A monstruosidade em Lilith's awakening

Autores

  • Stephania Amaral Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2021.185216

Palavras-chave:

Lilith, Feminino, Monstro

Resumo

A presente pesquisa se propõe a analisar como o mito de Lilith é representado no filme Lilith’s Awakening (2016), da diretora brasileira Monica Demes. São apontados aspectos como fotografia e estrutura onírica, considerando a questão do gênero horror e o conceito de monstruoso, tendo em vista a valorização de um cinema realizado por mulheres, pouco discutido na academia. O trabalho se ocupa ainda do fascínio causado pela figura do vampiro na ficção a partir do enredo e de aspectos estéticos.

Biografia do Autor

Stephania Amaral, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Doutoranda em Estudos de Linguagens pelo CEFET MG.

Referências

AUTOR. O Despertar de Lilith: O monstro feminino no cinema contemporâneo de Monica Demes. 2019. 103f. Dissertação (Programa de Mestrado em Estudos de Linguagens). Belo Horizonte: CEFET-MG, 2019.

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. Tradução Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Cultrix/ Pensamento, Princeton University Press, 1949.

CARROLL, Noël. A filosofia do horror ou paradoxos do coração. Trad. Roberto Leal Ferreira. Campinas: Papirus, 1999.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Trad. Vera da Costa e Silva et al. Rio de Janeiro: José Olympio, v. 1, p. 995, 1990.

COHEN, Jeffrey Jerome. “A cultura dos monstros: sete teses”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

DE SÁ, Daniel Serravalle. “Walter Hugo Khouri e José Mojica Marins: Terror e Horror no Cinema Brasileiro” in Vertigo: Vertentes do Gótico no Cinema. Rio de Janeiro: Bonecker, 2017.

DONALD, James. “Cheios de si, cheios de medo: os cidadãos como ciborgues”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

FEITO POR ELAS: Drops FpE #05 Monica Demes. Entrevistadora: AUTOR. Entrevistada: Monica Demes. [S. l.]: Anticast, 10 dez. 2018. Podcast. Disponível em: <http://anticast.com.br/2017/11/feitoporelas/drops-fpe-05-monica-demes/>. Acesso em: 25 fev. 2019.

GIL, José. “Metafenomenologia da monstruosidade: o devir – monstro”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

KOLTUV, Barbara Black. O livro de Lilith: o resgate do lado sombrio do feminino universal. Biblioteca Psicologia e Mito. Trad. Rubens Rusche. São Paulo: Cultrix, 2002.

LILITH’s AWAKENING. Direção: Monica Demes. Produção: Monica Demes. Intérpretes: Sophia Woodward, Barbara Eugenia, Matthew Lloyd Wilcox, Sam Garles, Steve Kennevan, Eden West. Roteiro: Monica Demes. Ganesha Filmes, 2016. (80 min), son., color.

MILANEZ, Nilton. Discurso e imagem em movimento: o corpo horrorífico do vampiro no trailer. São Carlos: Claraluz, 2011.

NAZÁRIO, Luiz. Da natureza dos monstros. São Paulo: Arte e Ciência, 1998.

RADCLIFFE, Ann. “On the Supernatural in Poetry”. New Monthly Magazine, Vol. 7, 1826.

SAVERNINI, Erika. Índices de um cinema de poesia: Pier Paolo Pasolini, Luis Buñuel e Krzysztof Kieslowski. Editora UFMG, 2004.

SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

STOKER, Bram. Drácula: vampiro da noite. São Paulo: Martin Claret, 2006.

SICUTERI, Roberto. Lilith: a lua negra. Trad. Norma Teles; J. Adolfo S. Gordo. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1987.

TARKOVSKI, Andrei. Esculpir o tempo. Trad. Jefferson Luiz Camargo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Trad. Vera Ribeiro. São Paulo: Círculo do Livro, 1990.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Como Citar

AMARAL, S. A monstruosidade em Lilith’s awakening. Literartes, [S. l.], v. 1, n. 15, p. 176-198, 2021. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2021.185216. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/185216. Acesso em: 7 ago. 2022.