Sinuosidades e ranhaduras na poética de Wlademir Dias-Pino

  • Vinícius Carvalho Pereira Universidade Federal de Mato Grosso.
  • Célia Maria Domingues da Rocha Reis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Palavras-chave: Poesia, artes plásticas, literatura mato-grossense, Wlademir Dias-Pino, linha, Ranhadura.

Resumo

Nas fricções e superposições do real e do textual, mundo e texto se confundem naquilo que se dá a ler por uma hermenêutica dos sentidos. Nessa perspectiva, qualquer experiência estética consistiria na apreensão do mundo-como-texto e do texto-como-mundo a partir de suas linhas, elementos de conteúdo e expressão que permitem o vir-a-ser das coisas diante de nossa percepção. Esta, por sua vez, só possibilita que as coisas se delineiem em nossa mente, especialmente a partir de sua intuição temporal e espacial. A ambiguidade da “linha”, entre o ponto e o plano, o númeno e o fenômeno, o gráfico e o tátil, o textual e o real, é matéria da poética de Wlademir Dias-Pino, cuja arte verbo-visual, reafirmando o caráter físico da experiência poética como atrito e ranhura, devolve a unicidade das coisas a elas mesmas e desossifica nossa percepção do real.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Carvalho Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso.

Doutorado em Letras (Ciência da Literatura) Pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil (2012).

Professor da Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil.

Célia Maria Domingues da Rocha Reis, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Doutora em Letras Pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Brasil.
Publicado
2015-06-18
Como Citar
Pereira, V., & Reis, C. (2015). Sinuosidades e ranhaduras na poética de Wlademir Dias-Pino. Literatura E Sociedade, 20(20), 43-54. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i20p43-54
Seção
Ensaios