Perinatal mortality in hospitals of the state of São Paulo: methodological aspects and some characteristics of mothers and conceptuses

  • Ruy Laurenti School of Public Health of Universidade de São Paulo
  • Arnaldo Augusto Franco de Siqueira School of Public Health of Universidade de São Paulo
  • Maria Helena Prado de Mello Jorge School of Public Health of Universidade de São Paulo
  • Sabina Léa Davidson Gotlieb School of Public Health of Universidade de São Paulo
  • Elaine Cristina Pimentel School of Public Health of Universidade de São Paulo

Resumo

Objective: to verify perinatal mortality and its associated components in an investigation about the history of gestations/deliveries. Method: the study was carried out at six maternity hospitals in the State of São Paulo that were interested in participating in the research. The population was composed of 7,058 women, of whom 6,530 gave birth, the number of conceptuses was 6,602: 56 stillbirths and 6,546 live births, of which 28 died in the first week of life. Variables related to the mother, the pregnancy, the delivery and the conceptus were studied. Results: the perinatal mortality coefficient was 12.7 per 1,000 births, 66.7% of the conceptuses were stillbirths and 33.3% were live births who died aged less than 7 days at the same hospital where they were born. Approximately 27% of the conceptuses were children of adolescent mothers and 44% of the mothers were primigravidae. Prenatal assistance was attended by 92% of the women, type of pregnancy showed 67.8% of preterm gestations with similar proportions for each one of the components. The coefficient for twin gestations was more than four times higher than the coefficient for mothers of singleton gestations. Regarding type of delivery, Cesarean sections corresponded to 31.1% of the total, and it is important to notice that there was a non-negligible amount of surgical deliveries in mothers whose product was a stillbirth. The coefficient according to sex was higher for males (1.8: 1), and as for birth weight, the highest proportion occurred among those who weighed less than 2,500g (67.9%). Conclusions: there was a relationship of the proportion of neonatal deaths in the first hours of life and the proportion of fetal deaths to the quality of the care offered in the women’s pregnancy-puerperal cycle.

Biografia do Autor

Ruy Laurenti, School of Public Health of Universidade de São Paulo
Epidemiology Department of the School of Public Health of Universidade de São Paulo
Arnaldo Augusto Franco de Siqueira, School of Public Health of Universidade de São Paulo
Epidemiology Department of the School of Public Health of Universidade de São Paulo
Maria Helena Prado de Mello Jorge, School of Public Health of Universidade de São Paulo
Epidemiology Department of the School of Public Health of Universidade de São Paulo
Sabina Léa Davidson Gotlieb, School of Public Health of Universidade de São Paulo
Epidemiology Department of the School of Public Health of Universidade de São Paulo
Elaine Cristina Pimentel, School of Public Health of Universidade de São Paulo
Epidemiology Department of the School of Public Health of Universidade de São Paulo

Referências

Hammond EI. Studies in fetal and infant mortality. A methodological approach to the definition of perinatal mortality. Am J Public Health Nations Health. 1965 August, 55(8): 1152–1163.

Organização Mundial de Saúde. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde – CBCD, S.Paulo, 2008 (v.2).

Fonseca SC e Coutinho ESF. Pesquisa sobre mortalidade perinatal no Brasil: revisão da metodologia e dos resultados. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20 Sup 1:S7-S19, 2004.

Laurenti R, Mello Jorge MH. O atestado de óbito. São Paulo, CBCD, 2007.

Yu V. Global, regional and national perinatal and neonatal mortality. J Perinat Med 2003, 31:376-9. Doi:10.3126/jnps.v32i2. 6898

Lansky S, França E, Leal MC. Mortalidade perinatal e evitabilidade: revisão da literatura. Rev Saúde Pública 2002,36(6):759-72 .

Jorge MHPM, Laurenti R, Gotlieb SLD. Análise da qualidade das estatísticas vitais brasileiras: a experiência de implantação do SIM e do SINASC. Cien Saude Colet, 2007, 12(3):643-654. Doi: 10.1590/S1413-81232007000300014.

REDE Interagencial de Informação para a Saúde Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações / Rede Interagencial de Informação para a Saúde - Ripsa. – 2. ed. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2008. 349 p.: il.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2011 : uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação de Saúde. Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.

