Prevalência de sibilância recorrente e seus fatores de risco

Autores

  • Elisangela Vilar de Assis Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB); Faculdade de Medicina do ABC
  • Milena Nunes Alves de Sousa Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB)
  • Ankilma do Nascimento Andrade Feitosa Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB); Faculdade de Medicina do ABC
  • Ana Cecília Amorim de Souza Faculdade de Medicina do ABC
  • Pablo de Almeida Leitão Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB); Faculdade de Medicina do ABC
  • Ocilma Barros de Quental Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB); Faculdade de Medicina do ABC
  • Ubiraidys de Andrade Isidório Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB)
  • Luiz Carlos de Abreu Faculdade de Medicina do ABC
  • Vitor Engrácia Valenti Faculdade de Medicina do ABC; Universidade Federal de São Paulo; Universidade Estadual Paulista - Marília

DOI:

https://doi.org/10.7322/jhgd.76114

Palavras-chave:

sibilância, sibilância recorrente, sibilância na infância

Resumo

Objetivo: analisar a prevalência de sibilância recorrente e seus fatores de risco. Método: revisão integrativa, norteada pela questão de pesquisa “qual é a prevalência da sibilância recorrente e seus fatores de risco?”. A busca foi realizada nas bases de dados MedLine e Lilacs em abril e maio de 2013. Os critérios de inclusão foram: estudo científico, disponível na íntegra, publicado entre 2002 e 2013, com acesso livre e gratuito e os resultados foram apresentados em tabela. Resultados: a sibilância apresenta uma maior prevalência em países em desenvolvimento, possivelmente devido a baixas condições socioeconômicas. Dentre seus fatores de risco encontram-se a hereditariedade, o grau de escolaridade materna, a frequência em creche, o tabagismo durante a gravidez, a amamentação por > 3 meses, animais no domicílio de crianças, dentre outros. Conclusão: na América Latina, a prevalência da sibilância mostra-se elevada e o uso de instrumentos não padronizados dificulta seu tratamento.

Biografia do Autor

Elisangela Vilar de Assis, Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB); Faculdade de Medicina do ABC

Laboratório de Delineamento e Escrita Científica. Departamento de Morfologia e Fisiologia, Faculdade de Medicina do ABC - Santo André, SP; Faculdade Santa Maria (FSM). Cajazeiras (PB), Brasil

Milena Nunes Alves de Sousa, Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB)

Faculdade Santa Maria (FSM) - Cajazeiras (PB), Brasil

Ankilma do Nascimento Andrade Feitosa, Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB); Faculdade de Medicina do ABC

Laboratório de Delineamento e Escrita Científica. Departamento de Morfologia e Fisiologia, Faculdade de Medicina do ABC - Santo André, SP; Faculdade Santa Maria (FSM). Cajazeiras (PB), Brasil

Ana Cecília Amorim de Souza, Faculdade de Medicina do ABC

Laboratório de Delineamento e Escrita Científica. Departamento de Morfologia e Fisiologia, Faculdade de Medicina do ABC - Santo André, SP, Brazil

Pablo de Almeida Leitão, Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB); Faculdade de Medicina do ABC

Laboratório de Delineamento e Escrita Científica. Departamento de Morfologia e Fisiologia, Faculdade de Medicina do ABC - Santo André, SP; Faculdade Santa Maria (FSM). Cajazeiras (PB), Brasil

Ocilma Barros de Quental, Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB); Faculdade de Medicina do ABC

Laboratório de Delineamento e Escrita Científica. Departamento de Morfologia e Fisiologia, Faculdade de Medicina do ABC - Santo André, SP; Faculdade Santa Maria (FSM). Cajazeiras (PB), Brasil

Ubiraidys de Andrade Isidório, Faculdade Santa Maria - Cajazeiras (PB)

Faculdade Santa Maria (FSM) - Cajazeiras (PB), Brasil

Luiz Carlos de Abreu, Faculdade de Medicina do ABC

Laboratório de Delineamento e Escrita Científica. Departamento de Morfologia e Fisiologia, Faculdade de Medicina do ABC - Santo André, SP, Brazil

Vitor Engrácia Valenti, Faculdade de Medicina do ABC; Universidade Federal de São Paulo; Universidade Estadual Paulista - Marília

Laboratório de Delineamento e Escrita Científica. Departamento de Morfologia e Fisiologia, Faculdade de Medicina do ABC - Santo André, SP, Brazil; Fisioterapeuta. Doutor em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Professor na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp). Marília (SP), Brasil.

Referências

Mallol J1, García-Marcos L, Solé D, Brand P; EISL Study Group. International prevalence of recurrent wheezing during the first year of life: variability, treatment patterns and use of health resources. Thorax. 2010;65(11):1004-9. 10.1136/thx.2009.115188.

Visser CA1, Garcia-Marcos L, Eggink J, Brand PL. Prevalence and risk factors of wheeze in Dutch infants in their first year of life. Pediatr Pulmonol. 2010;45(2):149-56. doi: 10.1002/ppul.21161.

Medeiros LMC, Vieira RS, Javorski M. Identification of risk for wheezing at home by caregivers. Rev Enferm UFPE. 2011;5(1):106-14. Available from: www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/.../1167.

Pellegrini-Belinchón J1, Miguel-Miguel G, De Dios-Martín B, Vicente-Galindo E, Lorente-Toledano F, García-Marcos L. Study of wheezing and its risk factors in the first year of life in the Province of Salamanca, Spain. Allergol Immunopathol (Madr). 2012;40(3):164-71. doi: 10.1016/j.aller.2011.03.014.

Kawamoto N, Fukao T, Kaneko H, Hirayama K, Sakurai S, Arai T. Risk factors for infantile atopic dermatitis and recurrent wheezing. J Investig Allergol Clin Immunol. 2012; 22(2):116-25.

