O palácio cego de Racine

Autores

  • Joaquim Brasil Fontes Universidade Estadual de Campinas; Faculdade de Educação

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2358-3150.v1i1p97-132

Palavras-chave:

a rasura de Diana, o mito de Fedra, Sêneca e Racine.

Resumo

No prefácio a Fedra, encenada pela primeira vez em 1677, Jean racine declara que sua peça se inspira em Eurípides, sem fazer qualquer alusão explícita a Sêneca, inegavelmente o autor antigo com o qual dialoga com mais freqüência em sua tragédia. Esse estudo procura sublinhar a presença de Phedra em Phèdre, de Sêneca em Racice (por intermédio de temas, vocabulário e estrutura dramática), indicando, ao mesmo tempo, e tentando explicar outra censura imposta ao mito pelo dramaturgo francês: o apagamento de Diana, figura que parece ser indispensável ao desenvolvimento da tragédia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1997-10-14

Como Citar

Fontes, J. B. (1997). O palácio cego de Racine. Letras Clássicas, 1(1), 97-132. https://doi.org/10.11606/issn.2358-3150.v1i1p97-132

Edição

Seção

Artigos