Almeida MF, Alencar GP, Schoeps D, Minucci EG et al. Qualidade das informações de óbito fetal em São Paulo, SP. Rev. Saúde Pública. 2011, vol.45, n.5, 845-853. Doi:10.1590/S0034-89102011005000058.

Schramm JMA e Szwarcwald CL. Sistema hospitalar como fonte de informações para estimar a mortalidade neonatal e a natimortalidade. Rev Saúde Pública 2011,45(5):845-53.

Miura E, Failace LH e Fiori H. Mortalidade perinatal e neonatal no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Revista da Associação Médica Brasileira, 1997, 43(1). Doi: 10.1590/S0104-42301997000100009

Leal MC, Gama SGN, Campos MR, Cavalini LT, Garbayo LS, Brasil CLP et al. Fatores associados à morbimortalidade perinatal em uma amostra de maternidades públicas e privadas no Município do Rio de Janeiro, 1999-2001. Cad.

Saúde Pública, 2004, 20 Sup 1:S20-S33.

Andrade CLT, Szwascwald CL, Gama SGN e Leal MC. Desigualdades sócio-econômicas do baixo peso ao nascer e da mortalidade perinatal no Município do Rio de Janeiro, 2001. Cad. Saúde Pública,2004, 20 Supl. I, 2004.

CEINFO. Boletim CEINFO em Dados. Dados e indicadores para a saúde: 12, SMS, São Paulo, 2012.

Fonseca SC e Coutinho ESF. Características biológicas e evitabilidade de óbitos perinatais em uma localidade na cidade do Rio de Janeiro, 1999 a 2003. Rev. Bras. Saúde Materno Infantil 8(2) Recife, jan-março, 2008.

Almeida MF, Alencar GP, Novaes HMD e Ortiz LP. Sistemas de Informação e mortalidade perinatal: conceitos e condições de uso em estudos epidemiológicos. Rev. Brasileira de Epidemiologia, 9(1) são Paulo, março 2006.

WHO. Appropriate technology for birth. Lancet. 1985, Aug 24,2(8452):436-7. Doi:10.1016/S0140-6736(85)92750-3.

Martin JA, Hamilton BE, Ventura SJ, et al. Births: Final data for 2009. National vital statistics reports, vol 60 n°1. Hyattsville, MD: National Center for Health Statistics. 2011. Número de páginas e se possível, aquelas utilizadas!

Ministério da Saúde, Brasil. As cesarianas no Brasil: situação no ano de 2010, tendências e perspectivas. In: Secretaria de Vigilância em Saúde/MS. Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e de evidências selecionadas de impacto de ações de vigilância em saúde. Disponível em: http://portalsaude.saude. gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Fev/21/saudebrasil 2011_parte2_cap16.pdf. Acessado em: 31/10/2013. Pág. 373-97.

Ventura, GAB. Viabilidade da redução de cesáreas em maternidade universitária pública no município de São Paulo. [Tese de Doutorado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública / Universidade de São Paulo, 1998.

Laurenti R, Silveira MH e Siqueira AAF. Mortalidade Perinatal em São Paulo, Brasil. Revista de Saúde Pública, 1975, 9:115-24.

Chiavegatto Filho, ADP e Laurenti, R. O sexo masculino vulnerável: razão de masculinidade entre óbitos fetais brasileiros. Cadernos de Saúde Pública, 2012, 28:720-8. Doi: 10.1590/S0102-311X2012000400011.

Aquino MMA. Causas e Fatores Associados ao Óbito Fetal. Dissertação de Mestrado. Campinas: Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, 1997.

Barros, FC, Victora, CJ, Vaughan, JP,. Causas de mortalidade perinatal em Pelotas, RS, Brasil. Utilização de uma classificação simplificada. Rev. de Saúde Pública, 1989, 21:310-6. Doi: 10.1590/S0034-89101987000400004

Araújo, BF, Bozzetti, MC e Tanaka, ACA. Mortalidade neonatal precoce no Município de Caxias do Sul: um estudo de coorte. Jornal de Pediatria, 2000, 76: 200-6. Doi: 0021-7557/00/76-03/200.

CFM – Conselho Federal de Medicina. Resolução 1601 de 9 de agosto de 2000 e Resolução 1779 de 11 de novembro de 2005. Disponível em: [http://portal.cfm.org.br/] Acesso em: 30 out 2013.

Publicado
2013-12-30
Seção
Artigos Originais