Belyhun Y1, Amberbir A, Medhin G, Erko B, Hanlon C, Venn A, et al. Prevalence and risk factors of wheeze and eczema in 1-year-old children: the Butajira birth cohort, Ethiopia. Clin Exp Allergy. 2010;40(4):619-26. doi: 10.1111/j.1365-2222.2010.03479.x

Geraldini M, Santos HLBS, Rosário NA, Araújo LML, Riedi CA, Tigrinho FK, et al. Quando sibilância recorrente no lactente não é asma. Rev Bras Alergia Imunopatol. 2008;31(1):42-5.

Herr M1, Just J, Nikasinovic L, Foucault C, Le Marec AM, Giordanella JP, et al. Influence of host and environmental factors on wheezing severity in infants: findings from the PARIS birth cohort. Clin Exp Allergy. 2012;42(2):275-83. doi: 10.1111/j.1365-2222.2011.03933.x.

Prietsch SOM, Fischer GB, César JA, Cervo PV, Sangaletti LL, Wietzycoski CR, et al. Fatores de risco para sibilância recorrente em menores de 13 anos no Sul do Brasil. Rev Panam Salud Pública. 2006;20(5):331-7.

Botelho LLR, Cunha CCA, Macedo M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade [serial on the internet]. 2011 May-Aug [cited 2013 July 17]; 5(11): 121-36. Available from:www.gestaoesociedade.org/gestaoesociedade/article/download/1220/906.

Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde. Lilacs em números [document on the internet]. 2012 [cited 2012 Dec 5]. Available from: http://lilacs.bvsalud.org/blog/2010/10/08/lilacs-emnumeros/.

Chong Neto HJ, Rosário NA, Grasselli EA, Silva FC, Bojarski LFM, Rosário CS, et al. Sibilância recorrente em lactentes: mudanças epidemiológicas. J Pediatr [serial on the internet]. 2011 [cited 2013 July 19]; 87(6):547-50. Available from: http://www.scielo.br/pdf/jped/v87n6/v87n06a15.pdf.

Alvim CG, Nunes S, Fernandes S, Camargos P, Fontes MJ. Corticoide oral e inalatório para tratamento de sibilância no primeiro ano de vida. J Pediatr [serial on the internet]. 2011[cited 2013 July 19]; 87(4): 314-8. Available

from: http://www.scielo.br/pdf/jped/v87n4/v87n04a07.pdf.

Medeiros D, Silva AR, Rizzo JA, Sarinho E, Mallol J, Solé D. Prevalência de sibilância e fatores de risco associados em crianças no primeiro ano de vida, residentes no Município de Recife, Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública [serial on the internet]. 2011 [cited 2013 July 19];27(8):1551-9. Available from: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n8/10.pdf.

Bianca ACCD, Wandalsen GF, Mallol J, Solé D. Prevalência e gravidade da sibilância no primeiro ano de vida. J Bras Pneumol [serial on the internet]. 2010 [cited 2013 July19];36(4):402-9. Available from: http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v36n4/v36n4a03.pdf.

Lima JAB, Fischer GB, Sarria EE, Mattiello R, Solé D. Prevalência e fatores de risco para sibilância no primeiro ano de vida. J Bras Pneumol [serial on the internet]. 2010 [cited 2013 July 19];36(5):525-31. Available from: http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v36n5/v36n5a02.pdf.

Chong Neto HJ, Rosário NA, Solé D, Mallol J. Prevalência de sibilância recorrente em lactentes. J Pediatr [serial on the internet].2007 [cited 2013 July 19];83(4):357-62.Available from: http://www.scielo.br/pdf/jped/v83n4/v83n4a12.pdf.

Soto-Ramírez N1, Karmaus W, Zhang H, Davis S, Agarwal S, Albergottie A. Modes of infant feeding and the occurrence of coughing/wheezing in the first year of life. J Hum Lact. 2013; 29(1):71-80. doi: 10.1177/0890334412453083

Midulla F1, Pierangeli A, Cangiano G, Bonci E, Salvadei S, Scagnolari C, et al. Rhinovirus bronchiolitis and recurrent wheezing: 1-year follow-up. Eur Respir J. 2012; 39(2):396-402. doi: 10.1183/09031936.00188210.

Garcia-Marcos L1, Mallol J, Solé D, Brand PL; EISL Study Group. International study of wheezing in infants: risk factors in affluent and non-affluent countries during the first year of life. Pediatr Allergy Immunol. 2010; 21(5): 878-88. doi: 10.1111/j.1399-3038.2010.01035.x.

Chong Neto HJ, Rosário NA. Fatores de proteção e risco para sibilância recorrente no primeiro ano de vida em Curitiba. Rev Bras Alergia Imunopatol. 2009;32(5):189-93. Available from: http://www.sbai.org.br/revistas/Vol325/N_ART%205-09%20-%20Fatores%20de%20prote%C3%A7%C3%A3o%20e%20risco.pdf.

Chong Neto HJ, Rosário NA. Fatores de risco para sibilância no primeiro ano de vida. J Pediatr [serial on the internet]. 2008 [cited 2013 July 19];84(6):495-502. Available from:http://www.scielo.br/pdf/jped/v84n6/ v84n6a05.pdf.

Chong Neto HJ, Rosário NA. Sibilância no lactente: epidemiologia, investigação e tratamento. J Pediatr [serial on the internet]. 2010 [cited 2013 July 19];86(3):171-8. Available from: http://www.scielo.br/pdf/jped/v86n3/a03v86n3.pdf.

Downloads

Publicado

2014-02-01

Edição

Seção

Artigos Originais