A crítica textual pula o muro da escola

Autores

  • Manoel Mourivaldo Santiago-Almeida Universidade de São Paulo
  • Gabriela de Souza Morandini Universidade de São Paulo
  • Lilian Barros de Abreu Silva Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v31i2p159176

Palavras-chave:

crítica textual, literatura brasileira, Iracema, Quincas Borba, material didático.

Resumo

O texto apresenta a proposta de pesquisa, em andamento, que estuda a transmissão de textos literários em material didático (livros, apostilas, textos paradidáticos) nas aulas de literatura. Tem como objetivos: (i) fazer o levantamento e a classificação das variantes surgidas no processo de transmissão das obras nesse tipo de material; (ii) investigar a gênese das variantes na transmissão desse material para encontrar o motivo do surgimento das alterações; (iii) discutir a influência dessas alterações numa análise crítico-literária da obra e do seu autor. A pesquisa tem como guia a base teórico-metodológica proposta para a Crítica Textual. Para a classificação ou tipologia das variantes, segue-se a proposta de Blecua (1983). Para análise e identificação dos padrões ou modelos gerais e específicos que regem as modificações sucedidas nos textos literários, o estudo apoia-se em Cambraia e Laranjeira (2010). São expostas partes das análises já realizadas em Quincas Borba, de Machado de Assis, e Iracema, de José de Alencar. Os resultados dessa pesquisa podem contribuir positivamente na produção do material didático e, consequentemente, na formação de professores de língua e literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-09-13

Como Citar

Santiago-Almeida, M. M., Morandini, G. de S., & Silva, L. B. de A. (2018). A crítica textual pula o muro da escola. Linha D’Água, 31(2), 159176. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v31i2p159176

Edição

Seção

Artigos originais