Sexualidade e procriação na ótica de jovens de periferias sociais e urbanas

  • Alberto Olavo Advincula Reis Universidade de São Paulo; Faculdade de Saúde Pública; Departamento Materno-Infantil
  • Nancy Ramacciotti de Oliveira-Monteiro UNIFESP
Palavras-chave: Gravidez na adolescência, Exclusão social, Construção de valores, Sexualidade na adolescência, Perspectiva de vida

Resumo

Trata-se de uma investigação com jovens de 14 a 19 anos, moradores de favela, participantes de um projeto de iniciação artística na região de Santo André, São Paulo. Relatos de não ocorrência de casos de gravidez entre os participantes do projeto constituíram um evento a ser investigado. Foi proposto um levantamento, por meio de questionários, dos aspectos da vida sexual e reprodutiva dessa população. Foram aplicados, sob condição controlada, 100 questionários. As respostas foram organizadas de acordo com alguns indicadores: fontes de informação sobre sexualidade, idade de iniciação de relações sexuais, utilização de contraceptivos, motivos para engravidar, idade ideal para a primeira maternidade. Dentre os resultados, destaca-se que para a totalidade dos jovens a melhor idade para se ter um filho não é durante a adolescência, sendo as carências um dos principais motivos para uma jovem engravidar. Fenômenos associados ao tráfico e uso de drogas, à violência, ao aumento de procriação de adolescentes acontecem, sobretudo, em contextos de pobreza aliados às expectativas da sociedade não pobre. Assim, tais fenômenos, particularmente, a maternidade na adolescência podem ser compreendidos como alternativas possíveis encontradas por essa juventude. Tais alternativas estariam relacionadas a auto-percepções fracassadas diante de modelos colocados fora de alcance. Assim, a não ocorrência de gravidez nos jovens inseridos no projeto cultural investigado explicar-se-ia pelo fato de se alocar nesse espaço cultural condições que atenderiam muitas das expectativas dos jovens em termos de diversão, construção de projetos, trocas interpessoais, elaboração de valores, sentido de pertinência pessoal e social, possibilidade de trabalho.

Referências

Aznar-Farias M, Oliveira-Monteiro NR. Reflexões sobre Pró-socialidade, Resiliência e Psicologia Positiva. Rev Bras Terapias Cognitivas. 2006; 2(2).39-46.

Oliveira NR. Perfis de grávidas e mães adolescentes: estudo psicossocial de adolescentes usuárias de um serviço público depré-natal e maternidade [tese]. São Paulo (SP): Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo; 1999.

Oliveira NR Maternidade de adolescentes de periferias sociais e urbanas: algumas análises à luz da Psicologia Ambiental. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2005;15(1):69-77.

Oliveira NR Perfis de mães adolescentes: estudo psicossocial com mães adolescentes depois de um ano e meio a cinco anos do nascimento de seus primeiros filhos. Leopoldianum Rev Estudos e Comunicação. 2003;78:167-83.

Reis AOA. O discurso da saúde pública sobre a adolescente grávida: atavares[tese]. São Paulo (SP): Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 1993.

Costa ACG. Protagonismo juvenil: adolescência, educação e participação democrática. Salvador: Fundação Odbrecht; Modus Facient; 1996.

Santos M Por uma outra globalização. 4º ed. Rio de Janeiro: Record; 2000.

Publicado
2007-08-01
Seção
Pesquisa Original