A Província e a ciência nacional: a Comissão Científica de 1859 no Ceará

Autores

  • Paulo Cesar Santos Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-2158.i10p159-179

Palavras-chave:

Ciência, Ceará, II Reinado, Investigação

Resumo

Resumo: Esta pesquisa busca analisar as experiências e a representações vividas pelos cientistas da Comissão Científica de 1859 em suas investigações na província do Ceará. Criada em 1856 no seio do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), a Comissão Científica de Exploração começaria seus trabalhos em 1859, sendo o Ceará a primeira província a ser explorada. Os intentos de tal comissão se articulavam ao projeto de integração e centralização política que emergia no II Reinado brasileiro (1840-1889). Buscava-se o conhecimento das riquezas nacionais e a criação de uma imagem do país através do saber nacional, sendo a História do Brasil escrita por brasileiros e não mais por viajantes europeus. Saber e poder caminhavam juntos na consolidação política desenvolvida no Brasil imperial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Carta de Capanema a Dias, datada de 11 de setembro de 1861. In: Correspondência passiva de Antonio Gonçalves Dias. Anais da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, v. 84, 1971, p. 248-249.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. A Interiorização da Metrópole e outros estudos. São Paulo: Alameda, 2005, p. 78, 113.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. História e natureza em Von Martius. Esquadrinhando o Brasil para construir a nação. História, Ciência, Saúde. Manguinhos. Rio de Janeiro v.7, n.2, 2000, p. 4.

HARDMAN. Francisco Foot. Trem fantasma: a modernidade na selva. São Paulo: Companhia das Letras, 1988, p. 68.

KURY, Lorelai. História natural, utilidade e felicidade no iluminismo francês. In: Natureza e Cultura: capítulos de História Social. Kenia Rios, Ana Isabel [et al]. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2013, p. 9.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP, 2011, p. 350.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LEITE, Ana Cristina. O algodão no Ceará: estrutura fundiária e capital comercial (1850-1880). Fortaleza: Secult, 1994, p. 130 (Coleção Teses Cearenses).

MINDLIN, José E. Viajantes no Brasil: Viagem em torno de meus livros. Estudos Históricos, Rio de Janei-ro, v. 4, n. 7, 1991, p. 52.

O Auxiliador da Indústria Nacional, 1 de janeiro de 1872, p. 34.

PATACA, E. Moutinho; PINHEIRO, Rachel. Instruções de viagem para a investigação científica do território brasileiro. Revista da SBHC. Rio de Janeiro: v. 3, n. 1, jan./jun, p.58-79, 2005.

Rachel Amaro, In: jornal Diário do Nordeste (Fortaleza - CE), 06-12-2009, Caderno Regional, p. 2.

Relatório da Seção de Zoologia, lido no IHGB em 6 de dezembro de 1861.In: BRAGA, Renato. História da Comissão Cientifica de Exploração. Fortaleza: Imprensa Universitária, 1962, p. 338.

SANTOS, Paulo César dos. O Ceará Investigado: a Comissão Científica de 1859. Dissertação (Mestrado em História Social) - Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 2011.

SENRA, Nelson. História das estatísticas brasileiras: estatísticas desejadas (1822-1889). Vol I. Rio de Janeiro: IBGE, 2006, p. 199

THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural: Mudanças de atitude em relação às plantas e os animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras, 1988, p. 42, 280.

Trabalhos da Commissão Scientifica de Exploração, 1862, p. IX.

Trabalhos da Commissão Scientifica de Exploração. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laem-mert, 1862.

VON IHERING, Rodolfo. Ciência e beleza nos sertões do Nordeste. Fortaleza: DNOCS, 1983 (1ª edição de 1940).

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Santos, P. C. (2020). A Província e a ciência nacional: a Comissão Científica de 1859 no Ceará. Khronos, (10), 159-179. https://doi.org/10.11606/issn.2447-2158.i10p159-179