Dos argonautas aos astronautas: admoestações intertextuais e ensino de literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v35i1p135-156

Palavras-chave:

Ensino de Leitura, Intertextualidade, Velho do Restelo, José Saramago, Carlos Drummond de Andrade

Resumo

Neste artigo, propõe-se um projeto de ensino de literatura no Ensino Médio com base no “episódio do velho do Restelo”, da epopeia Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões. Inicialmente, investiga-se a importância da intertextualidade para a leitura de textos literários, conforme Bakhtin (1995), Kristeva (1969) e outros. Sintetiza-se, também, a discussão sobre o ensino da leitura e a mediação do professor, assim como a revisão crítica do episódio, a partir de Massaud Moisés (1993), Salvatore D’Onófrio (1970) e Gladstone Chaves de Melo (1988), a fim de se consubstanciar a análise cruzada do discurso do velho do Restelo com os poemas Fala do Velho do Restelo ao Astronauta, de José Saramago, e O Homem; As Viagens, de Carlos Drummond de Andrade. Uma versão preliminar foi aplicada em turmas do primeiro ano do Ensino Médio, guiando-se pelos pressupostos metodológicos do Método Recepcional (BORDINI & AGUIAR, 1993) e da Sequência Expandida (COSSON, 2006).

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Márcio Matiassi Cantarin, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

    Possui Graduação em Letras/Literatura pela Faculdade Estadual de Filosofia Ciências e Letras de Jacarezinho (2000), Mestrado em Letras/Estudos Literários pela Universidade Estadual de Londrina (2003) e Doutorado em Letras/Literatura e Vida Social pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"/Assis (2011), tendo gozado de bolsa CAPES sandwich junto a Universidade de Coimbra - Portugal, sob co-orientação do Prof. Dr. José Luis Pires Laranjeira. Já trabalhou em diversas instituições públicas e particulares Ensino Superior. Atualmente é professor Adjunto nível I na graduação em Letras e cursos técnológicos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR (campus Curitiba). Tem mais de dez anos de experiência no ensino superior em cursos de Administração de Empresas, Direito, História, Pedagogia, Química, Radiologia e nomeadamente na área de Letras, com ênfase em Literaturas de Língua Portuguesa e Teoria Literária, inclusive na pós-graduação Lato Sensu.

  • Valéria Hernandorena Monteagudo de Campos, Universidade de São Paulo

    Mestranda em Literatura Portuguesa (USP), na linha de pesquisa Diálogos e Conexões: outras artes, saberes e cenários. Graduada em Letras - Português e Inglês, possui também especializações e produções acadêmicas nas áreas de ensino e tecnologias. Tradutora e professora de língua portuguesa e literatura na educação básica e superior.

Referências

ALMEIDA, A. L. de C. O papel da intertextualidade na construção da leitura crítica, 1999. Dissertação de Mestrado (Pós Graduação em linguística aplicada) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas-SP, 1999. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/CAMP_c51903fdcdb1c7072f6e9a3b6c669791. Acesso em: 25 mai. 2021.

ANDRADE, C. D. de. As impurezas do branco. Rio de Janeiro: Record, 2005.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 1995.

BARBOSA, F; BELETTI, S. Inês de Castro e o Velho do Restelo com explicação estrofe por estrofe. São Paulo: Landy, 2001.

BARTHES, R. Aula. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1997.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2018.

BORDINI, M. da G; AGUIAR, V. T. de. Literatura - a formação do leitor: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993.

CALVINO, I. Por que ler os clássicos. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CAMÕES, L. V. de. Os Lusíadas. São Paulo: Klick, 1999.

CANDIDO, A. O direito à literatura. Vários escritos, v. 3, p. 235-263, São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1995.

CASTRO, C. A; SOUSA, M. C. P. de. Pedagogia de projetos na biblioteca escolar: proposta de um modelo para o processo da pesquisa escolar. Perspectivas em ciências da. informação, Belo Horizonte, v. 13, n. 1, p. 134-151, abr. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-99362008000100009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 mai. 2020.

