A História das formigas e as formigas na história: etologia e cultura

Autores

  • Daniele Victoratti do Carmo Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-2158.i10p112-139

Palavras-chave:

Formigas, Cultura, Civilização, Etologia, Comportamento

Resumo

A forma como as diferentes espécies de formigas ocupam os mais diversos habitats no globo terrestre não passou despercebido pelas diferentes civilizações humanas. Como consequência, influenciaram de diferentes maneiras na construção cultural dessas civilizações. Dentro deste contexto, este trabalho se propõem a apresentar os comportamentos das formigas descritos em registros históricos ao longo dos séculos e em diferentes civilizações. E ainda, mostrar como estes fizeram e fazem parte da construção cultural e, por fim, desvelar como esses traços culturais acabaram por impactar  a ciência do estudo do comportamento: a etologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Figura 3: Formigas indo em direção aos grãos de trigo.

Fonte: Ilustração encontrada no Bestiário de Philippe de Thaon ano de 1300. Disponível em <http://www.mirmiberica.org/a/BHME/edadmedia/BHME_EdadMedia.htm>. Acesso em: 15 abril 2020.

Figura 4: Foto de uma página do Bestiário de Alberdeen.em que se encontram informações sobre as formigas. É possível observar que há também uma ilustração de um formigueiro e das formigas.

Fonte: Ilustração encontrada no Bestiário de Philippe de Thaon ano de 1300. Disponível em <http://www.mirmiberica.org/a/BHME/edadmedia/BHME_EdadMedia.htm>. Acesso em: 15 abril 2020.

Figura 5: Formigas coletando grãos de trigo.

Fonte: Ilustração encontrada no Bestiário de Philippe de Thaon ano de 1300. Disponível em <http://www.mirmiberica.org/a/BHME/edadmedia/BHME_EdadMedia.htm>. Acesso em: 15 abril 2020.

Figura 6: O árduo e o ócio

Fonte: Gerson Kauer . Ilustração da coluna “Contador de Causos” de 03 de março de 2009. In: MOTTA, Ana Raquel. Muito além da cigarra e da formiga. Letras de Hoje, v. 49, n. 3, p. 290-296, 2014.

In: BOTELHO, João Bosco; WEIGEL, Valéria Augusta. Comunidade sateré-mawé Y'Apyrehyt: ritual e saúde na periferia urbana de Manaus. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 18, n. 3, p. 723-744, 2011.

Figura 1: Luva preparada para dar início ao Ritual da Tucandeira. Detalhe para as formigas presas na luva de palha.

Fonte: Fonte: SILVA, Daniel Cordeiro da et al. Relatório da visita à aldeia Y'Apyrehyt, comunidade indígena sateré-mawé. Disciplina História da Medicina. Universidade do Estado do Amazonas. 2008. In: BOTELHO, João Bosco; WEIGEL, Valéria Augusta. Comunidade sateré-mawé Y'Apyrehyt: ritual e saúde na periferia urbana de Manaus. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 18, n. 3, p. 723-744, 2011.

Figura 2: Jovem passando pelo Ritual da Tucandeira vestindo as luvas de palha nas duas mãos com muitas formigas tucandeiras presas por dentro.

Fonte: SILVA, Daniel Cordeiro da et al. Relatório da visita à aldeia Y'Apyrehyt, comunidade indígena sateré-mawé. Disciplina História da Medicina. Universidade do Estado do Amazonas. 2008.In: BOTELHO, João Bosco; WEIGEL, Valéria Augusta. Comunidade sateré-mawé Y'Apyrehyt: ritual e saúde na periferia urbana de Manaus. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 18, n. 3, p. 723-744, 2011.

- Disponível em: <http://www.mirmiberica.org/a/BHME/edadmedia/BHME_EdadMedia.htm>. Acesso em: 31 out. 2020.

- Baccaro, F. B., Feitosa, R. M., Fernández, F., Fernandes, I. O., Izzo, T. J., Souza, J. D., & Solar, R. Guia para os gêneros de formigas do Brasil. Manaus: Editora INPA. P. 23-24. 2015.

- ALVAREZ, Gabriel O. O ritual da tocandira entre os Sateré-Mawé: aspectos simbólicos do waumat. Universidade de Brasília. p. 4. 2005.

- HANLEY, Rodney. S., LOVETT, James, P. Behavior and Subcaste Specialization Among Workers of the Giant Tropical Ant, Paraponera clavata (Hymenoptera: Formicidae: Ponerinae). Entomological Contributions in Memory of Byron A. Alexander. University of Kansas Natural History Museum Special Publication. v. 24, p. 45-50. 1999.

