[1]
M. Goulart, “A democracia nos limites de seu esgarçamento conceitual”, Leviathan (São Paulo), nº 4, p. 108-137, abr. 2012.