Manipulação de factos e de opiniões. O debate presidencial entre Marcelo Rebelo de Sousa e André Ventura (2021)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v36i2p90-105

Palavras-chave:

Eleições presidenciais, Análise do discurso, Estratégias de argumentação e persuasão, Ethos, Pathos

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo primordial realizar uma análise linguístico-discursiva das estratégias de argumentação e de persuasão predominantes no debate de 06 de janeiro de 2021 para as eleições presidenciais em Portugal, evidenciando as estratégias de manipulação dos locutores e candidatos. Debruçamo-nos sobre a natureza dos objetos de manipulação, assim como sobre as configurações que essa manipulação assume no género discursivo em questão e respetivas finalidades. Examinamos o apelo às emoções, aos valores e à mudança realizado pelos dois candidatos. São objeto de estudo as imagens (ethos) que os adversários políticos constroem de si e do outro no e pelo discurso, as emoções (pathos) que suscitam as suas palavras, os principais valores axiológicos dos lexemas e expressões utilizados, e os modos de refutação de factos e pontos de vista convocados. Este estudo insere-se na perspetiva da análise do discurso, assim como no quadro do estudo da argumentação, nomeadamente da argumentação no discurso político.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Ana Cristina Braz, Universidade NOVA de Lisboa. Universidade Aberta

    Doutora em Ciências da Linguagem pela Universidade do Minho (2017).
    Professora Auxiliar Convidada na Universidade Aberta (Portugal).
    Investigadora do Centro de Linguística da Universidade NOVA de Lisboa (Portugal).

  • Isabelle Simões Marques, Universidade NOVA de Lisboa. Universidade Aberta

    Doutora em Linguística pela Universidade NOVA de Lisboa & Université Paris 8 (2012).
    Professora Auxiliar da Universidade Aberta (Portugal).
    Investigadora no Centro de Linguística da Universidade NOVA de Lisboa (Portugal).
    Colaboradora do Laboratório de Educação a Distância e eLearning da Universidade Aberta (Portugal).
    Colaboradora do Centro de Línguas, Literaturas e Culturas da Universidade de Aveiro (Portugal).

Referências

AMOSSY, R. L´argumentation dans le discours. 3.ª ed. Paris: Armand Colin, 2012.

BROWN, P.; LEVINSON S. Politeness. Some universals in language use. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

CHARAUDEAU, P. Le discours politique: les masques du pouvoir. Paris: Vuibert, 2005.

CHARAUDEAU, P. Pathos et discours politique. In: RINN, M. (Dir.). Émotions et discours. L´usage des passions dans la langue. Rennes: PUR, 2008, p. 49-5

CHARAUDEAU, P. Réflexions pour l’analyse du discours populiste. Mots. Les langages du politique, n. 97, p. 101-116, 2011. Disponível em: http://mots.revues.org/20534. Acesso em: 27 out. 2022.

CHARAUDEAU, P. Du discours politique au discours populiste. Le populisme est-il de droite ou de gauche? In: CORCUERA F. et alii (Dir.). Les discours politiques. Regards croisés. Paris: L’Harmattan, 2016, p. 32-43.

DUARTE, I. M.; PINTO, A. G.; SALGADO, S. Estratégias discursivas do discurso político populista em Portugal: Estado Novo e movimentos nacionalistas atuais. In: MARQUES M. A.; DE SOUSA, S. G. (Org.). Linguagens de poder. Braga: Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, 2019, p. 35-53.

GRICE, H. P. Logic and conversation. In: COLE, P.; MORGAN, J. L. Morgan (Ed.). Syntax and semantics, vol. III, Speech Acts. New York: Academic Press, 1975, p. 41-58.

JSSELING, S. I. Rhétorique et Philosophie. Revue Philosophique de Louvain, v. 4, n. 22, p. 194-195, 1978.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Le discours en interaction. Paris: Armand Colin, 2005.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Les débats de l’entre-deux-tours des élections présidentielles françaises. Constantes et évolutions d’un genre. Paris: L’Harmattan, 2017.

MAINGUENEAU, D. Ethos, scénographie, incorporation. In: AMOSSY, R. (Dir.). Images de soi dans le discours. Lausanne: Delachaux et Niestlé, 1999, p. 75-100.

MARQUES, M. A. Debate, argumentação e organização enunciativa. Comunicação e Sociedade, v. 8, 2005, p. 47-62.

MARQUES M. A. Discordar no Parlamento: estratégias de argumentação. Revista Galega de Filoloxía, n. 8, 2007, p. 99-124.

MARQUES M. A. La reprise dissensuelle dans le discours politique parlementaire - du dialogal au dialogique. Cahiers de Praxématique, n. 57, 2011, p. 133-146.

MARQUES, M. A. Politique, humour et campagne électorale. Les enjeux d´une politique-spectacle. Mots. Les Langages du Politique, n. 101, p. 61-75, 2013. DOI: https://doi.org/10.4000/mots.21146.

MARQUES, M. A. Debate eleitoral português: presidencialização e estratégias de atenuação linguística em situação de confronto político. Linha D'Água, v. 30, n. 1, p. 9-33, 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v30i1p9-33.

MICHELI, R. Emotions as objects of argumentative constructions. Argumentation, v. 24, n. 1, p.1-17, 2010.

MONOD, J.-C. Vérité de fait et opinion politique. Esprit, v. 10, n. 10, p. 143-153, 2017. DOI: https://doi.org/10.3917/espri.1710.0143.

PLANTIN, C. L´argumentation. Paris: Seuil, 1996.

SANDRÉ, M. Analyser les discours oraux. Paris: Armand Colin, 2013.

WALTON, D. The place of emotion in argumentation. Pennsylvania: The Pennsylvania State University Press, 1992.

Downloads

Publicado

2023-08-08

Como Citar

BRAZ, Ana Cristina; MARQUES, Isabelle Simões. Manipulação de factos e de opiniões. O debate presidencial entre Marcelo Rebelo de Sousa e André Ventura (2021). Linha D’Água, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 90–105, 2023. DOI: 10.11606/issn.2236-4242.v36i2p90-105. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/205110.. Acesso em: 24 jul. 2024.