotor en lactantes nacidos em óptimas condiciones biológicas Rev Saúde Pública. 1998;32(2):138-47.

Filipini R. Crescimento e desenvolvimento de crianças residentes em uma favela do município de São Paulo[dissertação]. São Paulo(SP): Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2000.

Halpern R et al. Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. Rev Chil Pediatr. 2002;73(5):529-39.

Martell M et al. Crescimento y desarrollo em los dos primeros años de vida pos natal. Washington, DC. Organizacion Panamericanade la Salud; 1981.

Cameron M, Hofvander Y. Manual on feeding young children. Oxford: Oxford University Press;1983.

Broman S. The collaborative perinatal project: an overview. In: Mednick AS, Harway M, Finelle KM, editores. Handbook of longitudinal research. Vol 1. Birth and childhood cohorts. New York: Proeger; 1984.p.185-215.

Lyons-Ruth K, Connel DB, Grunebaum HU. Infants at social risk maternal depression and family support services as mediators of infant development and security of attachment. Child Dev 1991;61:85-98.

Mussen PH. O desenvolvimento psicológico da criança. 5a ed. Rio de Janeiro: Ed. Zahar; 1970.

LeBoulch J. O desenvolvimento psicomotor: do nascimento até 6 anos. Porto Alegre: Artes Médicas; 1982.

Savastano HA, Bastian E, Kubota N, Marcondes RS, Mendes D. Seu filho de 0 a 12anos: Guia para observar o desenvolvimento e crescimento das crianças até 12 anos. 3a ed. São Paulo: Ibrasa; 1982.

Schwartzman JS. O desenvolvimento motor normal. Temas sobre Desenvolvimento 2000;9(52): 51-6.

Publicado
2007-08-01
Seção
Pesquisa Original