Cantam pretos, dançam brancos: Coreografia da colonização em Nha Fala, de Flora Gomes

Autores

  • Fabiana Carelli Universidade de São Paulo;Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2012.47168

Palavras-chave:

Nha Fala, Flora Gomes, Guiné-Bissau, Cinema, Musical

Resumo

O objeto de estudo deste artigo é o filme Nha Fala, título que, em crioulo da Guiné-Bissau, país africano de língua oficial portuguesa, quer dizer, simultaneamente, “minha voz”, “meu destino”, “minha vida” e “meu caminho”. Essa produção será analisada segundo aspectos narrativos (enredo e função) e de gênero (comédia musical), buscando interpretar a questão da tradição tanto no filme quanto na cultura guineense contemporânea.

Biografia do Autor

Fabiana Carelli, Universidade de São Paulo;Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Professora Doutora da FFLCH-USP e pesquisadora da FAPESP. Projeto de pesquisa associado a esta publicação: A flor, a câmera, o tiro: cinema africano de língua portuguesa em perspectiva.

Downloads

Publicado

2012-09-21

Como Citar

CARELLI, F. Cantam pretos, dançam brancos: Coreografia da colonização em Nha Fala, de Flora Gomes. Literartes, [S. l.], n. 1, p. 1-21, 2012. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2012.47168. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/47168. Acesso em: 13 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos