“Thus changed, I return…”: The Programmatic Prologue of the First Surviving Opera <em>Euridice</em> (1600) by Ottavio Rinuccini and Jacopo Peri. Euripidean, Senecan Poetics and Music as Representation

Autores

  • Georgios P. Tsomis Democritus University of Thrace

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2358-3150.v0i16p61-83

Palavras-chave:

Ottavio Rinuccini, Jacopo Peri, Euridice, prologue, Euripides, Seneca

Resumo

Não desconsiderando a influência da prática teatral renascentista, especialmente da “tragi-comedia pastorale”, no nascimento e desenvolvimento da ópera, meu argumento é que Rinuccini tinha em mente o renascimento da tragédia antiga no Prólogo de Eurídice (1600), a primeira ópera que conhecemos, ciente de que sua produção não consistiu numa reconstrução historicamente acurada da antiga tragédia grega. Vemos no Prólogo que, de um lado, La Tragedia mantém em seu repertório olhares, lágrimas, lamentos de um ponto de vista puramente humano, desejando despertar no coração emoções mais prazerosas; de outro, ela propõe uma catarse por meio de um final feliz para a história. Eu não estou convencido de que, no Prólogo, nosso poeta rejeita o efeito catártico das tragédias gregas, nem que sua obra se coloque em oposição aos preceitos aristotélicos para a tragédia, como pensam muitos musicologistas e historiadores da música. Penso que, em um Prólogo que é na verdade uma recusatio, Rinuccini quer que sua Tragédia lance luzes sobre a natureza do prazer que a audiência obtém da experiência da tragédia. A ênfase de La Tragedia sobre o puramente afetivo tem a ver com certas características da dramaturgia de Eurípides, mais do que com a tragédia de Sêneca, que se tornou a força principal na moldura da tragédia renascentista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-11-25

Como Citar

Tsomis, G. P. (2012). “Thus changed, I return…”: The Programmatic Prologue of the First Surviving Opera <em>Euridice</em> (1600) by Ottavio Rinuccini and Jacopo Peri. Euripidean, Senecan Poetics and Music as Representation. Letras Clássicas, (16), 61-83. https://doi.org/10.11606/issn.2358-3150.v0i16p61-83

Edição

Seção

Artigos