Práticas educativas parentais, gênero e ordem de nascimento dos filhos: atualização

  • Isabela T. A. Sampaio Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Práticas educativas parentais, Gênero, Ordem de nascimento

Resumo

As práticas educativas parentais dizem respeito a como os pais monitoram, controlam e socializam seus filhos. Neste artigo, objetiva-se atualizar a literatura na área das práticas educativas parentais considerando-se especialmente dois fatores: o gênero (menino ou menina) e a ordem de nascimento (filho único, primogênito, do meio ou caçula) dos filhos. Foram consultados artigos nacionais e internacionais, sendo esses últimos considerados a partir do ano de 2001. Com relação às práticas educativas parentais e o gênero do filho, observou-se que parece existir uma preferência dos pais com filhos do mesmo sexo que o seu, as mães preferindo as meninas e os pais, os meninos. A literatura também demonstra que há diferenças no modo como meninos e meninas reagem a estressores familiares, sendo que os meninos apresentam maiores níveis de externalização e as meninas, de internalização de comportamento. Os artigos referentes à ordem de nascimento, por sua vez, discutem principalmente como é a alocação de recursos da família de acordo com a posição de nascimento de cada filho. Observou-se que os primogênitos, principalmente do sexo masculino, são os que recebem maior investimento dos pais. A literatura, porém, é frágil e contraditória com relação aos dois aspectos, assim, ressalta-se que há necessidade de mais pesquisas sobre esses temas, especialmente no Brasil.

Referências

Baumrind D. The influence of parenting style on adolescent competence and substance use. Journal of Early Adolescence 1991; 11(1): 56-95.

Gomide PIC. Inventário de Estilos Parentais(IEP), modelo teórico, manual de aplicação, apuração e interpretação. Petrópolis: Vozes; 2006.

Alvarenga P. Práticas educativas parentais como forma de prevenção de problemas de comportamento. In: Guilhardi HJ. Sobre comportamento e cognição. Santo André: ESETec; 2001. p. 52-57.

Sulloway FJ. Born to rebel: birth order, family dynamics, and creative lives. New York: Pantheon Books; 1996.

Bee H. A criança em desenvolvimento. 7a. ed. Porto Alegre: Artmed; 1996.

Roelofs J, Meesters C, ter Huurne M, BamelisL, Muris P. On the links between attachment style, parental rearing behaviors, and internalizing and externalizing problems innon-clinical children. Journal of Child andFamily Studies. 2006; 15(3): 319-32.

Braz FS, Salomão NMR. A fala dirigida a meninos e meninas: um estudo sobre o input materno e suas variações. Psicologia Reflexão e Crítica. 2002; 15(2): 333-4.

Alencar EMS. A criança na família e na sociedade. Petrópolis: Vozes; 1982.

Glória DMA. Relação entre escolaridade e diferenças constitutivas das fratrias, 2005.Paidéia 2005;15(30):31-42.

Daniels B, Featherstone B, Hooper B, Scourfield J. Why gender matters for every child matters. British Journal of Social Work. 2005; 35(8): 1343-55.

Biddulph S. Criando meninos. São Paulo: Fundamento; 2002.

Preuschoff G. Criando meninas. São Paulo: Fundamento; 2003.

Keller H, Zach U. Gender and birth order as determinants of parental behaviour. International Journal of Behavioral Development 2002; 20(2): 177-84.

Gomide PIC, Guimarães AM. Efeitos das práticas educativas sobre o comportamento anti-social em crianças e adolescentes. Relatório de pesquisa PIBIC/CNPq (não publicado) 2003. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Weber LND, Prado PM, Viezzer AP, Brandenburg OJ. Identificação de estilos parentais: o ponto de vista dos pais e dos filhos. Psicologia: Reflexão e Crítica 2004; 17(3): 323-31.

Voland E. Evolutionary ecology of human reproduction. Annual Review of Anthropology. 1998; 27: 347-74.

Oliveira EA, Frizzo GB, Marin AH. Atitudes maternas diferenciais para com meninos e meninas de quatro e cinco anos. Psicologia Reflexão e Crítica. 2000; 13(3): 363-71.

Ehrensaft MK, Wasserman GA, Verdelli L, Greenwald S, Miller LS, Davies M. Maternal antisocial behavior, parenting practices, and behavior problems in boys at risk for antisocial behavior. Journal of Child and Family Studies. 2003; 12(1): 27-40.

Veenstra R, Lindenberg S, Oldehinkel AJ, DeWinter AF, Ormel J. Temperament, environment, and antisocial behavior in a population sample of preadolescent boys and girls. International Journal of Behavior Development. 2006; 30(5): 32-42.

Guttmannova K. Development of externalizing and internalizing behavior problems during middle childhood: risk and protective factors. Dissertation Abstracts International 2000; 66,2-B. (UMI No. AA13166291).

Gaylord NK, Kitzmann KM, Lockwell RL. Child characteristics as moderators of the association between family stress and children’s internalizing, externalizing, and peer rejection. Journal of Child and Family Studies 2003; 12(2): 201-13.

Oldehinkel AJ, Veesntra R, Ormel J, de Winter AF, Verhulst FC. Temperament, parenting and depressive symptoms in a population sample of preadolescents, 2006. Journal of Child Psychology and Psychiatry 2006; 47(7): 684-95.

Hastings P. (2005). Links among gender, inhibition, and parental socialization in the development of prosocial behavior. Merrill-Palmer Quartely. 2005; 51(4): 467-93.

Sulloway F. Birth order, sibling competition, and human behavior. In: Davies P, Holcomb H. The evolution of minds: psychological and philosophical perspectives. Boston, MA: Kluwer; 2000.

Hertwig R, Davis JN, Sulloway FJ. Parental investment: how an equity motive can produce inequality. Psychological Bulletin. 2002;128(5):728-45.

La Rosa J. Ansiedade, sexo, nível sócio-econômico e ordem de nascimento. Psicologia: Reflexão e Crítica 1998; 11(1): 59-70.

Fuchs SC, Tavares MB, Fuchs FC, Diligenti F, Abreu JRP, Rohde LA. Características de comportamento do filho único vs filho primogênito e não-primogênito. Rev Bras Psiquiatria. 2004;26(1):17-23.

Shebloski B, Conger KJ, Widaman KF. Reciprocal links among differential parenting, perceived partiality, and self-worth a three-wave longitudinal study. Journal of Family Psychology. 2005; 19(4):633-42.

Laurent B, Sebastian R. Birth order and youth delinquent behaviour: testing the differential parental control hypothesis in a French representative sample. Psychology, Crime Law 2005; 11(1): 73-85.

Rodgers JL, Cleveland HH, van den Oord E, Rowe DC. Resolving the debate over birthorder, family size, and intelligence. American Psychologist. 2000; 55(6): 599-612.

Zajonc RB. The family dynamics of intellectual development, 2001. American Psychologist; 56(6/7): 490-6.

Michalski RL, Shackelford TK. Methodology, birth order, intelligence, and personality. American Psychologist. 2001; 56(6/7): 520-1.

Montandon C. As práticas educativas parentais e a experiência das crianças. Educação e Sociedade 2005; 26(91): 485-507.

Publicado
2007-08-01
Seção
Atualização