Infância e poesia no poema Camelôs, de Manuel Bandeira

Autores

  • Paulo Sérgio de Proença

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2014.89212

Palavras-chave:

Manuel Bandeira, Infância, Poesia.

Resumo

Este trabalho procura verificar a representação da infância no poema Camelôs, de Manuel Bandeira. Nesse sentido, analisa a configuração formal, os termos que evocam a infância e o papel que exercem no conjunto. Brinquedos infantis podem remeter a efeitos encantatórios do fazer poético.

Biografia do Autor

Paulo Sérgio de Proença

Doutor em Letras pela USP, Professor Adjunto na Universidade para a Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, campus dos Malês

Referências

ARRIGUCCI JR., Davi. O cacto e as ruínas. São Paulo: Editora 34, 1997.

BANDEIRA, Manuel. Itinerário de Pasárgada. In: Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1986.

______. Libertinagem & Estrela da manhã. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

FREUD, S. Obras completas. Rio de Janeiro: Imago Editora [edição eletrônica], s/d.

ROSENBAUM, Yudith. Manuel Bandeira: uma poesia da ausência. São Paulo: Edusp,

Downloads

Publicado

2014-12-30

Como Citar

PROENÇA, P. S. de. Infância e poesia no poema Camelôs, de Manuel Bandeira. Literartes, [S. l.], n. 3, p. 142-154, 2014. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2014.89212. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/89212. Acesso em: 4 ago. 2021.

Edição

Seção

Artigos