Benjamin Constant: os Princípios e as repúblicas

  • Luís Alves Falcão Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Estudos Sociais e Políticos
Palavras-chave: Benjamin Constant, Princípios, República, Republicanismo

Resumo

A repercussão do pensamento de Benjamin Constant se deve, em grande medida, ao seu esforço teórico de tornar os seus princípios de política redutíveis, ou aplicáveis, a todos os governos. Princípios liberais estes que acentuam a individualidade e as marcantes diferenças dos usos e costumes da vida moderna em comparação à antiga. Entretanto, a variabilidade de suas posturas colocou-o em uma situação de difícil classificação, para além da de liberal. Neste artigo, argumenta-se que seus princípios de política são, de fato, oriundos de sua concepção de república, pois, para que sejam aplicados às monarquias, são necessárias duas instituições modernas: o poder neutro do rei e a hereditariedade de uma assembleia legislativa. Nesse sentido, a teoria de Constant gira em torno de um republicanismo que melhor se coaduna aos princípios de política; esse republicanismo reside na junção entre o que Constant definiu como liberdade dos antigos e a liberdade dos modernos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Alves Falcão, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Estudos Sociais e Políticos
Doutorando em Ciência Política pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Instituto de Estudos Sociais e Políticos
Publicado
2011-11-16
Como Citar
Falcão, L. (2011). Benjamin Constant: os Princípios e as repúblicas. Leviathan (São Paulo), (3), 190-221. https://doi.org/10.11606/issn.2237-4485.lev.2011.132287
Edição
Seção
Teoria Política