Entre narrativa heróica e poesia ritual: o sujeito poético que canta o mito

Autores

  • Claude Calame École des Hautes Études en Sciences Sociales (França); Université de Lausanne; Faculté des lettres; Institut d'archéologie et des sciences de l'Antiquité Grec (Suiça)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2358-3150.v0i9p47-65

Palavras-chave:

mélos, poesia ritual, narrativa e discurso, “eu lírico”

Resumo

O cruzamento da perspectiva aberta pelas pesquisas de Benveniste sobre a enunciação entre narrativa (enunciado) e discurso (enunciado da enunciação) e aquelas de Bühler sobre os procedimentos da dêixis a partir do ponto focal que constitui o eu discursivo tem um impacto não somente sobre a concepção do autor e de sua autoridade poética, mas também sobre aquela da ficção em geral e do mito em particular, em sua dimensão discursiva. Para a poesia da Grécia clássica, que erigimos em “literatura” a despeito de seu caráter fortemente pragmático, que destina suas for- mas a performances musicais ritualizadas, não é portanto somente a questão do eu poético (e “lírico”) que deve ser considerada sob uma luz nova, mas também aquela das narrativas que denominamos “míticas”, porque as dotamos de referência empírica e as assimilamos a ficções. Tomando como exemplo único o poema mélico de Píndaro, pertencente ao gênero do epinício, convém ilustrar esse processo complexo de composição-performance musical que põe tanto a metáfora poética quanto a narrativa heróica a serviço de uma celebração ritual pelo prisma de um jogo enunciativo e pragmático de notável densidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2005-10-26

Como Citar

Calame, C. (2005). Entre narrativa heróica e poesia ritual: o sujeito poético que canta o mito. Letras Clássicas, (9), 47-65. https://doi.org/10.11606/issn.2358-3150.v0i9p47-65

Edição

Seção

Artigos