- ANDRADE, José Agnello Alves Dias de. Indigenização da cidade: etnografia do circuito sateré-mawé em Manaus-AM e arredores. Tese de Doutorado. P. 15,17,20, 37. Universidade de São Paulo.2012.

- BOTELHO, João Bosco; WEIGEL, Valéria Augusta. Comunidade sateré-mawé Y'Apyrehyt: ritual e saúde na periferia urbana de Manaus. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 18, n. 3, p. 723-744, 2011.

- DA SILVA LORENZ, Sônia. Sateré-Mawé: os filhos do guaraná. Centro de Trabalho Indigenista, 1992. In: ANDRADE, José Agnello Alves Dias de. Indigenização da cidade: etnografia do circuito sateré-mawé em Manaus-AM e arredores. Tese de Doutorado. P. 15,17,20, 37. Universidade de São Paulo.2012.

- ALVAREZ, Gabriel O. O ritual da tocandira entre os Sateré-Mawé: aspectos simbólicos do waumat. Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília, 2005.

- ALVAREZ, Gabriel O. O ritual da tocandira entre os Sateré-Mawé: aspectos simbólicos do waumat. Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília, p. 6. 2005.

- CARVALHO, Joelma Monteiro de et al. Ritual da tucandeira da etnia Sateré-Mawé: língua, memória e tradição cultural.p. 80. 2015.

- OLIVEIRA, João Filho Pacheco; SANTOS, Glademir Sales; RUBIM, Altaci Correa. Antropologia e Educação na Amazônia. Curso de Pedagogia Intercultural Indígena. Manaus:UEA Edições. p. 25 2010.

- CARVALHO, Joelma Monteiro de et al. Ritual da tucandeira da etnia Sateré-Mawé: língua, memória e tradição cultural.p. 122. 2015.

- ALVAREZ, Gabriel O. O ritual da tocandira entre os Sateré-Mawé: aspectos simbólicos do waumat. Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília, p. 7. 2005.

- Barbosa Rodrigues, 1882 Pereira, Nunes. Os índios Mawés.ed. Organizações Simões. p. 52. 1954.

- Tuxaua : líder da aldeia. SANTILLI, Paulo. 2001. Pemongon Patá: território Macuxi, rotas de conflito. São Paulo: Editora UNESP.

- Cotecá é um instrumento composto de uma vara de massaranduba e na sua extremidade há um penacho. Dentro dela é colocada uma castanha que ao movimentar a vara produz um som. RODRIGUES, João Barbosa. Idolo amazonico, achado no rio Amazonas. Typ. de Brown & Evaristo. p. 8 1875.

- Cigarro de Tauari é um cigarro enrolado com madeira de uma planta chamada tauazeiro, típica da reigião amazônica. Este cigarro se fuma ao contrário: com abrasa para dentro da boca, ao invés de chupar a fumaça. O pajé sofra com força para defumar e acordar as formigas. MAUÉS, Raymundo Heraldo. Medicinas populares e a “pajelança cabocla”. Saúde e doença: um olhar antropológico. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, p. 74, 1994.

- ( Barbosa Rodrigues, 1882. In: Pereira, 2003). In: ANDRADE, José Agnello Alves Dias de. Indigenização da cidade: etnografia do circuito sateré-mawé em Manaus-AM e arredores. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. p. 121. 2012

- PEREIRA, Nunes. Os índios maués. Manaus: Ed. Valer. 1.ed., 1954.p. 68. 2003.

- CARVALHO, Joelma Monteiro de et al. Ritual da tucandeira da etnia Sateré-Mawé: língua, memória e tradição cultural.p. 141. 2015.

- Etologia: estudo do comportamento animal e humano. LORENZ, Konrad. Os fundamentos da etologia. Editora Unesp. p. 18. 1995.

- Baccaro, F. B., Feitosa, R. M., Fernández, F., Fernandes, I. O., Izzo, T. J., Souza, J. D., & Solar, R. Guia para os gêneros de formigas do Brasil. Manaus: Editora INPA. P. 35-36. 2015.

- de Castro, M. M., Fernandes, E. F., Santos-Prezoto, H. H., & Prezoto, F. F.Formigas em ambientes urbanos: importância e risco à saúde pública. Ces Revista. v. 28. n.1, p.107.2014.

- de Castro, M. M., Fernandes, E. F., Santos-Prezoto, H. H., & Prezoto, F. F.Formigas em ambientes urbanos: importância e risco à saúde pública. Ces Revista. v. 28. n.1, p.108.2014.