CECCANTINI, J. L. Mentira que parece verdade: os jovens não leem e não gostam de ler. In: FAILA, Zoara (org.). Retratos da leitura no Brasil 4. Rio de Janeiro: Sextante, 2016

COELHO, N. N. (Org.). Versos de amor e morte. São Paulo: Peirópolis, 2006.

COMPAGNON, A. Literatura para que? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

COSSON, R. Letramento literário - teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2006.

D’ONOFRIO, S. O Velho do Restelo e a consciência crítica de Camões. Revista de História, [S. l.], v. 40, n. 81, p. 75-89, 1970.

ECO, U. Interpretação e Superinterpretação, São Paulo: Martins Fontes. 1993.

FELIPE, C. V. do A. O velho do Restelo e a empresa de Vasco da Gama na epopeia lusíada. Artcultura, v. 19, n. 35, Uberlândia: p. 117-130, 2017.

FREIRE, P. Da leitura do mundo à leitura da palavra. Obra de Paulo Freire; Série Entrevistas, Campinas: Leitura: teoria e prática, 1982.

FREIRE, P. et al. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 2003.

GALEANO, E. A função da arte/1. O livro dos abraços, v. 5, Porto Alegre: L&PM, 2009.

GENETTE, G. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Tradução de Luciene Guimarães e Maria Antônia Ramos Coutinho. UFMG: Faculdade de Letras, 2005.

KOCH, I. G. V; BENTES A. C.; CAVALCANTE, M. M. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cortez, 2007.

KRISTEVA, J. A palavra, o diálogo e o romance. In: KRISTEVA, J. Introdução à semanálise., São Paulo: Perspectiva, 1969, p. 207-234.

LAJOLO, M. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 2008.

MACHADO, A. M. Como e por que ler os clássicos universais desde cedo. São Paulo: Objetiva, 2002.

MELO, G. C. de. Uma interpretação do" Velho do Restelo". Agália: Publicaçom internacional da Associaçom Galega da Lingua, Rio de Janeiro, n. 15, p. 313-316, 1988.

MOISÉS, M. "A Fala do Velho do Restelo": Heterodoxia?. Homenagem a Alexandrino Severino, São Paulo, 1993.

MORAN, J. M; MASETTO, M. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

PERRONE-MOISÉS, L. Crítica e intertextualidade. Texto, crítica, escritura. São Paulo: Ática, 1978.

PESSOA, F. Mensagem. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.

SARAMAGO, J. Saramago concede um prémio ao Nobel. [Entrevista concedida a Antoine de Gaudemar, Libération, 6 de novembro de 1998. Rep. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n. 3, outubro-dezembro de 1998, pp. 42-44.

SARAMAGO, J. Os poemas possíveis. Alfragide: Caminho, 1997.

SILVA, F. R. História da Alfabetização em Portugal: fontes, métodos, resultados. In: A História da Educação em Espanha e Portugal. Lisboa, Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. 1993. p. 101-121.

SCHNEIDER, M. Ladrões de palavras. Ensaio sobre o plágio, a psicanálise e o pensamento. Trad. Luiz Fernando P. N. Franco. Campinas: UNICAMP, 1990.

SÉRGIO, A. Breve Interpretação da História de Portugal. 2.ed. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1972.

STAM, R. Bakhtin: da teoria literária à cultura de massa. Trad. Heloísa Jahn. São Paulo: Ática, 1992.

Downloads

Publicado

2022-03-21

Como Citar

CANTARIN, Márcio Matiassi; CAMPOS, Valéria Hernandorena Monteagudo de. Dos argonautas aos astronautas: admoestações intertextuais e ensino de literatura. Linha D’Água, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 135–156, 2022. DOI: 10.11606/issn.2236-4242.v35i1p135-156. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/185199.. Acesso em: 16 jul. 2024.