O Refino estiriano na Fábrica de Ferro de Ipanema: gestos engendrando cristais em 1885

Autores

  • Fernando Jose Gomes Landgraf Universidade de São Paulo. Escola Politécnica
  • Paulo Eduardo Martins Araujo Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-2158.i13p1-44

Palavras-chave:

Fábrica de ferro de Ipanema, Refino, arqueometalurgia, assinatura química

Resumo

A fabricação de barras de ferro maleável na Fábrica de Ferro de Ipanema é examinada com base na descrição do processo de refino do ferro-gusa feita pelo engenheiro Dupré, em 1884, e pela análise da microestrutura de alguns exemplares obtidos no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, em 2014. Barras desse tipo foram utilizadas nas estradas de ferro do século 19. São contextualizados e explicados, a luz dos conhecimentos atuais, os gestos dos operadores do refino. As heterogeneidades microestruturais nelas observadas são similares às citadas na literatura sobre peças contemporâneas. Foi possível correlacionar a composição química do minério de ferro de Ipanema com a composição das inclusões de escória presentes naqueles objetos, parâmetro viável para estabelecer a “assinatura química” das barras lá fabricadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Jose Gomes Landgraf, Universidade de São Paulo. Escola Politécnica

Possui graduação em Engenharia Metalúrgica pelo Centro Universitário da FEI (1976), mestrado (1987), doutorado (1992) e Livre Docência (2007) em Engenharia Metalúrgica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo; é professor titular da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Trabalhou por 29 anos como pesquisador, no Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo, até 2005. Assumiu a Diretoria de Inovação do instituto (julho 2009 a agosto 2012), e foi Diretor Presidente do IPT entre 2012 e 2018. Focalizou o Planejamento Estratégico da instituição no aumento da receita associada com inovação. Como pesquisador e professor, atua na área de Engenharia de Materiais e Metalúrgica, com ênfase na relação entre a microestrutura e o comportamento magnético dos materiais de engenharia e no processamento de partículas, por metalurgia do pó e por manufatura aditiva (impressão 3D) . Desde 2010 investiga também a história da metalurgia no Brasil, com ênfase na análise microestrutural arqueológica.

Paulo Eduardo Martins Araujo, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em História com complementação em antropologia e sociologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (1981), mestrado em Ciências Sociais Aplicadas à Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1988), pós-doutorando no programa Ensino e História de Ciências da Terra do Instituto de Geociências da Universidade de Campinas. Colaborador em pesquisa arqueometalúrgica no Laboratório de Caracterização Microestrutural "Hubertus Colpaert" do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais (PMT), da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Professor de história de 1º e 2º graus na rede de ensino publico e particular do estado de São Paulo, nos anos 1977 a 1983. Conhecimento e experiência em paleografia e transcrição e edição de documentos manuscritos.

Referências

ARAUJO, P. E. M.; PICANÇO, J. L. P.; FARIA, G.; ZUFFO, M. K.; BALZA-NI, M.; ROSSATO, L.; SASSO, D. F.; LANDGRAF, F. J. G. Evolução do perfil interno dos altos-fornos brasileiros no século 19. In: 47º Seminário de Redução de Minérios e Matérias-Primas, ABM São Paulo, p. 432-456. 2017. DOI 10.5151/2594-357X-0EDPIAFB.

BARROS, Gustavo O Desenvolvimento do setor siderúrgico brasileiro entre 1900 e 1940: Criação de empresas e evolução da capacidade produtiva. In: IV Jornadas de Historia de la Industria y los Servicios, 2013, Buenos Aires. CD de las IV Jornadas de Historia de la Industria y los Servicios, 2013.

BERTIN, Eduardo Henrique. Caracterização química comparativa de inclusões de wustita em ferro refinado do século 19. TCC (Graduação) USP, 2017. 72p.

BUCHWALD VF, WIVEL H. Slag Analysis as a Method for the Characterization and Provenancing of Ancient Iron Objects. Materials Characterization. 1998;40(2):73-96.

CALÓGERAS, J.P. A Fábrica De Ferro de S. João de Ipanema, em seis partes. Revista Brasileira, v. 1, 1895.

CARVALHO, J. Murilo de. A escola de Minas de Ouro Preto: o peso da glória. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010, 196 p.

CASTRO, Adler Homero Fonseca de. A pré-indústria e governo no brasil: iniciativas de industrialização a partir do arsenal de guerra do Rio de Janeiro, 1808-1864. 2017. Tese (Doutorado em História Comparada) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

CHARLTON, M.F. ; Blakelock, E. ; Martinón-Torres M.; Young T. Investigating the production provenance of iron artifacts with multivariate methods. Journal of Archaeological Science, v. 39 p. 2280-2293, 2012.

DUPRÉ, L. Memória sobre a Fábrica de Ferro de São João do Ipanema. Anais da Escola de Minas de Ouro Preto. v. 4 p. 37-68, 1885.

ESCHWEGE, G.B. Memória sobre as dificuldades das Fundições e refinações nas fábricas de ferro. Memórias Econômicas da Academia Real de Ciências de Lisboa, tomo 4, p. 121-128. Lisboa, 1812.

FELICÍSSIMO, J. História da siderurgia de São Paulo, seus personagens, seus feitos. Ed. Instituto Geográfico e Geológico de São Paulo. 1969.

FERRAND, P. A indústria do Ferro no Brasil (província de Minas Gerais). Annais da Escola de Minas de Ouro Preto, número 4, pag 122-139, 1885.