- Lenoir, A., Aron, S., Cerda, X., & Hefetz, A Cataglyphis desert ants: a good model for evolutionary biology in Darwin¿ s anniversary year¿ A review. 2009.

- DA SILVA, Madalena Teles. Behaviour of army antsEciton burchelli andE. hamatum (Hymenoptera, Formicidae) in the Belem region III. Raid activity. Insectes Sociaux, v. 29, n. 2, p. 243-267, 1982.

- Way, M. J. Studies of the life history and ecology of the ant Oecophylla longinoda Latreille. Bulletin of Entomological Research, v. 45, n. 1, p. 93-112. 1954

- DELLA-LUCIA, Terezinha.M. C..As formigas cortadeiras. p. 33-39. 1993.

- WITTE, Volker; MASCHWITZ, Ulrich. Mushroom harvesting ants in the tropical rain forest. Naturwissenschaften, v. 95, n. 11, p. 1049-1054, 2008.

- Lange, D., Calixto, E. S., Rosa, B. B., Sales, T. A., & Del-Claro, K. (2019). Natural history and ecology of foraging of the Camponotus crassus Mayr, 1862 (Hymenoptera: Formicidae). Journal of Natural History. V. 53, p. 27-28, p. 1737-1749. 2019.

- DJIÉTO-LORDON, Champlain; ORIVEL, Jerome; DEJEAN, Alain. Predatory behavior of the African ponerine ant Platythyrea modesta (Hymenoptera: Formicidae). Sociobiology, v. 38, n. 3, p. 303-316, 2001.

- GIRAUD, Tatiana; PEDERSEN, Jes S.; KELLER, Laurent. Evolution of supercolonies: the Argentine ants of southern Europe. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 99, n. 9, p. 6075-6079, 2002.

- WILSON, E.O; HÖLLDOBLER, B. The ants. The Belknap Press of Harvard University Press Cambridge. Massachusetts. p. 614-617. 1990.

- AUTUORI, M. Algumas observações sobre formigas cultivadoras de fungo (Hym. Formicidae). Revista de Entomologia, v. 11, n. 1-2, p. 215-226, 1940.

- DELLA-LUCIA, Terezinha.M. C..As formigas cortadeiras. p. 43-48,84, 106-121,. 1993.

- Forrageamento coletivo: as formigas cortadeiras realizam o forrageamento coletivo, no qual formando trilhas que levam até uma fonte de alimento. As operárias saem do ninho para procurar alimento, se encontram, voltam para recrutar outras companheiras do ninho. WILSON, E.O; HÖLLDOBLER, B. The ants. The Belknap Press of Harvard. P. 383. 1990.

- DELLA-LUCIA, Terezinha.M. C..As formigas cortadeiras. p. 84. 1993.

- COSTA, James T.; COSTA, James T. The other insect societies. Harvard University Press. p. 9-12. 2006..

- Sobreposição de geração: é possível encontrar em um colônia operárias com diferentes idades convivendo ao mesmo tempo: oriundas de posturas de ovos feitas pela rainha de diferentes períodos de tempo COSTA, James T.; COSTA, James T. The other insect societies. Harvard University Press. p. 3, 10. 2006..

- Divisão de tarefas reprodutivas: há indivíduos capazes de se reproduzir: a rainha e o bitu (macho), sendo a rainha responsável por realizar a postura de ovos que vão dar origem as operáras, rainhas virgens e machos virgens. E os indivíduos estéreis, que não podem se reproduzir: as operárias que realizam a manutenção de todas as tarefas da colônia. COSTA, James T.; COSTA, James T. The other insect societies. Harvard University Press. p. 12. 2006.

WILSON, Edward O. Division of labor in fire ants based on physical castes (Hymenoptera: Formicidae: Solenopsis). Journal of the Kansas Entomological Society, p. 615-636, 1978.

- WILSON, Edward O. Caste and division of labor in leaf-cutter ants (Hymenoptera: Formicidae: Atta). Behavioral ecology and sociobiology, v. 7, n. 2, p. 157-165, 1980Cuidado cooperativo com a prole: as operárias cuidam das demais operárias da colônia, suas irmãs, de forma direta: dos ovos, imaturos, como por exemplo. Enquanto outras operárias de forma indireta, como por exemplo, são responsáveis por defender o ninho e garantir a sobrevivência da colônia .

WILSON, Edward O. et al. The insect societies. The insect societies. p.3, 10. 1971.

