A influência dos contos de fadas na literatura juvenil brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2020.168918

Palavras-chave:

Literatura Juvenil, Contos de fadas, Adaptação, Sagas Fantásticas

Resumo

Este artigo analisa obras da literatura juvenil brasileira que se apropriam e ressignificam elementos de contos de fadas, considerando o público ao qual as obras se dirigem. Distinguimos três categorias de análise: a) Obras que apresentam menção e presença intertextual de contos de fadas; b) Narrativas que adaptam e recontam o conto para público juvenil e c) recriação e ressignificação total. Analisamos uma obra juvenil de cada uma das categorias. Concluimos que teremos obras juvenis que apenas ecoam discursividades das narrativas infantis adaptadas a um novo público, enquanto outras irão reelaborar novos olhares críticos sobre os conteúdos.

Biografia do Autor

Pedro Afonso Barth, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Doutor pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) (2016-2019). Mestre em Letras pela Universidade de Passo Fundo (UPF/2016) na linha de Leitura e Formação do Leitor cuja dissertação foi dedicada à pesquisa de Sagas Fantásticas, especialmente Crônicas de Gelo e Fogo. Especialista em Língua Portuguesa - Novos Horizontes Teóricos e Práticos (UPF - 2013) e pesquisou Letramento digital e multimodalidade nas redes sociais. Possui graduação em Letras (Língua Portuguesa e Língua Espanhola e respectivas literaturas) pela Universidade de Passo Fundo (UPF/2012). É pesquisador no Grupo do CNPq "FORPROLL: Formação de Professores de Línguas e Literatura" e aluno pesquisador no grupo CNPq "CELLE- Centro de Estudos de Literatura, Leitura e Escrita: História e Ensino". Atua principalmente nos seguintes temas: Literatura Juvenil Brasileira Contemporânea, Sagas Fantásticas, Letramento, Multimodalidade, Ensino de Língua Portuguesa, Ensino de Literatura, Formação de Leitores, Literatura Infantil e Literatura Hispano-americana.

Referências

BARTH, Pedro Afonso. Entre cinderelas e belas adormecidas: representações femininas na literatura juvenil contemporânea. Entremeios [Revista de Estudos do Discurso, Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS), Pouso Alegre (MG), vol. 17, p. 289-299, jul. - dez. 2018.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2015.

CAMPBELL, Joseph. O Herói de Mil Faces. São Paulo, SP: Cultrix/Pensamento, 2007.

COLOMER, Teresa. Introdução à literatura infantil e juvenil atual. Tradução de Laura Sandroni. São Paulo: Global, 2017.

CORSO, Diana Lichtenstein; CORSO, Mário. Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Artmed Editora, 2013.

COELHO, Nelly Novaes. O conto de fadas: Símbolos, mitos, aquétipos. São Paulo: Editora Paulinas, 2012.

DRACCON, Raphael. Dragões de Éter: Caçadores de Bruxas. São Paulo: Leya, 2010.

LUCA, Bento. O príncipe gato e a ampulheta do tempo. São Paulo: Novo Século Editora, 2013.

PERRAULT, Charles. Mestre gato ou o gato de botas. In: Contos da mamãe gansa. Tradução Elisa Tamajusuku, Maria Alves Müller e Maria Stella Dischinger da Cunha. Porto Alegre: Paraula, 1994. p. 53-70.

PIMENTA, Paula. Cinderela Pop. Rio de Janeiro: Galera Record, 2015.

RIBEIRO, Eliane. Fragilidade e força: personagens femininas em Charles Perrault e no mito da donzela Guerreira. Brasília: Éclat, 2006.

TOLKIEN, John Ronald Reuel. Sobre histórias de fadas. Tradução: Ronald Kyrmse. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2017.

TOMÉ, Maria da Conceição; BASTOS, Glória - A herança dos irmãos Grimm na literatura juvenil contemporânea : a "chick-lit" e as princesas do novo milénio. "Agália [Em linha] : revista de estudos na cultura". n. 103 (2011), p. 7-29. Disponível em: https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/3216/1/artigoagalia.pdf Acesso em: 20 abr. 2020.

VOLOBUEF, K. Um estudo do conto de fadas. Revista Letras, Araraquara: Editora UNESP, 1993, p. 99-114.

Downloads

Publicado

2020-12-08

Como Citar

BARTH, P. A. A influência dos contos de fadas na literatura juvenil brasileira. Literartes, [S. l.], v. 1, n. 12, p. 90-111, 2020. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2020.168918. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/168918. Acesso em: 26 set. 2021.