DESEMPENHO DE ESCOLARES COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM FUNÇÃO MOTORA FINA E ESCRITA

Autores

  • Aline Cirelli Coppede Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM – Uberaba
  • Paola Matiko Martins Okuda Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP – Marília
  • Simone Aparecida Capellini Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista – FFC/UNESP. PROEX – Pró-Reitoria de Extensão da UNESP.

DOI:

https://doi.org/10.7322/jhgd.46379

Palavras-chave:

aprendizagem, destreza motora, escrita manual.

Resumo

Objetivos: este estudo teve por objetivos caracterizar e comparar o desempenho da função motora fina, sensorial e perceptiva e a qualidade da escrita entre escolares com dificuldades de aprendizagem e escolares com bom desempenho acadêmico. Médodos: participaram desse estudo 192 crianças na faixa etária de 7 a 11 anos de idade, de ambos os gêneros, da 1ª à 4ª série de escolas públicas municipais. Os escolares foram distribuídos em: GI, GII, GIII e GIV, compostos de 96 escolares com dificuldade de aprendizagem, e GV, GVI, GVII e GVIII, compostos de 96 escolares com bom desempenho acadêmico. Os escolares foram submetidos à avaliação da função motora fina, sensorial e perceptiva e avaliação da escrita sob ditado. Resultados: os resultados revelaram que os que os escolares com dificuldades de aprendizagem da 1ª à 3ª série obtiveram desempenho inferior em provas de função motora fina, sensorial e perceptiva, quando comparados com escolares sem dificuldades de aprendizagem na mesma série escolar; os escolares da 4ª série de ambos os grupos não apresentaram alterações em função motora fina, sensorial e perceptiva; e somente os escolares do GII apresentaram disgrafia. Conclusão: Os resultados apresentados neste estudo sugerem que aspectos qualitativos das habilidades motoras finas, sensoriais e perceptivas refletem a integridade e a maturidade do sistema nervoso central e podem, provavelmente, exercer um importante papel no diagnóstico precoce de desordens do desenvolvimento e consequentemente prevenir desordens acadêmicas como o desempenho na escrita, por exemplo.

Biografia do Autor

Aline Cirelli Coppede, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM – Uberaba

Docente da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM – Uberaba

Paola Matiko Martins Okuda, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP – Marília

Terapeuta Ocupacional do Laboratório de Investigação dos Desvios da Aprendizagem (LIDA), Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP – Marília

Simone Aparecida Capellini, Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista – FFC/UNESP. PROEX – Pró-Reitoria de Extensão da UNESP.

Fonoaudióloga. Livre-Docente em Linguagem Escrita. Docente do Departamento de Fonoaudiologia, Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista – FFC/UNESP. Apoio Financeiro: PROEX – Pró-Reitoria de Extensão da UNESP.

Referências

Diniz D. Aborto seletivo no Brasil e alvarás judiciais. Rev. Bioética do Conselho Federal de Medicina. 2010; 5 (1). Disponível em: <http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/94/100>01. Rolfsen AB, Martinez CMS. Programa de intervenção para pais de crianças com dificuldades de aprendizagem: um estudo preliminar. Paidéia. 2008;18(39):175-88.

Capellini AS, Silva APC, Silva C, Pinheiro FH. Avaliação e diagnóstico fonoaudiológico nos distúrbios de aprendizagem e dislexias. In: Zorzi JL, Capellini SA. Dislexia e outros distúrbios da leitura-escrita. 2ª. ed. São José dos Campos: Pulso Editorial; 2009. p. 95-111.

Silva APC, Capellini AS. Programa de remediação fonológica em escolares com dificuldades de aprendizagem. J Soc Bras Fonoaudiol. 2011;23(1):13-20.

Trevisan JG, Coppede AC, Capellini SA. Avaliação da função motora fina, sensorial e perceptiva em escolares com dificuldades de aprendizagem. Temas sobre Desenvolvimento. 2008;16(94):183-7.

Willrich A, Azevedo CCF, Fernandes, JO. Desenvolvimento motor na infância: influência dos fatores de risco e programas de intervenção. Rev de Neurociências. 2009;17(1):51-56.