WILSON, E.O; HÖLLDOBLER, B. The ants. The Belknap Press of Harvard University Press Cambridge. Massachusetts. p. 145-149. 1990

- WILSON, E.O; HÖLLDOBLER, B. The ants. The Belknap Press of Harvard University Press Cambridge. Massachusetts. p. 298-300. 1990

- Aristóteles. História dos Animais. Livros I-VI. Edição: Imprensa Nacional-Casa da Moeda Concepção gráfica: Branca Vilallonga (Departamento Editorial da INCM).Revisão do texto: Paula LoboISBN: 972-27-1452-X. Data de impressão: Janeiro de 2006.

- Aristóteles. História dos Animais. Livros I-VI. Edição: Imprensa Nacional-Casa da Moeda Concepção gráfica: Branca Vilallonga (Departamento Editorial da INCM).Revisão do texto: Paula LoboISBN: 972-27-1452-X. p.56 . Data de impressão: Janeiro de 2006.

- VARANDAS, A. A Idade Média e o Bestiário. Trabalho apresentado no III Seminário Aberto 2006, organizado pelo Instituto de Estudos Medievais da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa. p. 1. 2006.

- VARANDAS, Angélica. O Bestiário: Um Género Medieval. Bestiário Medieval: Perspectivas de Abordagens, p. 41-54, 2014.

- Disponível em < <http://www.mirmiberica.org/a/BHME/edadmedia/BHME_EdadMedia.htm>. Acesso em: 30 set. 2020.

- Disponível em

< http://www.mirmiberica.org/a/BHME/edadmedia/BHME_EdadMedia.htm> Acesso em: 30 set. 2020.

- Disponível em

< http://www.mirmiberica.org/a/BHME/edadmedia/BHME_EdadMedia.htm> Acesso em: 30 set. 2020.

- Disponível em

< http://www.mirmiberica.org/a/BHME/edadmedia/BHME_EdadMedia.htm> Acesso em: 30 set. 2020.

- Disponível em

< http://www.mirmiberica.org/a/BHME/edadmedia/BHME_EdadMedia.htm> Acesso em: 30 set. 2020.

- A Bíblia Sagrada. 2 Coríntios,3:6. Edição 1996.

- COSTA, James T.; COSTA, James T. The other insect societies. Harvard University Press. p. 6-7. 2006..

- Indivíduos próximos geneticamente: em uma colônia operárias de diferentes castas, são oriundas de um único casal de pais, consequentemente, são muito próximas geneticamente. COSTA, James T.; COSTA, James T. The other insect societies. Harvard University Press. p. 9-12. 2006..

- Morfologicamente similares: quando não há diferenciação morfológica entre as operárias que executam diferentes tarefas na colônia.

WILSON, E.O; HÖLLDOBLER, B. The ants. The Belknap Press of Harvard University Press Cambridge. Massachusetts. p. 298-302. 1990.

WILSON, Edward O. Division of labor in fire ants based on physical castes (Hymenoptera: Formicidae: Solenopsis). Journal of the Kansas Entomological Society, p. 615-636, 1978.

- Casta: é um conjunto de indivíduos dentro da colônia especializado em um determinado grupo de tarefas. Estes grupos podem ou não ter diferenças morfológicas entre si, dependendo da espécie de formiga. WILSON, E.O; HÖLLDOBLER, B. The ants. The Belknap Press of Harvard University Press Cambridge. Massachusetts. p. 298-302. 1990.

WILSON, Edward O. Division of labor in fire ants based on physical castes (Hymenoptera: Formicidae: Solenopsis). Journal of the Kansas Entomological Society, p. 615-636, 1978.

WILSON, Edward O. Caste and division of labor in leaf-cutter ants (Hymenoptera: Formicidae: Atta). Behavioral ecology and sociobiology, v. 7, n. 2, p. 157-165, 1980.

- Darwin, Charles. More letters of Charles Darwin: a record of his work in a series of hitherto unpublished letters. Vol. 2. P. 235. D. Appleton, 1903.

- HUBER, Pierre. The natural history of ants. Longman, Hurst, Rees, Orme, and Brown. 1820.

- HUBER, Pierre. The natural history of ants. Longman, Hurst, Rees, Orme, and Brown. p. 300. 1820.

- Darwin, Charles. More letters of Charles Darwin: a record of his work in a series of hitherto unpublished letters. Vol. 2. p. 148. D. Appleton, 1903.

- DARWIN, Charles. A origem das espécies.1859 Ed. Planetavivo. p.59. 2009.

- WILSON, E.O; HÖLLDOBLER, B. The ants. The Belknap Press of Harvard University Press Cambridge. Massachusetts. p. 227. 1990.

- WILSON, E.O; HÖLLDOBLER, B. The ants. The Belknap Press of Harvard University Press Cambridge. Massachusetts. p. 260,265,286, 294. 1990.

