Notícias

Submissões prorrogadas: Dossiê A Poética Negra feminista situa o pensamento político

2021-06-29

SUBMISSÕES PRORROGADAS: até 31/08/2021

chamada-dossie-raa.jpg

Em 1950, o poeta, ensaísta e ativista Aimé Césaire afirmava que não seria possível pensar o fascismo sem olhar para a colonização. Em 1956, o psiquiatra e revolucionário Frantz Fanon apontava que o racismo, longe de ser mero resquício passado, ou tão-somente uma "disposição de espírito" por parte de certos indivíduos, seria estruturante das sociedades modernas. Inspirado por tais intelectuais engajados e pelo trabalho da filósofa e artista Denise Ferreira da Silva, este dossiê propõe examinar, em termos tanto de forma quanto de conteúdo, as implicações mais amplas ao fazer teórico político ao se tomar a sério o problema da violência genocida imposta aos corpos e territórios não brancos no presente global composto por suas arquiteturas coloniais em termos políticos, econômicos e simbólicos. 

Para atender a questão “por que a morte de jovens negr*s pelas mãos de agentes do Estado não causa uma crise ética global?”, Ferreira da Silva entende que, em termos analíticos, é preciso ir além de apelos morais ou mesmo de uma perspectiva inclusiva. Embora esta última seja necessária, a autora afirma que, mesmo que pessoas não brancas adquiram direitos, estes colapsam toda vez que o Estado se utiliza de suas forças de autopreservação. Em direção ao “fim do mundo como conhecemos”, com a Poética Negra Feminista — práxis radical elaborada por Ferreira da Silva — procuramos chamar a atenção para a racialidade como produtora da própria universalidade, inscrita nos textos, corpos, territórios e instituições. Entendemos, portanto, que nenhuma análise política deveria deixar de levar em consideração a questão da racialidade e do roubo de terras nativas.

Este dossiê pretende reunir trabalhos que partam da realidade violenta imposta pelo racismo, pelo colonialismo e pelo sexismo, contribuindo, por um lado, para se pensar criticamente as bases ontoepistemológicas do pensamento político moderno, e fomentando, por outro, a imagiação do político em termos que não coincidam com a expansão do Estado-nação. Visando à desnaturalização da violência genocida, aceitamos artigos que busquem evidenciar a presença do racial e do colonial em textos escritos durante a colonização e o advento dos Estados-nação que são caros ao pensamento político ocidental moderno, ao pensamento político brasileiro e latino-americano, de modo a cobrir a atual lacuna de perspectivas críticas neste campo de estudos no Brasil. Também são bem-vindos trabalhos que tragam para o debate a contribuição de autor*s sistematicamente apagad*s para se (re)pensar o fazer político. Assim, reuniremos também, neste dossiê, narrativas outras — isto é, contra, antes e além da violência total — sobre o existir político, bem como reflexões críticas acerca da relação entre forma e conteúdo no fazer teórico político.

Os artigos serão aceitos até 31/08/2021 pelo sistema on-line da Revista Leviathan. Além da chamada pública, o dossiê contará com artigos de pessoas convidadas, entrevistas com pensador*s relevantes na área de estudos, traduções e elaborações em formatos diversos.

Organizadoras: Nathália Carneiro e Léa Tosold

Saiba mais sobre Submissões prorrogadas: Dossiê A Poética Negra feminista situa o pensamento político

Edição Atual

n. 15 (2017): Dossiê "Crise na América Latina: entre o passado e o futuro"

Com o dossiê “Crise na América Latina: entre o passado e o futuro”, a revista Leviathan inaugura a sua seção dedicada à área de pensamento político latino-americano. Trata-se de um passo inovador da revista. Ao incorporar as reflexões dessa área em expansão das pesquisas acadêmicas brasileiras, a Leviathan dá mostras de seu pluralismo de temas, enfoques e métodos. Isso transparece também na origem diversificada dos autores que compõem o dossiê.

Por outro lado, como temos cotidianamente, a crise na América Latina continua. No Peru, o suicídio do ex-presidente Alan Garcia; na Argentina, a inflação acompanhada de uma política de desinvestimentos sociais do governo de Maurício Macri, responsável por saliente piora no nível de vida de parte significativa da sociedade Argentina; na Venezuela, o embate entre as forças capitaneadas por Nicolás Maduro e pelos oposicionistas Juan Guaidó e Leopoldo López parece mexer em um conflito geopolítico maior, no qual encontramos Rússia e Estados Unidos representando interesses diversos. Por fim, no Brasil, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) se mostra uma combinação perversa entre liberalismo econômico, conservadorismo moral, militarização da vida social, exceção jurídica, obscurantismos de toda sorte e o tradicional familismo típico daquilo que o próprio mandatário acusava de ser a “velha política”.   

Nos textos que compõem o dossiê, encontramos reflexões sobre a democracia – e o seu antípoda, o fascismo-, sobre as relações entre América Latina e Estados Unidos, sobre as utopias forjadas no debate cultural latino-americano e sobre as tensões que a formação brasileira impõe aos esquemas universalizantes do marxismo. Embora cada um dos artigos trate de temas e objetos específicos, é bastante sugestivo lê-los com os olhos voltados para os desdobramentos políticos do quais estamos diante. Impossível não ter certa sensação de vertigem, como se já tivéssemos os vistos. Um motivo a mais, portanto, para aprofundarmos nossos estudos sobre o pensamento político e social produzido em nosso subcontinente, área especialmente vocacionada para exame da formação e dos desdobramentos da consciência crítica diante desse enigma chamado América Latina.

Leonardo Octavio Belinelli de Brito

Rafael Marino

Publicado: 2017-05-07
Ver Todas as Edições