Ficção, emoção e realidade: formulações sobre o horror artístico em Drácula e A Bruxa de Blair

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2022.185125

Palavras-chave:

Horror artístico, Mimesis, found footage, Drácula, A Bruxa de Blair

Resumo

Este artigo propõe uma releitura crítica do conceito de horror artístico (CARROLL, 1999) e uma relativização do alinhamento entre a experiência do gênero horror e a ficcionalidade inerente à produção estética da obra. Pretende-se, nessa direção, uma reformulação da relação estabelecida entre ficção e realidade, no intuito de se compreender a experiência emotiva que é central para o  entendimento do horror como gênero. São tomadas, para esse fim, duas obras paradigmáticas do gênero, Drácula e A Bruxa de Blair, por meio das quais é estabelecer uma relação problemática entre ficção e realidade.

Biografia do Autor

Leonardo Brandão de Oliveira Amaral, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Ibilce)

É graduado em Letras - Português/Inglês (2021) pela Universidade Regional do Cariri (URCA), campus Pimenta. Na graduação e na iniciação científica. Atualmente, é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Letras (Teoria e Estudos Literários) da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Ibilce/Unesp), campus de São José do Rio Preto. Participa do Núcleo de Estudo de Teoria Linguística e Literária (NETLLI) e do Núcleo de Pesquisa em Literatura Popular (Behetçoho). Seus estudos assentam-se nas áreas de Teoria Literária, Literatura Comparada e Literatura Latino-americana, em especial nas suas interseções no conto e nas narrativas do insólito.

Edson Soares Martins, Universidade Regional do Cariri

Possui graduação (1996), mestrado (2001) e doutorado (2010) em Letras pela Universidade Federal da Paraíba (PPGL). Concluiu estágio pós-doutoral junto ao PROLING-UFPB. Atualmente é Professor Associado (Referência O) de Literatura Brasileira, na Universidade Regional do Cariri (URCA) e professor permanente no Programa de Pós-Graduação em Letras, na mesma IES. Tem experiência na área de Literatura, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura brasileira, poesia, conto oral popular, além de estudar, à luz da contribuição teórica bakhtiniana, a narrativa curta moderna e contemporânea e as formas da estética oral popular. Também manifesta crescente interesse pelas literaturas africanas. Editor-geral de Macabéa - Revista Eletrônica do Netll e Editor-Adjunto de Miguilim - Revista Eletrônica do Netlli.

Pétrus David Sousa Patrício, Universidade Regional do Cariri

Mestrando do Programa de Pós-Gradução em Letras (PPGL), pela Universidade Regional do Cariri (URCA). Graduado em Letras, com licenciatura dupla em Língua Inglesa e suas Literaturas, pela Universidade Regional do Cariri (URCA), membro do Núcleo de Estudo de Teoria Linguística e Literatura (NETLLI). Desenvolve pesquisas nas áreas de literatura inglesa e norte-americana, com enfoque nas produções dos gêneros de terror e ficção científica, intermidialidade (observando as relações entre literatura, cinema e televisão), a partir de abordagens psicanalíticas e bakhtinianas.

Referências

ARISTOTELES. Poética. São Paulo: Ars Poetica, 1993.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 2014.

CARLSON, M. What Stoker Saw: an introduction to the history of the literary vampire. Folkore Forum, 1977 v. 10, n. 2, pp. 26-32.

CARREIRO, R. A câmera diegética: legibilidade narrativa e verossimilhança documental em falsos found footage de horror. São Paulo: Revista Significação, 2013, v. 40, n. 40, pp. 224-244.

CARROLL, N. A filosofia do horror ou paradoxos do coração. Campinas, SP: Papirus, 1999.

GONZALES, D. How a Small Maryland Town Survived the Blair Witch. 2016. Disponível em: https://www.thrillist.com/entertainment/nation/blair-witch-project-true-story-burkittsville-maryland. Acesso em: 18 ago. de 2019.

MARTHE, E. They Wished I Was Dead: How The Blair Witch Project Still Haunts Its Cast. 2016. Disponível em: https://www.vice.com/en_us/article/gyxxg3/they-wished-i-was-dead-how-the-blair-witch-project-still-haunts-its-cast. Acesso

em: 18 ago. de 2019.

MARTONI, A. A estética gótica na literatura e no cinema. Curitiba: Anais do XII Congresso Internacional da ABRALIC, 2011.

MARYLAND STATE ARCHIVES. Burkittsville. Maryland State Archives, c.26 ago. de 2019. Disponível em: https://msa.maryland.gov/msa/mdmanual/37mun/burkkitsville/html/b.html. Acesso em: 03 fev. de 2020.

MURARO, C. Diretor do terror ‘Holocausto Canibal’ fala sobre as polêmicas do filme. 2011. Disponível em: http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2011/11/diretor-do-terror-canibal-holocausto-fala-sobre-polemicas-do-filme.html. Acesso em: 22 set. de 2019.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010. 3 vols.

ROAS, D. A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

SÁNCHEZ, E.; MYRICK, D. (1999): A Bruxa de Blair, Robin Cowie, Estados Unidos.

STEWART, R. (2016): How the original Blair Witch Project ushered in a new era of viral movie marketing. Disponível em: https://www.thedrum.com/news/2016/09/23/how-the-original-blair-witch-project-ushered-new-era-viral-movie-marketing.

Acesso em: 18 ago. de 2019.

STOKER, B. Drácula. São Paulo: Editora Landmark, 2015.

THE GUARDIAN. How we made The Blair Witch Project. Disponível em: https://www.theguardian.com/culture/2018/may/21/how-we-made-the-blair-witch-project. Acesso em: 18 ago. de 2019.

TODOROV, T. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 2017.

WALPOLE, H. O castelo de Otranto. São Paulo: Nova Alexandria, 1994.

ZANINI, C. Found footage and the gothic conventions. Rio de Janeiro: Revista Soletras, 2014, n. 27, p. 194-2006.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

AMARAL, L. B. de O.; MARTINS, E. S. .; PATRÍCIO, P. D. S. . Ficção, emoção e realidade: formulações sobre o horror artístico em Drácula e A Bruxa de Blair. Literartes, [S. l.], v. 1, n. 16, p. 116-140, 2022. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2022.185125. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/185125. Acesso em: 29 fev. 2024.