Significados que as crianças atribuem aos seus direitos

  • Gilberto Lima dos Santos Universidade do Estado da Bahia
  • Antonio Marcos Chaves Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Crianças, Significados, Direitos

Resumo

O objetivo do estudo é conhecer os significados que as crianças atribuem aos seus direitos, em diferentes tipos de escola. É um estudo exploratório, comparativo, orientado pela Psicologia Sócio-Histórica. A abordagem é qualitativa. Participaram vinte e uma crianças, de ambos os sexos, de nove a onze anos de idade, sendo sete de cada escola (particular urbana, pública urbana e pública rural). Para a coleta de dados, foi solicitada aos participantes a elaboração de uma redação, sobre os direitos das crianças. As expressões obtidas foram categorizadas de acordo com o significado, que foi identificado com base na similaridade dos sentidos. As concepções compartilhadas (significados) pelas crianças são: criança tem o direito de brincar, de consumir e de estudar. Predominam os direitos individuais e a lógica da promoção, mas há significados que distinguem as crianças de cada escola. O predomínio de conceitos espontâneos indica que as crianças não têm consciência de seus direitos e, também, a precariedade da difusão do ECA e o não envolvimento da escola nesse processo.

Referências

Cruz L, Hillesheim B, Guareschi NMF. Infância e políticas públicas: um olhar sobre as práticas psi. Psicol Social. 2005; 17(3): 42-49.

Salles LMF. Infância e adolescência na sociedade contemporânea: alguns apontamentos. Estud Psicol 2005; 22(1): 33-41.

Ariès P. História social da criança e da família.2ª ed. Rio de Janeiro: LTC; 1981.

Bobbio N. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus; 1992.

Domingues JM. Interpretando a modernidade: imaginário e instituições. Rio de Janeiro: FGV; 2002.

Marshall TH. Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar; 1967.

Rogers RS, Rogers WS. World children. In: Lesnik-Oberstein K, editor. Children in culture: approaches to childhood. London: Macmillan Press. New York:St.Martin’s Press; 1998. p.178-203.

Bruner J. Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997.

Thompson JB. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 3ª ed. Petrópolis: Vozes; 2001.

Gentili P. Adeus à escola pública: a desordem neoliberal, a violência do mercado e o destino da educação das maiorias. In: Gentili P, organizador. Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. Petrópolis: Vozes; 1995. p.228-52.

Oliveira MKd. O problema da afetividade em Vygotsky. In: La Taille Yd, Oliveira MKd, Dantas H. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus; 1992. p.75-84.

Molon SI. Subjetividade e constituição do sujeito em Vygotsky. Petrópolis: Vozes; 2003.

Vygotsky LS. Pensamento e linguagem.2ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 2000.

Luria AR. Desenvolvimento cognitivo: seus fundamentos culturais e sociais2ª ed. São Paulo: Ícone; 1990.

Queiroz ONC. Prisão civil e os direitos humanos. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais; 2004.

Stavenhagen R. Estratificação social e estrutura de classes. In: Velho OGCA, Palmeira MGS, Bertelli AR, organizadores. Estrutura de classes e estratificação social. 8ªed. Rio de Janeiro: Zahar; 1979. p.133-70.

Rego TC. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 7ª ed. Petrópolis: Vozes; 1999.

Singer P. A cidadania para todos. In: Pinsky J, Pinsky CB, organizadores. História da cidadania. São Paulo: Contexto; 2003. p.191-263.

Miller JG. Theoretical issues in cultural psychology. In: Berry JB, Poortinga YH, Pandey J, editores. Handbook of cross-cultural psychology. London: Allyn and Bacon; 1996.

Rizzini I. Pequenos trabalhadores do Brasil. In: Del Priore M, organizadora. História das crianças no Brasil. 4ª ed. São Paulo: Contexto;2004. p.376-406.

Dourado A, Dabat C, Araújo TC de. Crianças e adolescentes nos canaviais de Pernambuco. In: Del Priore M, organizadora. História das crianças no Brasil. 4ª ed. São Paulo: Contexto;2004. p.407-36.

Publicado
2007-08-01
Seção
Pesquisa Original