Antipoesia e a realidade estilhaçada

  • Dora Savoldi da Rocha Azevedo Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Contemporaneidade, modernidade, pós-vanguardismo, antipoesia, Nicanor Parra

Resumo

O presente trabalho propõe a análise de “Solo de piano”, antipoema de Nicanor Parra, a fim de discutir mais amplamente algumas questões que palpitam na antipoesia. Por meio de uma construção metonímica, a que se pode aludir nos diversos âmbitos que o configuram, “Solo de piano” materializa a profunda dissonância entre homem e mundo; a cisão e a distância entre os indivíduos nas sociedades modernas; e o esfacelamento de uma concepção de totalidade quanto ao mundo e à vida, cuja abrangência integral se torna impossível. Aqui se analisa, portanto, o esforço antipoético no sentido da refuta ao falseamento da realidade observável, o que acaba por se encaminhar à negação do campo lírico tal qual tradicionalmente estabelecido, à rejeição do sublime. Além disso, fundamentando-se na linguagem popular e estabelecendo uma alteridade com a qual dialoga o sujeito poético, a composição analisada permite vislumbrar a preocupação da antipoesia em se aproximar do povo, expandindo, portanto, o público ao qual se dirige. Pretende-se, enfim, discutir de que modo “Solo de piano” e, de maneira geral, o próprio movimento antipoético configuram uma resposta à fragmentação da experiência humana no mundo contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dora Savoldi da Rocha Azevedo, Universidade de São Paulo
Estudante de Letras na Universidade de São Paulo. Atualmente, faz dupla habilitação em português e linguística e desenvolve um projeto de Iniciação Científica na área de teoria e análise linguística.
Publicado
2018-04-28
Como Citar
Azevedo, D. (2018). Antipoesia e a realidade estilhaçada. La Junta (São Paulo), 2(1), 24-31. https://doi.org/10.11606/issn.2594-7753.lajunta.2018.145730
Seção
Dossiê: A poesia vanguardista Hispano-americana