Eurípides aristofânico: a tragédia como artifício cômico

  • Ana Maria César Pompeu Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Eurípides, Aristófanes, Télefo, disfarce, artifícios

Resumo

Em Acarnenses, Aristófanes se servirá do Télefo de Eurípides para se defender como poeta cômico e como protagonista; tal modelo será retomado em Tesmoforiantes, na necessidade de um novo disfarce, o feminino. Novamente quando a tragédia estava no Hades, e a cidade precisava de uma salvação, o deus Dioniso se travestirá de Héracles para resgatar Eurípides, que, embora substituído por Ésquilo, será a motivação do resgate da tragédia no mundo dos mortos, em Rãs. Aristófanes, fazendo a crítica e assimilando os artifícios da tragédia de Eurípides, o poeta das inúmeras soluções, estabelece os limites de sua própria comédia e se distingue como poeta e pensador na Atenas da segunda metade do século V.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2008-12-19
Como Citar
Pompeu, A. M. (2008). Eurípides aristofânico: a tragédia como artifício cômico. Letras Clássicas, (12), 83-98. https://doi.org/10.11606/issn.2358-3150.v0i12p83-98
Seção
Artigos