Memória retórico-argumentativa: encontro entre Perelman e Pêcheux

Autores

  • María Alejandra Vitale Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v29i2p156-172

Palavras-chave:

Memória retórico-argumentativa, Perelman, Pêcheux, Ditadura Militar, Imprensa.

Resumo

O objetivo deste trabalho é discutir a noção de memória retórico-argumentativa e ilustrá-la com editoriais e artigos da imprensa escrita brasileira que apoiou o golpe de Estado ocorrido em 31 de março de 1964, nos quais foram reinscritos discursos produzidos pela mídia escrita da Argentina que argumentaram a favor das sucessivas quedas da democracia sofridas por esse país durante o século XX. Para isso, irei me concentrar, primeiramente, na dimensão argumentativa das memórias discursivas e, como aporte para estudá-la, considerarei as técnicas argumentativas caracterizadas por Chaïm Perelman, apesar das diferenças epistemológicas que o separam da análise do discurso francesa, especificamente das propostas de Michel Pêcheux.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-12

Como Citar

Vitale, M. A. (2016). Memória retórico-argumentativa: encontro entre Perelman e Pêcheux. Linha D’Água, 29(2), 156-172. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v29i2p156-172

Edição

Seção

Artigos originais