Siqueira CM, Gurgel-Giannetti, J. Mau desempenho escolar: uma visão atual. Rev da Assoc Med Bras. 2011;57(1):78-87.

Summers J, Larkin D, Dewey D. Activities of daily living in children with developmental coordination disorder: dressing, personal hygiene, and eating skills. Hum Mov Sci. 2008; 27:215-29.

Rosenblum S, Aloni T, Josman N. Relationships between handwriting performance and organizational abilities among children with and without dysgraphia: A preliminary study. Res Dev Disabil. 2010;31(2):502-509.

Case-Smith J, Heaphy T, Marr D, Galvin B, Koch V, Ellis MG et al. Fine motor and functional performance outcomes in preschool children. Am J Occup Ther. 1998; 52(10):88-99.

Fukuda MTM, Okuda, PMM. Avaliação e Intervenção na disgrafia. In Capellini AS, Germano GD, Cunha VL, org. Transtornos de aprendizagem e transtornos da atenção (da avaliação à intervenção). São José dos Campos: Pulso Editorial; 2010. p. 91-103.

Feder KP, Majnemer A. Handwriting development, competency and intervention. Dev Med Child Neurol. 2007;49(4):312–7.

Toniolo CS, Santos LC, Lourenceti MD, Padula, NA, Capellini SA. Caracterização do desempenho motor em escolares com transtorno do déficit de atenção com hiperatividade. Rev Psicopedag. 2009; 26(79):33-40.

Nicolson RI, Fawcett AJ. Dyslexia, dysgraphia, procedural learning and the cerebellum. Cortex. 2011; 47(1): 117-127.

Capellini SA, Souza AV. Avaliação da função motora fina, sensorial e perceptiva em escolares com dislexia. In: Sennyey AL, Capovilla FC, Montiel JM, organizadores. Transtornos da aprendizagem da avaliação à reabilitação. São Paulo: Editora Artes Médicas; 2008. p. 55-64.

Beckung, E. Development and validation of a measure of motor and sensory function in children with epilepsy. Pediatr Phys Ther. 2000;12:24-35.

Lorenzini VL. (). Uma escala para detectar a disgrafia baseada na escala de Ajuriaguerra [Dissertação de mestrado não-publicada]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 1993.

Volman MJM, Schendel BMV, Jongmans MJ. Handwriting difficulties in primary school children: a search for underlying mechanisms. Am J Occup Ther. 2006;60(4):451-60.

Medina-Papst J, Marques I. Avaliação do desenvolvimento motor de crianças com dificuldades de aprendizagem. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2010; 12(1):36-42.

Rosa Neto F, Santos APM, Weiss SLI, Amaro KN. Análise da consistência interna dos testes de motricidade fina da edm - escala de desenvolvimento motor. R. da Educação Física/UEM. 2010;21(2):191-197.

Amaro KN, Jatobá L, Santos APM, Rosa Neto F. Desenvolvimento motor em escolares com dificuldades na aprendizagem. Movimento & Percepção. 2010;11(16):39-47.

Gallahue DL, Ozmuz JC. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças e adolescentes e adultos. São Paulo: Ed. Phorte; 2001.

Conlon EG, Sanders MA, Wright CM. Relationships between global motion and global form processing, practice, cognitive and visual processing in adults with dyslexia or visual discomfort. Neuropsychologia, 2009;47(3):907-15.

Alloway TP, Archibald L. Working memory and learning in children with developmental coordination disorder and specific language impairment. J Learn Disabil. 2008;41(3):251-62.

Engel-Yeger B, Nagauker-Yanuv L, Rosenblum S. Handwriting performance, self-reports and perceived selfefficacy among children with dysgraphia. Am J Occup Ther. 2009;63(2):182–192.

Johnston DW, Nicholls MER, Shah M, Shields MA. Nature’s experiment? handedness and early childhood development. Demography. 2009;46(2):281-301.

Publicado

2012-10-31

Edição

Seção

Artigos Originais