O ESTRESSE EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM ASMA

  • Marco Aurélio Mendes Programa de Pós-graduação em Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Clemax Couto Sant’Anna Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Maria de Fátima Bazhuni Pombo March Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: estresse psicológico, estresse fisiológico, asma, qualidade de vida, sintomas afetivos.

Resumo

Objetivos: verificar a presença do estresse em crianças e adolescentes com asma e avaliar aassociação do estresse com variáveis clínicas e psicossociais. Método: estudo transversal com criançase adolescentes asmáticos entre 7 e 12 anos de idade, atendidos em ambulatório de pneumologiapediátrica. Utilizou-se a Escala de Estresse Infantil, o Critério de Classificação Econômica Brasil equestionário padronizado para coleta de informações. A análise estatística foi realizada através doteste qui-quadrado, curva ROC, teste exato de Fisher e Mann-Whitney, sendo utilizado o modelo deregressão logística após análise univariada. Resultados: o estresse foi detectado em 38 % (19/50)dos pacientes, com predomínio de reações psicológicas. Foram encontradas associações comsignificância estatística entre o estresse e dificuldades escolares (p = 0,026), classe sócio-econômicaC2 e D (p=0,013) e sintomas da doença há sete anos ou menos (p = 0,0037). Estas associaçõespermaneceram após a regressão logística. Não foram encontradas associações com significânciaestatística entre a gravidade da asma e o estresse. Conclusões: houve estresse em mais de umterço dos casos de crianças e adolescentes com asma. Houve maior frequência de estresse emcrianças e adolescentes de classes sócio-econômicas desfavorecidas e naqueles que apresentavamsintomas de asma em período inferior ou igual a 7 anos e com dificuldades escolares.

Biografia do Autor

Clemax Couto Sant’Anna, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor Associado de Pediatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Maria de Fátima Bazhuni Pombo March, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor Associado de Pediatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Referências

IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma, J Bras Pneumol. 2006; 32 Suppl : S447-74.

WHO World Health Organization. Asthma. [Internet]. [citado 2011 Set 5]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs307/en/index.html . Acesso: 05/09/2011.

Brasil Ministério da Saúde [Internet]. Indicadores de morbidade hospitalar do SUS. [citado 2013 Jan 1] Disponível em: http://www. datasus.gov.br.

Lipp, MEN. Manual do inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do psicólogo; 2005: 10-4.

Douwes J, Brooks C, Pearce N. Asthma nervosa: old concept, new insights. Eur Respir J. 2011; v. 37: 986 - 90.

Lipp, MEN. Crianças estressadas: causas, sintomas e soluções. São Paulo: Papirus; 2000: 3- 63.

Juniper EF, Guyatt GH, Feeny DH, Ferrie PJ, Griffith LE, Townsend M. Measuring quality of life in children with asthma. Qual Life Res. 1996; 5:35-46.

Heim C, Ehlert U, Hellhammer DH. The potential role of hypocortisolism in the pathophysiology of stress-related bodily disorders. Psychoneu-roendocrinology, 2000; v. 25: 1-35.

Chen E, Miller GE.Stress and inflammation in exacerbations of asthma. Brain , Behavior and Immunity, 2007;v. 21: 993-7.

Berenchtein B. A influência do stress na expressão clínica da asma infantil [dissertação]. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo; 2004.

Fonseca NR, Penna AFG.Perfil do cuidador familiar do paciente com seqüela de acidente vascular encefálico.Ciência & Saúde Coletiva, 2008; 13 (4): 1175-1180.

Alati R, O'callaghan M, Najman JM, Williams GM, Bor W, Lawlor DA. Asthma and internalizing behavior problems in adolescence: alongitudinal study. Psychosomatic Medicine, 2005; v. 67: 462 - 70.

Lipp, MEN, Lucarelli MDV. Escala de stress infantil - ESI: manual. São Paulo: Casa do psicólogo; 2005: 8-45.

Critério Padrão de Classificação Econômica Brasil/2008. ABEP_Associação Brasileira de Empresas de Pesquisas. Disponível em http://www.abep.org. Acesso em: 25/10/2011.

Sandberg S, Paton JY, Ahola S, McCann DC, McGuinness D, Hillary CR et al.The role of acute and chronic stress in asthma attacks in children. Lancet 2000; 356 : 982 - 87.

Sbaraini CR, Schermann LB. Prevalência de estresse infantil e fatores associados: um estudo com escolares em uma cidade do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública (Rio J). 2008; 24(5) : 1082-88.

Lipp MEN, Arantes JP, Buriti MS, Witzig T. O estresse em escolares. Psicologia Escolar e Educacional 2002; 6 (11): 51-6.

Calam R, Gregg L, Goodman R. Psychological adjustment and asthma in children and adolescents : the UK nationwide mental health survey. Psychosomatic Medicine 2005; 67 : 105 - 10.

Bussing R, Burket RC, Kelleher ET. Prevalence of anxiety disorders in a clinic-based sample of pediatric asthma patients. Psychossomatics 1996; 37 (2): 108-15.

Gustadt LB, Gillette JY, Mzarek DA, Fukuhara JT, LaBrecque JF, Strunk RC. Determinants of school performance in children with chronic asthma. Am. J. Dis. Child. 1989; 143(4) : 471-5.

Trinca MA, Bicudo IMB, Pelicioni MCF. A interferência da asma no cotidiano das crianças. Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2011; 21 (1): 70-84.

Vieira MA, Lima RAG. Crianças e adolescentes com doença crônica: convivendo com mudanças. Rev Latino-am Enfermagem 2002; 10(4): 552-60.

White, CA. Cogntive behavioral principles in managing chronic disease. WJM, 2001; 175: 338-42

Feitosa CA, Santos DN, Carmo MBB, Santos LM, Telesc CAS,Rodrigues LC et al. Behavior problems and prevalence of asthma symptoms among Brazilian children. J Psychosom Res., 2011. 71(3): 160 - 5.

Mendonça MB, Ferreira EAP. Adesão ao tratamento da asma na infância : dificuldades enfrentadas por cuidadoras. Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2005; 15(1): 56-68.

Castro EK, Piccinini CA. Implicações da doença orgânica na infância para as relações familiares: algumas questões teóricas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 2002; 15 (3) : 625-635.

Abreu LC. Heart rate variability as a functional marker of development. J. Hum. Growth Dev. 2013: 22(3): 279-282.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil / Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

Publicado
2013-01-23
Seção
Artigos Originais