Odisseia 7.79–135: uma ἔκφρασις

  • Paulo Martins Universidade de São Paulo
Palavras-chave: écfrase, Odisseia, digressão, narrativa, retórica, poética

Resumo

Entre as passagens épicas que se valem da écfrase, muito já se discutiu sobre o escudo de Aquiles em Homero, ou o de Héracles em Hesíodo, ou o de Eneias em Virgílio. Também não foram poucos os trabalhos empenhados a discutir as pinturas no templo de Juno em Cartago, apresentadas também na Eneida de Virgílio. Este artigo visa a discutir a écfrase como procedimento retórico-poético aplicado à narrativa da Odisseia, tendo em vista o episódio do palácio de Alcino. Não se preocupa o texto, pois, apenas com os critérios elocutivos da écfrase, como também o trabalha sob uma perspectiva da produção de sentido na narrativa, aproximando o mecanismo ecfrástico do procedimento retórico da digressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-08-02
Como Citar
Martins, P. (2014). <em>Odisseia</em&gt; 7.79–135: uma ἔκφρασις. Letras Clássicas, 18(1), 19-34. https://doi.org/10.11606/issn.2358-3150.v18i1p19-34
Seção
Artigos