“Partida do Audaz Navegante”, de Guimarães Rosa: ressonâncias odisseicas, em clave minimalista

  • Adélia Bezerra de Meneses Universidade de São Paulo/Universidade de Campinas
Palavras-chave: João Guimarães Rosa, Odisseia, “Partida do Audaz Navegante”.

Resumo

A proposta é estudar a reapropriação, em clave minimalista, que Guimarães Rosa faz desse “capital cultural” que é a Odisseia, abordada aqui enquanto matriz do romance de aventuras e do romance de amor. Flagra-se um processo de estilização, miniaturização, estranhamento e carnavalização em “Partida do Audaz Navegante”, conto que fornece a oportunidade para uma reflexão sobre a arte enquanto sucedâneo do brincar infantil, bem como para o tratamento de questões fundamentais: a relação entre literatura e vida, a eficácia psíquica do narrar, a vida enquanto travessia (vita/via), desejo x necessidade, encontro dos contrários. Além disso, procede-se a um contraponto com Fernando Pessoa e com Caetano Veloso (“Os Argonautas”).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adélia Bezerra de Meneses, Universidade de São Paulo/Universidade de Campinas
Docente no Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada.
Publicado
2015-06-18
Como Citar
Meneses, A. (2015). “Partida do Audaz Navegante”, de Guimarães Rosa: ressonâncias odisseicas, em clave minimalista. Literatura E Sociedade, 20(20), 55-66. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i20p55-66
Seção
Ensaios