A criança com deficiência e as relações interpessoais numa brinquedoteca comunitária

  • Vanessa A. Caldeira Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina; Departamento de Fisioterapia, Fonaudiologia e Terapia Ocupacional
  • Fátima C. Oliver Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina; Departamento de Fisioterapia, Fonaudiologia e Terapia Ocupacional
Palavras-chave: Brinquedo, Relações interpessoais, Crianças portadoras de deficiência, Brinquedoteca comunitária

Resumo

A sociedade contemporânea tem limitado o brincar das crianças sendo que as crianças com deficiência enfrentam, ainda, barreiras psicossociais. Uma brinquedoteca comunitária pode ser um local de enfrentamento das limitações ao brincar. O objetivo deste estudo foi descrever as relações interpessoais entre crianças com deficiência e crianças sem deficiência num contexto de brinquedoteca comunitária, e como esta pode influenciar essas relações. Observou-se durante 10 encontros um grupo de crianças sendo duas delas com deficiência mental. Utilizou-se como foco de coleta a descrição da situação lúdica que envolvesse a questão da deficiência, utilizando como categorias de coleta: tipo de brincadeira, estilo de interação e seu caráter social. Comparou-se um episódio com outro que envolvessem os mesmos participantes buscando identificar transformação ou não do tipo de interação de caráter social ou agonístico. Identificamos três contextos de interação que se mostraram significativos: de passagem, em brincadeiras paralelas e nas brincadeiras com o outro. As interações de passagem mostraram potencializar mais interações agonísticas, enquanto brincadeiras paralelas, mais interações pró-sociais. As situação de brincadeira de escolinha, de fantasia e jogos potencializaram mais interações pró-sociais, pelos próprios integrantes escolherem as brincadeiras e seus companheiros. As brincadeiras em que todos participavam, embora dessem visibilidade e participação grupal às crianças com deficiência, mostraram maior quantidade de interações agonísticas e pró-sociais. Concluiu-se que as crianças com deficiência conquistaram um lugar.

Referências

Winnicott DW. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago; 1975.

Piaget J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Rio de janeiro: Guanabara-Koogan; 1978.

Vygotsky LS. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes; 1984.

Parham LD, Fazio SLA. A recreação na Terapia Ocupacional pediátrica. São Paulo: Santos; 2000.

Brasil. Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial da União, Lei nº 8.069, de13.07.1990, Brasília. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil

Organização Mundial da Saúde. Convenção sobre os direitos da criança; 1989. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/dir_cri.htm

Meira AM. Benjamin, os brinquedos e a infância contemporânea. Psicologia Sociedade 2003; 15(2):74-87.

Benjamin W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus; 1984.

Friedmann A. A evolução do brincar. In: Friedmann A. [et al.]. O direito de brincar: a brinquedoteca. São Paulo: Scritta 1992; p.23-31.

Amaral LA. A integração social e suas barreiras: representações culturais do corpo mutilado. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo 1991; 2(4):188-95.

Aranha MSF. A interação social e o desenvolvimento de relações interpessoais do deficiente em ambiente integrado[tese]. São Paulo (SP): Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo; 1991.

Prado PD. “A gente gosta é de brincar com os outros meninos!”. Relações sociais entre crianças num Jardim de Infância. Educação Sociedade 2005; 26(91):683-8.

Stainback S, Stainback W. Inclusão: Guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul;1999.

Carvalho AM, Alves MMF, Gomes PLD. Brincar e educação: concepções e possibilidades. Psicologia em Estudo. 2005;10(2):217-26

Publicado
2007-08-01
Seção
Pesquisa Original