GARÇON, A-F Vents et fours en paléométallurgie du fer, du minerai à l’objet. Programme collectif de Recherche, SRA Bretagne, année 2006. Rapport final - https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00202682/

GUARINO, V.; AZZONE, R. G.; BROTZU, P.; GOMES, C. B.; MELLUSO, L.; MORBIDELLI, L.; RUBERTI, E.; TASSINARI, C. G.; BRILLI, M. Magma-tism and fenitization in the Cretaceous potassium-alkaline-carbonatitic complex of Ipanema São Paulo State, Brazil. Mineralogy and Petrology, Viena, v.104, p. 43–61, 2012.

HASSENFRATZ, Jean-Henri. La Sidérotechnie, ou l'art de traiter les minéraux de fer, pour en obtenir de la fonte, du fer et de l'acier. Paris: Firmin Didot, tome premier, 1812. Disponível em: http://bavarica.digitale-sammlungen.de

KARSTEN, C.J.B. Handbuch für Eisenhüttenkunde. Ed. C. Reimer, Berlin, 1841.

KILLICK, D., FENN, T. Archaeometallurgy: The Study of Preindustrial Mining and Metallurgy. Annu. Rev. Anthropol. 2012. 41:559–75.

LANDGRAF, F. J. G., CASTRO, A. H. F. de, ARAUJO, P. E. M., REGALA-DO, L. B. Os canhões de Ipanema: tecnologia, indústria, logística e política em 1840. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, v. 29, p. 1-36, 2021.

LANDGRAF, F. J. G.; RIBEIRO, M. Y. Q.; ROSA, G. I. L.; CARVALHO, P. S. G.; RODRIGUES, D. L.; MAIA, R. R.; BENEDUCE NETO, F.; AZEVE-DO, C. R. F. Archaeometallurgy of ferrous artefacts of the Patriótica Iron Fac-tory (19 century, Ouro Preto, Brazil), Revista da Escola de Minas International. En-gineering Journal. v.74, n.4, p.483-501, 2021.

LE COZE, Jean. Purification of Iron and Steels a continuous effort from 2000BC to AD2000. Materials Transactions of the Japan Institute of Metals, vol 41, n.1, 2000, pp219-232.

MAIA, Rafael R. Análise de inclusões de escória em amostras metálicas da Fábrica de Ferro de Ipanema. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós Graduação em Engenharia Metalúrgica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. 209 p.

MAIA, R. R.; DIAS, M.S.; AZEVEDO, C.R.F.; LANDGRAF, F.J.G. Archae-ometry of ferrous artefacts from Luso-Brazilian archaeological sites near Ipanema River, Brazil, REM: R. Esc. Minas, Ouro Preto, v. 68, n.2, p.187-193, 2015.

MAMANI-CALCINA, E. Microanálise de inclusões não-metálicas de artefatos ferrosos: Investigação da assinatura química de procedência (Real Fábrica de Ferro São João de Ipanema, Sítio de Afonso Sardinha, Sítio de Missões e Mossend Iron Works) por análise hierárquica de conglomerados. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

MAMANI-CALCINA, ELMER ANTONIO; LANDGRAF, FERNANDO JO-SÉ GOMES; AZEVEDO, CESAR ROBERTO DE FARIAS. Investigating the Provenance of Iron Artifacts of the Royal Iron Factory of São João de Ipanema by Hierarchical Cluster Analysis of EDS Microanalyses of Slag Inclusions. MATERIALS RESEARCH, v. 20, p. 119-129, 2016.

MURSA, Joaquim de Souza. Relatório do Diretor da Fábrica de Ferro de São João do Ipanema. In BRASIL, Relatório do Ministério da Guerra apresentado à Assembleia Geral Legislativa, 1874.

MURSA, Joaquim de Souza. Nota ao Editor. Revista de Engenharia, p. 259, 1883.

NIEMEYER, C.C. Relatório sobre a Fábrica de Ferro de Ypanema. In Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, Relatório apresentado à Assembleia Geral Legislativa, 1878.

OLIVEIRA, Franciely da Luz. Forjando “máquina grande” nos sertões do Atlântico: dimensões centro-africanas na história da exploração das minas de Ipanema e na instalação de uma Real Fábrica de Ferro no morro do Araçoiaba (1597-1810). Dissertação (Mes-trado), UNICAMP, Campinas, 2020.

PERCY, John A Treatise on Metallurgy, vol. ii. 'On Iron and Steel,' p. 610 Styrian Process, 1864, p. 112.

RIBEIRO, Mariana Alice Pereira Schatzer. Entre a fábrica e a senzala. Ed. Alameda, 2016.

SANTOS, N. P. A fábrica de ferro São João de Ipanema: economia e política nas últimas décadas do Segundo Reinado (1860-1889). Ed. Multifoco, Rio de Janeiro, 2013.

SEQUEDA LEÓN, E. M. Caracterização metalográfica de barras de ferro da Fábrica de Ferro de Ipanema da coleção do Museu Nacional. Trabalho de Formatura. Escola Politécnica da USP, 2015.

TUNNER, P. Die Stabeisen- und Stahlbereitung in Frischherden, oder, Der Wohlun-terrichtete Hammermeister, Engelhardt, Freiberg 1858.

TYLECOTE, R.F. A History of Metallurgy. Ed. Institute of Materials. 2a ed. 1992 (p.104)

VON IHERING, A. Die Gebläse. Springer Verlag. 1903. (p. 326).

ZEQUINI, Anicleide. Arqueologia de uma fábrica de ferro: Morro de Araçoia-ba, Séculos XVI-XVIII. Tese (doutorado) – Programa de Pós Graduação do Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006, 223 p.

Downloads

Publicado

2022-08-30

Como Citar

Landgraf, F. J. G., & Araujo, P. E. M. . (2022). O Refino estiriano na Fábrica de Ferro de Ipanema: gestos engendrando cristais em 1885. Khronos, (13), 1-44. https://doi.org/10.11606/issn.2447-2158.i13p1-44

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento