Leitura, ensino de língua portuguesa e formação do professor

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v34i1p103-115

Palavras-chave:

Ensino de Língua Portuguesa, Formação docente, Leitura, Relatório de Estágio

Resumo

Este estudo propõe discutir o estatuto da leitura como componente curricular da disciplina língua portuguesa na escola brasileira. Para tanto, apresenta, inicialmente, um panorama dos modos com que a leitura emerge no percurso histórico de constituição do ensino de língua portuguesa. Em seguida, contrasta esse estatuto historicamente construído com práticas de ensino de língua portuguesa atuais mediadas por estudantes de licenciatura em Letras, por ocasião de realização de estágio em escolas da rede pública da cidade de São Paulo (Brasil). A descrição e a análise do processo de implementação de um projeto de ensino destinado à leitura de contos da literatura marginal, por um estudante, conforme registrado em seu relatório de estágio, permitem problematizar alguns desafios que a prática de leitura em sala de aula coloca para o ensino e para a formação do professor de língua portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, M. (org.). Leitura, História e História da Leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2000.

AGAMBEN, G. O que é um dispositivo? In: O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009, p. 25-51.

BATISTA, A. A. G. Papeis velhos, manuscritos impressos: paleógrafos ou livros de leitura manuscrita. In: ABREU, M. ; SCHAPOCHNIK, N. (orgs.). Cultura letrada no Brasil – objetos e práticas. Campinas, SP: Mercado de Letras – ALB – FAPESP, 2005, p. 87-116.

BATISTA, A. A. G.; GALVÃO, A. M. de O. Livro - Leitura, Prática, Impressos, Letramentos. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2005.

BATISTA, A. A. G.; GALVÃO, A. M. de O.; KLINKE, K. Livros escolares de leitura: uma morfologia. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, no. 20, p. 27-47, 2002.

BOTO, C. A civilização escolar como projeto político e pedagógico da modernidade: cultura em classes, por escrito. Cadernos Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 378-397, 2003.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1o. e 2o. graus e dá outras providências. Brasília, 1971.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Terceiro e Quarto Ciclos do Ensino Fundamental. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Ensino Fundamental, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Ensino Médio e Tecnológico, 1999.

BUNZEN, C. A fabricação da disciplina escolar Português. Revista Diálogo Educacional. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, v. 11, p. 885-911, 2011.

CHERVEL, A. La culture scolaire – une approche historique. Paris: Belin, 1998.

CHERVEL, A. A história das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, no. 2, Porto Alegre, p. 177-229, 1990.

FARIA FILHO, L. M. Representações da escola e do alfabetismo no século XIX. In: GALVÃO, A. M. de O.; BATISTA, A. A. G. (Orgs.). Leitura – práticas, impressos, letramentos. Belo Horizonte: Autêntica, 2005, p. 143-164.

FREDERICO, E. Y. O lugar da literatura. Remate de Males, Campinas, v. 34, n. 2, p. 351-359, 2014.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

GOMES-SANTOS, S. N. Formação inicial e letramento do professor de língua portuguesa: conceber, implementar e avaliar projetos de ensino (Bolsa de Produtividade em Pesquisa Processo 310898/2015-3). Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), 2015.

HANKS, W. Texto e textualidade. In: Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez Editora, 2008, p. 118-168.

LAHIRE, B. La raison scolaire – école e pratiques d’ecriture, entre savoir et pouvoir. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes, 2008.

MARCUSCHI, L. A. Exercícios de compreensão ou copiação nos manuais de ensino de língua? Em Aberto, 16(69), 63-82, 1996.

MORTATTI, M. do R. L. Leitura, literatura e escola – sobre a formação do gosto. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

NONATO, S. Escrita, ensino de língua portuguesa e formação do professor. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 58, p. 1282-1309, 2019a.

OLIVEIRA, G. R. de. Ensino de literatura e história da literatura. In: OLIVEIRA, G. R. O professor de português e a literatura – relações entre formação, hábitos de leitura e práticas de ensino. São Paulo: Alameda, 2013, p. 43-82.

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez Editora; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1988.

PIETRI, E. Sobre a constituição da disciplina curricular de língua portuguesa. Revista Brasileira de Educação, v. 15, p. 70-83, 2010.

RAZZINI, M. P. G. O Espelho da Nação: A Antologia Nacional e o ensino de Português e de Literatura (1838-1971). Tese de Doutorado. Campinas, SP: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, 2000.

ROJO, R. H. R. A concepção de leitor e produtor de textos nos PCN: “ler é melhor do que estudar”. In: FREITAS, Maria Teresa de Assunção; COSTA, Sérgio Roberto (orgs.). Leitura e escrita na formação de professores. São Paulo: Musa/UFJF/INEP-COMPED, 2002, p. 31-51.

ROJO, R. H. R. Gêneros de discurso/texto como objeto de ensino de línguas: um retorno ao trivium? In: SIGNORINI, I. (org.). Rediscutir texto, gênero e discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008, p. 73-108.

SCHNEUWLY, B. Le travail enseignant. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (orgs). Des objets enseignés en classe de français – Le travail de l’enseignant sur la rédaction de texts argumentatifs et sur la subordonnée relative. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes, 2009, p. 29-43.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (Orgs). Des objets enseignés en classe de français – Le travail de l’enseignant sur la rédaction de texts argumentatifs et sur la subordonnée relative. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes, 2009, p. 29-43.

SOARES, M. A escolarização da literatura infantil e juvenil. In: Aracy A. M. Evangelista, Heliana Maria B. Brandão & Maria Zélia V. Machado (orgs.). A escolarização da leitura literária – o jogo do livro infantil e juvenil. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2003, p. 17-48.

SOARES, M. Português na escola – história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, M. (org.). Linguística da Norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002, 155-177.

SOARES, M. Prefácio. In: BATISTA, A. A. G. Aula de português – discurso e saberes escolares. São Paulo: Martins Fontes, 1997, p. VII-XV.

VIDAL, D. G.; HILSDORF, M. L. S. Brasil 500 anos: Tópicas em História da Educação. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

VINCENT, G.; LAHIRE, B.; THIN, D. Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, p. 7-47, 2001.

ZILBERMAN, R. Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.

ZILBERMAN, R. Leitura literária e outras leituras. In: BATISTA, A. A. G.; GALVÃO, A. M. de O. Livro – Leitura, Prática, Impressos, Letramentos. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2005, p. 71-87.

Downloads

Publicado

2021-05-03

Como Citar

Nonato, S. (2021). Leitura, ensino de língua portuguesa e formação do professor. Linha D’Água, 34(1), 103-115. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v34i1p103-115

Edição

Seção

Artigos originais