- Feromônio: conjunto de compostos químicos que são produzidos por meio de glândulas específicas, promovendo a comunicação de indivíduos da mesma espécie. Um indivíduo libera estes compostos e o outro indivíduo identifica, podendo ou não desencadear um corportamento nele. WILSON, E.O; HÖLLDOBLER, B. The ants. The Belknap Press of Harvard University Press Cambridge. Massachusetts. p. 228-244. 1990.

- Aristóteles. História dos Animais. Livros I-VI. Edição: Imprensa Nacional-Casa da Moeda Concepção gráfica: Branca Vilallonga (Departamento Editorial da INCM).Revisão do texto: Paula LoboISBN: 972-27-1452-X. p. 188-189. Data de impressão: Janeiro de 2006.

- Alcorão Sagrado. Centro Cultural Beneficente Árabe Islâmico de Foz do Iguaçu. Versão para RocketEdition, Al NAML. 1107.

- Disponível em

< http://www.mirmiberica.org/a/BHME/edadmedia/BHME_EdadMedia.htm> Acesso em: 30 set. 2020.

- WILSON, E.O; HÖLLDOBLER, B. The ants. The Belknap Press of Harvard University Press Cambridge. Massachusetts. p. 258. 1990.

- DELLA-LUCIA, Terezinha.M. C..As formigas cortadeiras. p. 84, 106-121,. 1993.

- Aristóteles. História dos Animais. Livros I-VI. Edição: Imprensa Nacional-Casa da Moeda Concepção gráfica: Branca Vilallonga (Departamento Editorial da INCM).Revisão do texto: Paula LoboISBN: 972-27-1452-X. p. 174. Data de impressão: Janeiro de 2006.

- DARWIN, Charles. A Viagem de Beagle .1839. EDUSP; 1ª edição. p. 32. 2009.

- DARWIN, Charles. A origem das espécies.1859. Ed. Planetavivo. p.224. 2009.

- FONTAINE, La. A cigarra e a formiga. Fabula Adaptada. 2008.

- SAMANIEGO, Félix María. Fábulas. Good Press. p. 2-3. 2019.

- LOBATO, Monteiro; VITOR FILHO, Manuel. Fábulas: histórias diversas.p. 4. 1957.

- BILAC, Olavo BMG. Poesias infantis. Rio de janeiro, Francisco Alves, 1929.

- Auguste de Saint-Hilaire In: DELLA-LUCIA, Terezinha.M. C..As formigas cortadeiras. Prefácio. 1993.

- DE ANDRADE, Mário. Macunaíma. Editorial CSIC-CSIC Press. p. 82. 1988.

- MOTTA, Ana Raquel. Muito além da cigarra e da formiga. Letras de Hoje, v. 49, n. 3, p. 290-296, 2014.

- Gerson Kauer . Ilustração da coluna “Contador de Causos” de 03 de março de 2009. In: MOTTA, Ana Raquel. Muito além da cigarra e da formiga. Letras de Hoje, v. 49, n. 3, p. 290-296, 2014.

- KULKARNI, Shirin. Panchatantra: an example of using narratives in teaching in ancient Indian education. Puheenvuoroja narratiivisuudesta opetuksessa ja oppimisessa, 2013.

- Disponível em

<http://www.columbia.edu/itc/mealac/pritchett/00litlinks/panchatantra_ryder/index.html> Acesso em: 16 out. 2020.

- BOOK THREE - Crows and Owls. p. 326-331.

Disponível em

<http://www.columbia.edu/itc/mealac/pritchett/00litlinks/panchatantra_ryder/index.html> Acesso em: 16 out. 2020.

- CHARBONNEAU, D.; HILLIS, N.; DORNHAUS, Anna. ‘Lazy’in nature: ant colony time budgets show high ‘inactivity’in the field as well as in the lab. Insectes sociaux, v. 62, n. 1, p. 31-35, 2015.

- CHARBONNEAU, Daniel et al. Who are the “lazy” ants? The function of inactivity in social insects and a possible role of constraint: inactive ants are corpulent and may be young and/or selfish. Integrative and comparative biology, v. 57, n. 3, p. 649-667, 2017.

- CHARBONNEAU, Daniel. Why are There'Lazy'Ants? How Worker Inactivity can Arise in Social Insect Colonies. 2016.

- HASEGAWA, Eisuke et al. Lazy workers are necessary for long-term sustainability in insect societies. Scientific reports, v. 6, n. 1, p. 1-9, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Carmo, D. V. do. (2020). A História das formigas e as formigas na história: etologia e cultura. Khronos, (10), 112-139. https://doi.org/10.11606/issn.2447-2158.i10p112-139